Deputada médica obtém recursos para Museu do Inconsciente criado pela dra. Nise da Silveira

Quando o poder público quer, o poder público consegue. Através de emenda parlamentar da deputada federal e médica Jandira Feghali (PCdoB/RJ) ao Orçamento da União, foram obtidos recursos na ordem de R$ 620 mil, do Fundo Nacional de Saúde, para o Museu da Imagem do Inconsciente, no Rio de Janeiro. Esse apoio providencial será usado para a compra de equipamentos e materiais do Museu, situado no Instituto Municipal de Assistência à Saúde Nise da Silveira (antigo Centro Psiquiátrico Pedro II), cuja atuação tem provado sua grande importância para a saúde mental.
Tendo entre seus trabalhos mais conhecidos a obra de Arthur Bispo do Rosário, o acervo do Museu reúne mais de 350 mil pinturas desenhos, modelagens, xilogravuras. Em seu gênero, é das maiores e mais diferenciadas coleções do mundo, que merece e deve ser conhecida por todos.
A obra da dra. Nise foi recentemente ‘visitada’ pela cinematografia e retratada em filme estrelado por Gloria Pires, sobre o trabalho revolucionário da psiquiatra brasileira, que recuperava e resgatava vidas e mentes, através de método pioneiro, absolutamente sem recursos, mesclando terapia ocupacional, arte, convívio afetuoso e respeito.
Congrats, deputada Feghali, bela iniciativa!
Jandira Feghali, a médica deputada, propôs emenda e obteve apoio para o Museu do Inconsciente e sua importante atuação na psiquiatria 
Nise da Silveira, a grande dama das mentes humanas, do Hospital Pedro II ao Museu do Insconsciente
Arthur Bispo do Rosário e seus bordados, que gritam e clamam o quanto podem fazer pelas mentes fragilizadas o respeito, o carinho, a atenção, a oportunidade da arte

AS LUVAS AZUIS DE MELANIA

Guia prático e ilustrado para bem se enluvar…

As luvas, desde a posse de Donald Trump na última sexta-feira, caíram na boca do povo da moda, de quem gosta de moda, de quem entende e de quem não entende dela. E delas, as luvas.

Comparações do look da nova primeira-dama Malania Trump com Jacqueline Kennedy não faltaram. Vestindo um conjunto de bolero e tubinho azul bebê assinado por Ralph Lauren, Melania preferiu seguir a linha extremamente clássica e optou por usar luvas e sapatos na mesma cor da roupa. Por trás dessa escolha, já podemos confirmar que Melania não é de surpresas, nem tão pouco ousada quanto a ex-primeira dama Michelle, que costumava usar luvas contrastando com as roupas, num look mais trendy.

Melania, apesar de muito bela, parecia ter saído de uma caricatura da década de 60. Na tentativa de se parecer – forçadamente – com Jacqueline Kennedy, a primeira-dama, ou melhor, seu stylist, acabou pecando pela falta de originalidade. O que vimos ali foi um look datado. Talvez seja isso mesmo o que este novo governo de Trump represente. As roupas também exprimem significados e devemos estar sempre atentos.

Em se tratando de luvas, usá-las da mesma cor que a roupa não é um erro. Apenas, é  datado. Nas décadas de 40 e 50 era habitual. Havia espaço, também, para luvas ton-sur-ton. Mas isso não era uma regra. Muitas mulheres optavam por luvas brancas ou pretas. Em geral, as pretas, eram para looks de festa, à noite. As luvas curtas e/ou ¾ eram usadas apenas durante o dia, as longas, exclusivamente para a noite. Hoje, não há tanto rigor.

Grace Kelly e Jacqueline Kennedy eram fãs de luvas brancas e gostavam de vesti-las contrastando com o look.

As luvas caíram em desuso por volta dos anos 60. Primeiro, pararam de ser usadas nos eventos diurnos. Posteriormente nos noturnos. Contudo, continuaram a ser usadas em eventos de grande gala, sobretudo, nas cortes europeias, nas solenidades oficiais obedecendo a protocolos. Nos países tropicais, como o Brasil, elas foram sumariamente abolidas; passaram a ter seu uso apenas pelo pessoal de serviço em ocasiões de grande importância, garçons, maîtres etc., ou para proteção das mãos no frio ou condução de motos, automóveis, além de alguns esportes, como o boxe, a equitação e a esgrima, por exemplo.

Até hoje, há um protocolo rigoroso que deve ser obedecido por quem usa luvas, como não se servir de alimentos com as mãos enluvadas, além de não usar anel, pulseira ou relógio por cima delas. Na hora dos cumprimentos, é educado retirar as luvas. O que as majestades e mulheres de dignitários não fazem, como nos acostumamos a ver nas fotos da Rainha Elizabeth II e nas recepções da Casa Branca.

No Brasil, a elegante que mais pratica a arte de se enluvar é Fernanda Basto. E faz isso com grande classe.

Abaixo, algumas inspirações antigas e atuais:

 

 

O pioneirismo de Zuzu ecoa mundo afora

Via Instituto Zuzu Angel

No último People’s Choice Awards, que premia séries, músicas e filmes da cultura pop americana, a atriz Jamie Chung usou um vestido belíssimo de rendas brasileiras, da estilista Martha Medeiros. O pioneirismo de Zuzu do anos 60 caminhou a long, long way até o red carpet, numa bem-sucedida criação de Martha. Zuzu, foi a primeira estilista brasileira a trabalhar as rendas nacionais, em uma época que todos se voltavam para a Moda parisiense. Esses vestidos transgrediram o clássico, propondo a brasilidade das nossas rendas singelas.

Martha tem feito bastante sucesso lá fora e já vestiu nomes como Jessica Alba e Sofia Vergara.

Abaixo, o vestido usado por Chung, assinado por Martha Medeiros e os vestidos de renda do Norte, de Zuzu Angel, da década de 70.

 

 

5 meninas bordadeiras pra grudar desde já!

Via Instituto Zuzu Angel

O bordado foi uma das grandes paixões de Zuzu Angel. Foi através dele que ela se expressou em sua mais icônica coleção, na década de 70, denunciando ao mundo sua dor como mãe pelo desaparecimento de seu filho, Stuart, e os horrores da Ditadura Militar Brasileira.

De um tempinho pra cá, o bordado voltou à cena, atraindo, especialmente, os mais jovens, que cada vez mais vem se interessando pelos ofícios manuais, como a tecelagem, o crochê, a costura. Há um grande interesse por parte das novas gerações em aprender essas técnicas. Não é a toa, que estamos vivendo um verdadeiro boom de novos artistas de bordado. Mas esqueça a Moda. Os bordados da vez não necessariamente adornam roupas. A decoração é a grande vedete. Ter um bordado pendurado na parede da sala passou a ser um “statement”. O bastidor é a moldura, o tecido é a tela e a agulha, o pincel.

Selecionamos 5 meninas bordadeiras talentosas pra você seguir no Instagram! 😉
Dá uma olhada:
.

Vazou depoimento da Kardashian à polícia francesa: estava nua por baixo do robe no assalto – ah, essas Kardashian!

Vazou para a imprensa o depoimento de Kim Kardashian à Polícia, na delegacia em Paris, sobre o assalto sofrido por ela. O conteúdo foi publicado ontem, no Le Journal du Dimanche, da França, vertido para o inglês, pelo WWD, e neste minuto para o português, por esta que vos escreve.

Foi nas primeiras horas da manhã de 3 de outubro passado, quando ela ouviu passos fora de seu apartamento e gritou. Como ninguém respondeu, ela ligou para seu guarda-costas, eram 2h46m da madrugada. Imediatamente após isso, dois homens mascarados, usando coletes da polícia, entraram em seu quarto e a amarraram. Um deles, usando óculos de esqui, pediu seu anel. Ela agiu como se não soubesse do que ele estava falando, mas quando ele mostrou uma arma, ela apontou para seu anel de noivado, da joalheria Lorraine Schwartz, de US$ 4 milhões, numa mesa próxima (o anel é famoso, a mídia falou muito sobre ele).

“Ele apontou a arma para mim, pegou o anel. Estava usando luvas e me perguntou onde estavam as jóias e o dinheiro”, disse Kim. “Eles me pegaram e me levaram para o saguão de entrada, eu estava usando um roupão de banho, nua por baixo. Então, voltamos para a sala e eles me empurraram para a cama, onde me amarraram com cabos de plástico e fita adesiva nas mãos. Então, eles passaram a fita na minha boca e nas pernas e me levaram para o meu banheiro. Para ser precisa, para minha banheira”, ela prosseguiu.

Kim acrescentou que, entre os itens roubados, estavam duas pulseiras de diamante; um colar de ouro e diamantes e uma cruz cravejada de diamantes; um conjunto de colar de diamantes com um par de brincos de diamantes, da Lorraine Schwartz; um relógio de ouro amarelo Rolex, e um colar com o nome de seu filhinho, Saint, soletrado em diamantes.

Na época do relatório à Polícia, ela avaliava os bens roubados em cerca de US$ 5 milhões (metade dos US$ 10 milhões relatados anteriormente).

Desde então a polícia francesa deteve 17 suspeitos, que ela acredita serem os responsáveis pelo assalto.

Kim Kardashian e o baby Saint, que ficou sem seus diamantes

O anel de noivado, diamante de 15 quilates com lapidação de esmeralda

Nem religiosa de hábito nem santa de oratório, Gisella vai marcando o tempo da sua vida com atos de amor ao próximo

A Arquidiocese do Rio de Janeiro acaba de contemplar Gisella Amaral com o Prêmio Especial São Sebastião 2016, sua mais alta honraria.

Ainda não foi anunciada a data, bem como não foi revelado o local da entrega da homenagem.

Gisella Amaral, a grande dama da bondade

Nem religiosa de hábito nem santa de oratório, Gisella, a grande dama da bondade, vai marcando o tempo da sua vida com atos cotidianos de amor ao próximo – alguns grandiosos, outros pequeninos. O que pode significar alegrar a vida dos velhinhos de um asilo (durante vários natais seguidos levou o rei Roberto Carlos para festejar o Natal da Casa São Luiz), a campanha de prevenção do câncer de mama (saiu em périplo pelo país, fazendo palestras, dando o depoimento pessoal, na campanha Outubro Rosa), a ajuda ao Banco da Providência (criou o Arraial da Providência, para compensar o prejuízo com a queda do movimento da Feira da Providência) e as múltiplas ações construtivas de sua obra social SorRio.

Dona de grande criatividade na promoção de eventos, capaz de agregar pessoas de forte expressão, celebridades, benfeitores, lideranças empresariais, Gisella é um motor propulsor do bem, uma força para a caridade, locomotiva para as ações da Igreja Católica, e aberta a ajudar seja qual for a religião das carências, porque, afinal, bondade não vê fé, não vê time de futebol, raça ou sexo.

Daqui, meus aplausos entusiasmados pelo acerto do Conselho Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro, na concessão deste Prêmio Especial.

Viva a Gisella Amaral!

 

A pegadinha de Michelle Obama em sua despedida do povo americano

Com as finanças do país estabilizadas, a relação harmoniosa com Cuba, a redução dos soldados americanos no Afeganistão e no Iraque, Barack Obama conclui seu mandato com a popularidade alta, apesar de não ter emplacado seu sucessor, e isso muito devido à decepção daqueles que acreditaram nas promessas iniciais do ‘Prêmio Nobel da Paz’ Obama, que, ao longo de seus 8 anos de mandato, foi o presidente americano recordista em conflitos internacionais, despejando 48.819 bombas sobre 7 países, ao cálculo de 66,5 ao dia, 2,7 por hora*!

Enquanto Obama explodia populações civis, sua mulher, Michelle, bombava em nome da boa vida saudável diante de uma América intoxicada com litros e litros diários de Coca-Cola e toneladas de Big Macs.

Com suas ideias próprias, sempre estimulante e estilosa, Michelle tornou-se absolutamente venerada pelo povo americano. Ela revolucionou o cardápio de seu dia a dia, desde a escola, invertendo a pirâmide alimentar tradicional, priorizando legumes, carnes magras, fibras, oleoginosas ‘do bem’, tornando as crianças mais saudáveis, ensinando o povo a comer salada, a sacudir o esqueleto, para ter vida mais longa e com saúde.

O exemplo do sucesso da Primeira Dama foi a pegadinha de ontem no programa top dos EUA,  de Jimmy Fallon, em que os admiradores de Michelle se declararam a ela diante de seu retrato, e de repente ela apareceu, em carne e osso diante deles! Aí vimos o que é popularidade, quando alguém de poder se dispõe a fazer algo positivo pelo seu povo. Assistam ao vídeo:

*por hora:

https://actualidad.rt.com/actualidad/228115-legado-barack-obama-mandato

A cor que tira o apetite!

Via Instituto Zuzu Angel

Nós, brasileiros, adoramos seguir uma superstição no Ano Novo, acreditando que as cores que vestimos possam trazer paz, amor, dinheiro, harmonia e bons fluídos, não é mesmo? Mas falando em termos científicos, a psicologia das cores é algo bastante intrigante. Nosso cérebro é capaz de assimilar cores, traduzindo-as em sentimentos e sensações, sabia?

Recentemente, a modelo Kendall Jenner, publicou em seu Instagram uma foto de sua sala com as paredes pintadas de rosa em um tom conhecido como “Baker-Miller Pink” (algo parecido com o chiclete). A razão que a levou a optar por este rosa foi o fato dele “cortar o apetite”. Kendall revelou que foi jantar com alguns amigos que haviam acabado de visitar a exposição “Human Condition”, em cartaz em um hospital de Los Angeles. Na expo havia um quarto neste tom, cuja justificativa dizia que era cientificamente comprovado por acalmar e “tirar o apetite”. A modelo não pensou duas vezes: “Preciso dessa cor na minha casa!” – disse.

É comprovado que outras cores também provocam em nós alguns sentimentos e sensações. O vermelho, por exemplo, pode estimular o apetite e os impulsos, por isso, é bastante usado por marcas de comida e em avisos de promoções em lojas. O amarelo estimula o otimismo e a esperança, sendo muito usado em anúncios de ofertas. Já o azul estimula a sensação de serenidade e segurança, por isso, algumas empresas o utilizam pra conquistar confiança e demonstrar profissionalismo. O preto, além de representar o luto, é, uma cor que remete à sofisticação, sendo usado quando se quer falar ou vender artigos de luxo. O preto induz, também, à curiosidade e ao mistério.

Não é a toa que a Coca-Cola é vermelhinha

 

5 Ilustradores de Moda pra Seguir no Instagram

 .
O que torna um artista inesquecível? Além de ser inovador e criativo, ele precisa ter o que chamamos de “assinatura pessoal”. Algo que você olhe e identifique logo de cara, sem precisar de legenda ou qualquer outra explicação: “essa obra é de fulano!” O segredo pode estar no traço, nas cores, na técnica… Todo artista deve possuir a sua própria assinatura. E não pensem que é algo fácil. Alguns levam uma vida pra descobrir. O mesmo acontece com as marcas icônicas da Moda e seus criadores: Chanel, Saint Laurent, Dior, Zuzu Angel… Você olha pra roupa e logo identifica de quem é a autoria, sem precisar de etiqueta. E, claro, não poderia ser diferente quando falamos de Ilustração de Moda!
 .
Se tivéssemos que eleger os nossos ilustradores de Moda preferidos de todos os tempos, certamente, o brasileiro Alceu Penna com as suas “Garotas do Alceu” estaria entre eles. René Gruau é outro que poderíamos citar com seu traço elegante
contornando os modelos mais lindos da década de 50. Quem também entraria pra
lista seria Erté com seu estilo Art Déco inconfundível. E, mais recentemente, a
francesa Garance Doré, com suas pinceladas minimalistas em nanquim.
.
Alceu Penna
Erté
Atualmente, na era das redes sociais, todo mundo pode compartilhar sua Arte. Entre tantos, alguns se destacam por seu talento e estilo inconfundíveis. Selecionamos alguns de nossos ilustradores de Moda preferidos da era do Instagram pra você seguir por aqui. Olha só:
.

@unskilledworker:

@idea_drawings:

@travelwritedraw:

@eirianchapman:

@blairz:

A nova casa de Maria Pia ou o Ibope de Montenegro está cada vez mais alto!

A fabulosa casa da saudosa Nelly Maluf Jafet, na parte mais exclusiva do Jardim Pernambuco, acaba de ser vendida a um querido casal, por um valor que só diz respeito a quem paga e a quem vende. A escritura foi lavrada metade para ele, metade para ela, e dessa forma só poderia ser para um casal em perfeita harmonia, com a absoluta convicção de um matrimônio perpétuo. Estou falando de Carlos Augusto Montenegro e Maria Pia Marcondes Ferraz Montenegro, que desde o casamento pisam a dois centímetros do solo, planando no mais completo amor.

Os documentos foram assinados na própria casa e, na ocasião, Maria Pia organizou uma solenidade religiosa, com todos em roda de mãos dadas com o casal, rezando pedindo bênçãos para a nova residência, até os barões Gérard e Silvia Amélia de Waldner, mãe de Pia.

Foi Daniel Homem de Carvalho, o habilidoso novo advogado do espólio, quem conseguiu arrumar o inventário, complicado pela parentela (que inclui o irmão de Nelly, Paulo Maluf), e obteve a autorização do juiz para efetivar o negócio, cujo corretor foi Arnaldo Basto, especializado em intermediação de imóveis dos chics que não querem ser famosos.

O escritório de Daniel prospera na cidade, tendo como sócios fundadores Fernando Lins, Luciano Saldanha Coelho e Natasha Pizzolante.

Como sucessores da casa de Nelly Jafet, Pia e Carlos Augusto terão a responsabilidade de assumir um dos mais requintados endereços. Anfitriã à moda antiga, Nelly mantinha a casa permanentemente florida pelo flower designer Raimundo Basílio, contratado para, semanalmente, renovar todos os jarros da casa com os mais lindos arranjos. Os jantares de Nelly reuniam as chamadas “cabeças coroadas” do Rio mais tradicional, sempre em torno de sua mesa com lugares marcados. Sua grande amiga, a decoradora Maria Celina Lage, falecida antes dela, costumava assinar o décor, sempre clássico, sempre lindo. Nos últimos anos de vida, mesmo de cadeira de rodas e com os sintomas do Alzheimer, Nelly manteve a mesma rotina das idas duas vezes por semana ao cabeleireiro Jambert, acompanhada da enfermeira. Adorava reunir os amigos, e seus jantares formais foram interrompidos apenas quando a consciência não mais lhe permitiu organizá-los. Mas este mundo passou. Pia é totalmente contemporânea, e há de trazer um sopro fresh para a nova residência.

Os Montenegro serão agora vizinhos bem próximos do construtor Sergio Andrade, morador da casa que foi de Mariano e Elizabeth Raggio, e da viúva do proprietário dos antigos supermercados Disco e Casas do Charque.

Enfim, e ça vas sans dire, para Maria Pia, o Ibope de Montenegro está cada vez mais alto!

Maria Pia e Carlos Augusto Montenegro, um casamento em que tudo é compartilhado, e isso se chama confiança, lealdade e felicidade a dois. Feliz Ano Novo!