Canecão: os ratos ocuparam, os ratos venceram, como sempre!

Como única voz do colunismo, na imprensa brasileira, que se levantou contra esse absurdo na ocasião, sem encontrar qualquer eco, não me vanglorio. Apenas tenho que lamentar profundamente a omissão de nossos formadores de opinião, da classe artística, dos políticos e do poder público, que se mantiveram impassíveis diante do arbítrio do reitor da UFRJ, que, na época, não abriu qualquer espaço para diálogo com Mario Priolli ou com quem tentou fazer uma ponte para uma conciliação no sentido de manter aberto o Canecão – a casa que contava 45 anos de história da Música Popular Brasileira.

Todos pareciam muito confortáveis com o advento do Vivo Rio, julgando que ele ocuparia o espaço do Canecão. O que não ocorreu. Os maiores prejudicados foram o Rio de Janeiro, a cultura brasileira, os artistas e o público.

Todos sabiam da situação de penúria da UFRJ. Bem como dos longos e intrincados trâmites burocráticos percorridos para se implementar qualquer ação que dependa de verbas públicas federais.

O Vivo Rio é mal concebido, não integra artista e publico, não existe interação, charme, não contagia. Ninguém sai satisfeito, nem publico nem artista. Lá nada acontece que fique registrado pra posteridade. Não há clima pra isso. Uma casa de espetáculos projetada à revelia do projeto original de Affonso Eduardo Reidy, com uma ‘caixa d’água’ no topo, que interfere na visão estética da preciosa arquitetura do MAM. Foi concebida às pressas, liberada às pressas, construída a jato.

Mas ninguém chiou! Nem Patrimônio, nem demais órgãos culturais, ambientais, municipais, estaduais, federais etc. Atitude totalmente fora do usual, em se tratando da gritante violência cometida contra a estética local e contra a memória cultural do país. Mistério!!!!

Mais um capítulo da série “Interesses não sabidos”, típicos do Brasil.

Em nome desse silêncio e de outros desconhecidos propósitos, foi necessário acabar com o Canecão, a casa que contava 45 anos de historia da MPB. Que precisa, esta sim, ser preservada. Os caraminguás do aluguel não pagam o preço do incomensurável prejuízo à nossa cultura.

Gente mesquinha que pensa pequeno. Com conversa e boa vontade, pra tudo há jeito. Mas com a falta de visão ou –  quem sabe? – os interesses mal explicados, que por motivo ou fatalidade qualquer foram impedidos de se concretizar posteriormente ao fechamento, o desastre fez-se certo.

Não há justificativa. O berço de nossos grandes nomes virou santuário dos ratos. Os ratos venceram! Como sempre.

Agora, cinco anos depois, vejam a situação:

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/t/todos-os-videos/v/abandonadocanecao-no-rio-esta-ha-cinco-anos-sem-receber-shows/4544507/

Via EnviouChegouNews

Recomendo a vocês a leitura desses outros posts, nesta página:

Despedindo de Yonita, uma luz entre Todas As Mulheres Do Mundo

Uma noite feliz, noite de amizade, de rasga coração e até da maravilhosa Alice, que chegou para brilhar nos salões

Um almoço nobre, com princesa e tudo, no mais aristocrático dos endereços do Rio

Cuba declara guerra ao Brasil. E a artilharia é pesada: Miss picota vestido da adversária!

Brasil na lista dos 20 países com as maiores fortunas particulares do mundo

Um espetáculo cativante e sedutor, que forma plateias e tem tudo para lotar grandes teatros… com ópera!!!

Compare e julgue: a Barra da Tijuca tem a ver com um ‘Principado’ independente, tal e qual o de Mônaco?

O Principado de Mônaco e o Principado da Barra, com suas princesas encantadas

 

3 ideias sobre “Canecão: os ratos ocuparam, os ratos venceram, como sempre!

  1. Só posso dizer ” Meus pêsames ”
    Acho mesmo uma vergonha sem tamanho, porém há de se ver que a vergonha anda longe de certos intereces escusos.
    Parabéns Hildegard , se não fosse por vc, eu não saberia destas e de outras coisas, que só alguém com a sua dignidade tem coragem e qualidade para mostrar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *