Aniversário de Carmen, o maior ícone da elegância brasileira

Um programa obrigatório em minha agenda anual é o aniversário de Carmen Mayrink Veiga. Algumas vezes, driblo as outras amigas e consigo ser premiada com o posto de autora da homenagem, como aconteceu este ano. E para celebrar o maior ícone da elegância brasileira. local melhor não há do que o maior ícone da tradição social do país: o Copacabana Palace. Mais ainda: a sala “The Library”, atual joia da coroa do Copa, síntese de sua tradição e refinamento.

Toda revestida em boiserie, The Library já foi a entrada do Anexo, do hoje Belmond Copacabana Palace Hotel. Ali funcionavam Concierge e Portaria. A diretora-geral do hotel, Andréa Natal, teve então a boa ideia de aproveitar o local desativado, transformando-o, com auxílio do antiquário Arnaldo Danemberg, no local mais exclusivo e elegante da cidade. Lá acontecem almoços e jantares sentados, para grupos de até 38 pessoas, num décor de mobiliário antigo em estilo inglês, e têm-se a impressão de estar numa biblioteca de algum nobre britânico ou num clube privado aristocrático.

O lugar certo para a homenageada perfeita.

Éramos 22 amigas. Para recebê-las, caprichei no pijama de seda com imprimée florido oriental, de Heckel Verri, que combinei com o colar de corais e turquesas assinado pela Cookie Richers. Ah, eu me senti a própria It-Lady do dia!

Pura pretensão, pois, ao ver chegar a primeira convidada, Marlene Rodrigues dos Santos, absoluta, de azul marinho, com colar de jade e aquele seu allure insuperável, imediatamente abdiquei do trono de It Lady. Quem sou eu para competir com essas minhas amigas gloriosas?!

Quem não precisou abdicar de seu trono foi o artista das flores Raimundo Basílio. Num piscar de olhos, ele floriu a Library em todas as cores, como uma pintura de Limoges, e ficou tão lindo! Como o Raimundo tem sensibilidade, que olhar refinado para o belo, e de que forma gentil ele sabe representá-lo!

Assim, uma fileira de canecas de chá de porcelana chinesa fez as vezes de chemin de table, permitindo a conversa, pois não cobriu ninguém. Nada mais inconveniente numa mesa de refeição do que arranjos floridos altos que atrapalham a visão de quem está em frente.

Cecília Dornelles, outra britanicamente pontual, encantou-se com o espaço, que não conhecia. Bem como Dalal Achcar, chegando junto da Andréa Natal, diretora-geral do hotel.

Andréa foi  homenageada na saudação que fiz à Carmen à sobremesa . Falei de seu carinho, tornando possível a realização do almoço para nossa ícone querida, na data pedida com antecedência de apenas quatro dias; providenciando excepcionalmente a abertura da porta (que jamais se abre) do Anexo para a Av. Copacabana, para o acesso de Carmen; acionando o chef, não só para a escolha do menu, mas para as dietas das que não comem carne ou têm alergia à lactose. Noves fora tudo isso, o custo foi compatível com a importância do encontro.

Andréa, cheia de graça, estava com uma saia de couro, onde palpitavam corações. Se meu faro funcionou, parecia ser de outra Andréa, a Viera.

As amigas estavam lindas. Realmente, não havia 1 trono de It Lady, havia 21! A começar pelo ocupado por Carmen. Vestindo um tailleur de lã do Missoni, ela teve à sua direita a atual primeira-dama, Cecília Dornelles, e à esquerda, na cabeceira dupla, a embaixatriz Laís Gouthier. Os lugares eram marcados, com os nomes manuscritos nos menus individuais impressos, colocados sobre cada prato.

Antonia Frering, a filha, e Maria Gallotti Mayrink Veiga, a nora, cercaram Carmen com carinho na hora do bolo e dos brindes. Maria Pia Marcondes Ferraz Montenegro e Fátima Andrada Tostes conferiam aragem fresh à tarde, com sua juventude, apesar de que nós todas nos sentimos umas garotas e temos frescura pra dar e vender. Em todos os sentidos…. risos…

Por fim, o gentleman dos cliques, Sebastião Marinho, com seu paletó de cashmere, fez esses flagrantes irretocáveis, que exprimem a elegância das convidadas, a alegria e o bom humor da tarde com Carmen, na Library do Copa. E que venham muitas outras tardes, muitos outros aniversários de Carmen, muitas outras Libraries!

CMV 0d0768aa-6f26-48ca-8d42-649a4287f133

Carmen e eu

CMV d0dc11ae-5016-45bb-bedf-5656496d82a0

A mesa na expectativa das It Ladies

CMV b5989f05-277e-4921-9f7c-4e4566b4bad5

Canequinhas de chá de porcelana, que eu trouxe da China em 1978 e estava inaugurando naquele almoço!

CMV 5473f1b4-db44-4ba3-964a-0f12f9c6b65a

Escolhi escrever a marcação dos lugares nos cardápios, para deixar a mesa clean

CMV 1931c9c9-7592-4740-b9e7-cbd9656be9d2

O bolo confeitado pela Eliane, secretária de Carmen, lembrava os vestidos curtos de Coco Chanel

CMV 47c76ac8-740e-4ffc-9116-5111cbe0f8c9

Basílio decorou a sala inteira, usando buganvílias desidratadas

CMV 96dcc668-d0d5-4266-8f3e-62c872906240

A mesa já ocupada, eu e Andréa Natal À cabeceira, de costas para vocês – mas anjos não têm costas, vocês sabem.

CMV 0282a8ff-bb5a-417b-a7c0-2436efcf0b32

Curtam o look da imbatível Marlene Rodrigues dos Santos, milimetricamente perfeita.

CMV 1be5cc8e-9a61-44d2-9114-52c031422601

Cecília Dornelles, amiga de Carmen e atual primeira-dama do Estado, com Dalal Achcar, primeira-dama do nosso balé.

CMV 52984424-f481-480e-9324-86fed105f398

Lourdes Catão sempre com seu ar brejeiro e a vivacidade quase de adolescente.

CMV 24eb5648-cc32-4bf0-aa14-a5696fe8f045

Com Yara Andrade e seu colar elogiado e Fátima Tostes, que voltou aos bancos universitários. Está cursando Direito.

CMV 5

Terezinha Pìttigliani e Vania Badin, ótima, recuperada.
CMV a7eb7ae7-6c82-4dd6-ad0a-1b408d9c151d

A diretora Natal e Cecília em tons de bric.

CMV a0831cf4-e742-48cc-98e8-ad4d1d904c5e

As garotas do Leblon: BElita Tamoyo e Mariza Coser.

CMV f6dc2c8b-3cb1-410f-8501-5ca54b74f44c

Na hora dos parabéns a foto da anfitriã, com a homenageada, sua filha, Antonia, e a nora, Maria. Quem clica? Fátima Tostes.

CMV 3

Maria Mayrink Veiga, Maria Pia Marcondes Ferraz, Antonia Frering, Idinha Seabra e Fátima Tostes

CMV 7c93c6db-aaab-4bc2-b53f-33866c52fba4

Gisella Amaral e Carmen I e Única

CMV 38bb0c71-bbe2-4780-aaa0-83608389f066

Tem coisa melhor do que o carinho da filha?

CMV 90db0021-4784-4d13-ae73-0d880c1b6136

Angela Fragoso Pires, Maria Celia Moraes, Maria Pia, Hilde e Lourdes

CMV 423d5af0-402d-42d0-9e78-d85db56fb5b2

Angela e Maria Célia: best friends.

CMV 96141bd5-6270-44e3-860a-b5b9c26b3ec0

Duas gerações de refinamento: Maria Pia e Marlene

CMV e288f46d-8a59-483b-a9c6-86780a0d49b4

Com Vania, lembramos do estimado Ted.

CMV c8d12f86-9f73-41d7-946c-74eab42633fc

Idinha Seabra em foto ótima, digna de porta-retrato.

CMV 02039902-bbe2-4613-8baa-3e9e07a39186

Don Perignon para Donna Carmen

CMV a4b2d01b-e234-4863-9ccd-7df8d23064c8

Carmen e Beth Serpa, discípula de seu bom gosto, como eu.

CMV IMG_5154

A dama do Copa e a Mais Bem Vestida do Mundo, no Hall of Fame

CMV a0b980aa-9cab-4bb9-bd14-b1770b586a4a

Carmen e a embaixatriz Gouthier em uma das cabeceiras

CMV 3dc2b081-0c11-4dae-8ca7-52fd5fa3a6a9

Meu discurso foi breve: “Carmen é mulher de muitos méritos, entre eles, o mais encantador é que não julga ninguém, é agregadora. O que conquista para si, gosta de multiplicar, como foi o caso da cultura da acessibilidade. Foi a pioneira dessa luta, no Rio de Janeiro, quando começou a ter sua dificuldade de locomoção, e tanto o Theatro Mjunicipal quanto o próprio Copacabana Palace, através de Andréa Natal, a convidaram para inaugurar seus equipamentos de acessibilidade, reconhecendo o esforço feito por ela junto à mídia ao difundir essa necessidade”.

CMV 2

La Catão e La Achcar

CMV 2c70c002-e6a4-473d-bbaa-90cf1e968d4b

Maria Galloti MV e Maria de Fátima AT

CMV 5368a985-13bd-40c9-8768-966e85f17670

Afetiva Laís

CMV e2e66c49-0abb-43ed-b5e4-2ca5c81b3e08

Il brindisi: auguri!

CMV 3167a1f1-9d4f-4a36-aa7f-235499744141

Vejam que bonitas as mulheres e a Library

cmv40

O artista Raimundo Basílio e a obra

cmv

Uma recordação para nós todas!

CMV IMG_5257

Carmen com dois amigos que a celebram, Sebastião e eu

Fotos de Sebastião Marinho

A Grande Conspiração

Venho aqui tentar concluir missão inconclusa. Porque de fato minha mãe Zuzu Angel deixou por concluir sua penosa missão. Ela permanece encarcerada nos ferros retorcidos de seu Karman Ghia, no desespero de sua voz engasgada e de sua denúncia calada a respeito dos interesses dos grandes conspiradores, que levaram o país, naqueles anos, àquela situação opressiva ao custo de vidas e do sofrimento de tantos.

Sabemos, porém, que no Brasil não há conspirações. Afinal, estabeleceu-se como politicamente correto que as conspirações são alegações de ingênuos e tolos.

Duas vezes investigado o acidente em que morreu minha mãe, Zuzu Angel, por comissões criadas pelo Governo do Brasil, duas vezes ele foi confirmado como um crime de assassinato por agentes do Estado. A mais recente comissão, a da Verdade, foi mais longe: o coronel Freddy Perdigão, fotografado no local, respondia diretamente ao gabinete do ditador Geisel,conforme depoimento de Claudio Guerra, agente do Dops.

Contudo, ainda hoje, grandes colunistas e órgãos de imprensa, mesmo os que deram cobertura aos resultados das comissões, ainda repetem, como um cacoete, que Zuzu “morreu em acidente obscuro de causas ainda não esclarecidas”. A verdade parece não interessar nem convencer ao establishment.

Porém, o Brasil não acredita em conspirações. Assim como não acreditou quando, no crepúsculo do período de Exceção, ao sairmos dele derrotados, acabrunhados, vencidos, a ponto de engolir a Anistia bi-lateral, também aceitamos a eleição indireta com a esdrúxula chapa Tancredo (PMDB) – Sarney (PFL).

Antes mesmo da posse adveio o episódio fatal que levou ao poder o vice, Sarney, egresso do partido Arena, representante da ditadura. E desse período Sarney emergiu um monstrengo, cujos tentáculos há décadas açambarcam cargos-chave em todos os níveis de governo no país: o atual PMDB, fazendo do honrado PMDB de dr. Ulysses apenas uma difusa sombra do passado.

Tudo isso foi um acaso. Não vem ao caso.

Não, no Brasil não há conspiração. Dela não se tratou o Mensalão, que desconstruiu a mística heroica da brava gente brasileira de 68, de que tanto nos orgulhamos. Aqueles que, esfacelados no corpo, não estavam mais entre nós; aqueles que, dilacerados na alma, resistiram e retornaram ao país para cumprir seu projeto de um Brasil mais justo.

Mas o Mentirão, mesmo condenando sem provas, mesmo condenando e depois descondenando, mesmo seu encapado mor se desencapando, ao fim do processo, para ir viver o far niente em praias internacionais, não foi uma conspiração, pois delas estamos imunes.

Sorte temos por não possuirmos entre nós conspiradores e de ser por força do acaso que uma investigação em primeira instância desmonta a nossa economia e demole pedra por pedra a nossa construção civil, empregadora de um milhão e meio de brasileiros – isso não vem ao caso, não se trata de uma conspiração.

Como não vem ao caso a empresa que significa 10% de nosso PIB ser sistematicamente perseguida e bombardeada pelos órgãos de comunicação, omitindo todas as suas atuais conquistas e méritos para valorizarem apenas os erros e desvios dos maus dirigentes anteriores.

Não vêm ao caso a soberania brasileira, os empregos, a perda de ativos que é o desmonte de equipes técnicas e científicas criadas ao longo de décadas nos setores petrolífero, nuclear, de engenharia civil e pesada. Não, não vêm ao caso.

Conspira-se contra o Brasil? Isso não está em questão.

Na verdade, o que me parece que efetivamente não vem ao caso são as múltiplas conquistas sociais desta última década e meia em prol do Brasil e dos brasileiros.

Vêm ao caso os interesses de uma classe dominante inconformada por não se manter em completo controle de todas as situações de poder no Brasil, para delas obter absoluto proveito pessoal.

E assim tem sido desde o Brasil Colônia.

Enfim vislumbramos a luz no fim do túnel. O povo brasileiro não abrirá mão desta conquista. Desta vez, isso vem ao caso. Não será fácil, mesmo com uma grande conspiração (se no Brasil houvesse conspirações), tentar tapar o sol com peneira de trama cerrada, pretendendo impedir a nós, o povo, de enxergarmos um futuro luminoso.

Por isso estamos aqui. Para unir a nossa voz aos que clamam para que não haja golpe – porque o povo brasileiro há de continuar a querer ver a luz da JUSTIÇA SOCIAL.

É ela que vem ao fim do túnel tão celebrado!

_____________________________________________________________________

O texto acima foi a palestra proferida pela jornalista e blogueira, esta semana, por ocasião da mesa de debates do Ciclo “Que país é este?”, promovido pelo Centro de Estudos Barão de Itararé, cujo tema foi “A democracia e o sistema político no Brasil”, na Fundação Escola de Sociologia e Estudos Políticos de São Paulo. A mesa contou com a presença do jurista Fábio Konder Comparato, Magda Blavaschi, desembargadora aposentada e doutora pela Unicamp, Gilberto Carvalho, presidente do Conselho Nacional do Sesi.

Manifestações de 31/03/2016 não foram apenas nas ruas, também nas universidades do exterior o mundo acadêmico disse Não ao golpe

james green

O brasilianista professor doutor em História Latino Americana, com especialização em Brasil na UCLA, James N. Green, militou ontem nas redes sociais, liderando uma grande manifestação envolvendo mais de dois mil acadêmicos, que vivem no exterior e a assinaram e fizeram circular nos Facebooks a petição “A democracia brasileira está seriamente ameaçada”.

Também 1.500 acadêmicos brasileiros assinaram a petição liderada pelo professor Green, autor do livro em dois volumes “Apesar de Vocês: a oposição e a ditadura militar brasileira nos EUA”, lançado em 2005.

Abaixo está a petição parcial, com a assinatura de 580 professores pesquisadores e estudantes que vivem fora do Brasil.

“Nós, os acadêmicos abaixo assinados, estudantes e estudiosos, que vivem e trabalham nos Estados Unidos, Europa e outras partes do mundo, somos especialistas em estudos latino-americanos e estamos alarmados com a atual situação política no Brasil, que representa um sério ameaça à democracia.

Desde 1985, o Brasil tem se beneficiado do o maior período de estabilidade democrática na sua história, na sequência de um golpe de Estado em 1964 e de uma ditadura militar violenta, que durou vinte e um anos. Sob a égide da Constituição de 1988, que garante uma ampla gama de direitos sociais e individuais, o Brasil tornou-se uma sociedade mais democrática, com maior participação política, noções mais amplas e inclusivas de cidadania, bem como o reforço das instituições públicas.

Apesar destes avanços, a corrupção continua endêmica. Uma série de escândalos, envolvendo políticos de diferentes filiações partidárias, indignou o povo.

Como resultado, houve mobilizações generalizadas exigindo um fim às práticas ilícitas. Houve também ações ousadas por instituições do Estado, como a Polícia Federal, o Ministério Público Federal  e o Judiciário.

O combate à corrupção é legítimo e necessário para aprimorar a capacidade de resposta da democracia brasileira. Mas, no atual clima político, encontramos um sério risco de que a retórica da anticorrupção venha sendo utilizada para desestabilizar o atual governo democraticamente eleito, agravando ainda mais a séria crise econômica e política que o país enfrenta.

Em vez de manter a neutralidade política e de respeitar o devido processo, setores do Judiciário, com o apoio de grandes interesses da mídia, tornaram-se protagonistas de um cenário que mina o Estado de Direito. Durante as suas investigações, alguns funcionários públicos têm violado direitos básicos dos cidadãos, tais como a presunção de inocência, a garantia de um sistema judiciário imparcial, os privilégios da relação advogado-cliente e a garantia do direito à privacidade.

A operação Lava Jato, liderada pelo juiz federal Sérgio Moro, centralizou as principais investigações de corrupção nos últimos dois anos. Essas investigações foram marcadas por repetidos excessos e medidas injustificadas, como detenções preventivas arbitrárias, acordos fundamento-negociação duvidosas e problemáticas, vazamento seletivo de informações aos meios de comunicação para fins políticos e escutas ilegais tanto da atual Presidente da República quanto do mais recente ex-presidente.

Tudo isso ocorreu com o apoio explícito dos setores poderosos da mídia em um esforço sem precedentes para influenciar a opinião pública com específicos fins políticos. O combate contra a corrupção deve ser realizado dentro dos estritos limites legais que protejam os direitos fundamentais dos acusados.

A violação do procedimento democrático representa uma séria ameaça para a democracia. Quando as Forças Armadas derrubaram o governo do presidente João Goulart, em 1964, elas usaram o combate à corrupção como uma de suas justificativas. O Brasil pagou um preço alto por 21 anos de regime militar. A luta por um país democrático tem sido longa e árdua. Hoje, todos aqueles que acreditam em um Brasil democrático precisam falar contra essas medidas arbitrárias, que ameaçam erodir os progressos realizados ao longo das últimas três décadas.

31 de março de 2016”

  1. Aaron Franks, Queen’s University
    Aaron Schneider, University of Denver
    3. Ada B. P. Siqueira, Georgetown University
    4. Adele Nelson, Temple University
    5. Adriana Lein, Macalester College
    6. Aida Quintar, Universidad Nacional de General Sarmiento
    7. Afrânio Raul Garcia Junior, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    8. Al Campbell, University of Utah
    9. Alba Ruibal, CONICET, Argentina
    10. Aleida Assmann, University of Konstanz
    11. Alejandra B. Osorio, Wellesley College
    12. Alejandra Oberti, Universidad de Buenos Aires
    13. Alejandro Kaufman, Univeridad de Buenos Aires
    14. Alejandro Navas Méndez, Universität Potsdam
    15. Alejandro Rosas, Universidad Nacional de Colombia
    16. Alejandro Velasco, New York University
    17. Alex Borucki, Univerity of California, Irvine
    18. Alex Latta, Wilfrid Laurier University
    19. Alexander Alberro, Columbia University
    20. Alexandra Isfahani-Hammond, University of California, San Diego
    21. Alexandre da Costa, University of Alberta 30. Alvaro Jarrín, College of the Holy Cross
    31. Amy C. Lind, University of Cincinnati
    32. Amy Nunn, Brown University
    33. Amy C. Offner, University of Pennsylvania
    34. Ana Lúcia Araújo, Howard University
    35. Ana Maria Dopico, New York University
    36. Ana Migowsk da Silva, Justus Liebig University Giessen
    37. Ana Paula Hey, King’s College, London
    38. Ana Paula Hofling, University of North Carolina
    39. Ana Pereira, Universiteit van Amsterdam
    40. Anastasia Valecce, Spelman Collete
    41. Anaya Rosique Jesus R., Universidad Veracruzana
    42. André Carpinelli, Universidade de Lisboa
    43. Andrea Allen, University of Western Ontario
    44. Andrea Laplane, CEPAL University of Sussex
    45. Andrew Arato, New School for Social Research
    46. Andrew Kythreotis, Cardiff University
    47. Angel Martínez-Hernáez, Universitat Rovira i Virgili
    48. Angela Gilliam, Evergreen State College
    49. Angela Thompson, East Carolina University
    50. Angus Wright, California State University, Sacramento
    51. Ann Mische, University of Notre Dame
    52. Anna Catharina Izoton, University of New Mexico
    53. Anna Mester, University of Michigan, Ann Arbor
    54. Anthony Bogues, Brown University
    55. Antonio La Pastina, Texas A&M University
    56. Antoon De Baets, University of Groningen,
    57. Arne Kalleberg, University of North Carolina, Chapel Hill
    58. Arthur Bueno, University of Erfurt
    59. Arthur MacEwan, University of Massachusetts, Boston
    60. Arturo Escobar, University of North Carolina, Chapel Hill
    22. Alexis Cortés, Universidad Alberto Hurtado, Chile
    23. Alfredo Saad Filho, University of London
    24. Alison Ayers, University of London
    25. Alison Entrekin, Independent Literary Translator
    26. Alison Neilson, Universidade de Coimbra
    27. Alkistis Dimech, dance, independent writer
    28. Allan Souza Queiroz, Ghent University
    29. Almudena Cabezas, Universidad Complutense de Madrid
  2. Asel Doranova, United Nations University
    62. Autumn Quezada-Grant, Roger Williams Univesity
    63. Aviva Chomsky, Salem State University
    64. Balveer Arora, Jawaharial Nehru Huniversity
    65. Barbara Chasin, Monclair State University
    66. Barbara Glowzewski, École des Hautes Études en Sciences Sociales
    67. Barbara Rahder, York University
    68. Barbara Weinstein, New York University
    69. Beatriz Eugenia Romero Cuevas, Universidad Autónoma de la Ciudad de México
    70. Benjamin Arthur Cowan, George Mason University
    71. Benjamin Fogel, New York University
    72. Benjamin Junge, State University of New York, New Paltz
    73. Benjamin Legg, Brown University
    74. Bernardita Llanos, Brooklyn College, City University of New York
    75. Brian Wampler. Boise State University
    76. Bridget Cousins, Univesity College London
    77. Brodwyn Fischer, University of Chicago
    78. Brownislaw Czarnoche, City University of New York
    79. Bruce Nissen, Florida International University
    80. Bruno Carvalho, Princeton University
    81. Bryan McCann, Georgetown University
    82. Bryan Pitts, University of Georgia, Athens
    83. Camila Bechelany, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    84. Camila Maroja, Brown Carlos
    85. Carla Silva-Muhammad, University of Connecticut
    86. Carlos Cortez-Minchillo, Dartmouth College
    87. Carolina Matos, City University London
    88. Carolina Sá Carvalho, University of North Carolina, Chapel Hill
    89. Carolina Tavares Henriques do Carmo e Silva, Katholieke Universideit Leuven
    90. Cássio Muniz, University of Wisconsin, Milwaukee
  3. Catherine Draycott, Durham University
    92. Cecilia Rodrigues, Franklin College
    93. Cecilia Santos, University of San Francisco; University of Coimbra
    94. Celina Su, Brookly College, City University of New York
    95. Celso Castilho, Vanderbilt University
    96. Charles A. Perrone, University of Florida
    97. Charles Tilly, University of California, Los Angeles
    98. Charmain Levy, Université du Québec en Outaouais
    99. Christian Maroy, Université de Montréal
    100. Christian Topalov, New York University
    101. Chistiane Lira, University of Georgia
    102. Christine Mathias, King’s College London
    103. Chris Danowski, Arizona State University
    104. Chris Rhomberg, Fordham University
    105. Christopher Dunn, Tulane University
    106. Clara Irazábal, Columbia University
    107. Claudia Damasceno, École des Hautes Études en Sciences Sociales
    108. Claudia Leal, Universidad de los Andes, Bogotá
    109. Clifford Andrew Welch, Universidade Federal de São Paulo
    110. Colin Snider, University of Texas, Tyler
    111. Cornelia Flora, Iowa State University
    112. Courtney Hillebrecht, University of Nebraska, Lincoln
    113. Cristián Castro G., Universidad Diego Portales, Chile
    114. Cristiana Bastos, Universidade de Lisboa
    115. Cristina M. Mehrtens, University of Massachusetts, Dartmouth
    116. Cristina Redko Mier, Wright State University
    117. Cristina Rocha, Western Sidney University
    118. Cyrus Bina, University of Minnesota
    119. Dan Bacon, Massassoit Community College
    120. Dan Furukawa Marques, University of Ottawa
    121. Dan La Botz, Independent scholar
    122. Daniel Aldana Cohen,New York University
  4. Daniel Raso Llaras, Temple University
    124. Daniele Pompejano, Università degli Studi de Messina
    125. Danilo França, Brown University
    126. David B. Karpf, Stanford University
    127. David Barkin, Universidad Autonoma Metropolitana-Xochimilco
    128. David Blackmore, New Jersey City University
    129. David Laibman, Brooklyn College
    130. David Pérez Chico, Universidad de Zaragoza, Spain
    131. David Rojinsky, King’s College London
    132. David Smilde, Tulane University
    133. Dawn M. Wharram, State University of New York at Albany
    134. Débora Ferreira, Utah Valley University
    135. Deborah Levenson, Boston College
    136. Deborah Shaw, University of Portsmouth
    137. Denise Ferreira da Silva, University of British Columbia
    138. Derek Pardue, Aarhus University
    139. Dereka Rushbrook, University of Arizona,
    140. Diana Paton, Newcastle University
    141. Diana Taylor, New York University
    142. Diego Rose, Tulane University
    143. Diogo L Pinheiro, Savannah State University
    144. Dionisio Márquez Arreaza, Universidad de Los Andes, Venezuela
    145. Donald Ramos, Professor Emeritus, Cleveland State University
    146. Dorothy Kidd, University of San Francisco
    147. Edgardo Manero, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    148. Edilsa Sotero, Brown University
    149. Edith Wolfe, Tulane University
    150. Edgardo Manero, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    151. Edoardo Balletta, Universita di Bologna
  5. Eduardo Jorge, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    153. Elena Shtromberg, University of Utah
    154. Elias Mandala, University of Rochester
    155. Elise Dietrich, Tulane University
    156. Elizabeth Bortolaia Silva, Open University, United Kingdom
    157. Elizabeth Farfan-Santos, University of Houston
    158. Elizabeth Hordge-Freeman, The University of South Florida
    159. Elisabeth Jay Friedman, University of San Francisco.
    160. Elizabeth Leeds, Massachusetts Institute of Technology
    161. Elsa Meinardi, Universidad de Buenos Aires
    162. Emilio Crenzel, CONICET/Universidad de Buenos Aires
    163. Eric Alliez, Université Paris 8
    164. Eric M. B. Becker, Independent scholar
    165. Erika Masanet Ripoli, Instituto Universitário de Lisboa
    166. Erika Robb Larkins, University of Oklahoma
    167. Ernesto Bohoslavsky, Universidad Nacional de General Sarmiento, Argentina.
    168. Ernesto Isunza, CIESAS, México
    169. Ernesto Noronha, Indiana Institute of Management
    170. Ernesto Orti-Diaz, Macalester College
    171. Esteban Vernik, Universidad de Buenos Aires.
    172. Estela Schindel, Konstanz University
    173. Ethel Kosminsky, City University of New York, Queens
    174. Eugenia Palieraki, University of Cergy-Pontoise
    175. Fábio Andrade, Columbia University
    176. Fábio de Castro, University of Amsterdam
    177. Fábio Godoi, Conservatoire de Strasbourg
    178. Fabrício Prado, The College of William and Mary
    179. Federico Tarragoni, Université Paris Diderot
    180. Fernando Luiz Lara, University of Texas, Austin
    181. Flavio Wolf de Aguiar, Journalist, Berlin
    182. Flora Thomson-Deveaux, Brown University
    183. Fran Robles, Community College of Denver
  6. Francis Virginio, University of Strathclyde, UK
    185. Francisco Irigon, University of Washington
    186. Francisco Robles-Rivera, Colgate University
    187. Francirosy Barbosa, University of Oxford
    188. Francis Vinicius Portes Virginio, University of Strathclyde
    189. François Depelteau, Laurentian University, Ontario, Canada
    190. Frank McCann, University of New Hampshire
    191. Frederick Sperounis, University of Massachusetts, Lowell
    192. Frederico Freitas, Stanford University
    193. Gabriel P. Hetland, State University of New York, Albany
    194. Gabriel Giorgi, New York University
    195. Gabriel Suchodolski, University of California, Los Angeles
    196. Gabriela Dalla-Corte Caballero, Universitad de Barcelona
    197. Gary Dymski, Leeds University
    198. Georg Fischer, Aarhus University
    199. Georgia Whitaker, Harvard University
    200. Germán Vergara, Brown University
    201. Geraldine Rogers, Universidad Nacional de La Plata
    202. Gerardo Renigue, City University of New York
    203. Geri Augusto, Brown University
    204. Giacomo Pirazzoli, University of Florence
    205. Gianpaolo Baiocchi, New York University
    206. Giovanni Allegretti, Universidade de Coimbra
    207. Gillian McGillivrary, York University, Canada
    208. Gisela Zaremberg, FLACSO. Sede México
    209. Giuliana Giusti, Universita Ca’ Foscari di Veneza
    210. Gladys Mitchell, University of Wisconsin, Milwaukee
    211. Greg Bamber, Monash University, Melbourne
    212. Gregg Bocketti, Transylvania University
    213. Graciela Montaldo, Columbia University
    214. Graciela Vázquez, Freie Universität Berlin
    215. Gretchen Pierce, Shippensburg University
    216. Gustavo Lins Ribeiro, Autonomous Metropolitan University of Iztapalapa
    217. Gustavo Pereira, Universidade Nova de Lisboa
  7. Gustavo Setrini, New York University
    219. Gwendolyn Wright, Columbia University
    220. Haripriya Rangan, Monash University
    221. Harry Smaller, York University
    222. Hazel Henderson, Independent scholar
    223. Heike Drotbohm, Universität Freiburg
    224. Helen Scharber, Hampshire College
    225. Helena Hirata, Centre National de la Recherche Scientifique, France
    226. Hendrick Van den Berg, University of Nebraska, Lincoln
    227. Henrique Santana, University Technische Universität Darmstadt
    228. Hillary Hiner, New York University
    229. Hwa-Jen Liu, National University of Taiwan
    230. Ian McMahan, Brooklyn College
    231. Ian Merkel, New York University
    232. Ilda Mendes, Université Sorbonne Nouvelle Paris 3
    233. Ilana Scheri, Tulane University
    234. Ilker Aslantepe, New School for Social Research
    235. Inês Cordeiro Dias, University of California, Los Angeles
    236. Irene V. Small, Princeton University
    237. Isabel Sousa-Rodriguez, Borough of Manhattan Community College
    238. Isabella Alcaniz, University of Maryland
    239. Isabella Cosse, Universidade de Buenos Aires
    240. Isis McElroy, Ohio State University
    241. Ivone Margulies, City University of New York
    242. Ivonne del Valle, University of California, Berkeley
    243. Jacqueline Polvora, Universidade de Cabo Verde
    244. Jagdeep S. Chhokar, Indian Institute of Management, Ahmedabad, India
    245. Jaeho Kang, University of London
    246. Jaime Amparo Alves, City University of New York
    247. Jake Blanc, University of Wisconsin, Madison
    248. James D. Cockcroft, State University of New York
  8. James N. Green, Brown University
    250. James Sidbury, Rice University
    251. James Steele, University College London
    252. James Woodard, Montclair State University
    253. Jan Assmann, Universität Heidelberg
    254. Jean Grugel, University of York and Open University, United Kingdom
    255. Jean Hebrard, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    256. Jean-Louis Cohen, New York University
    257. Jeffrey W. Rubin, Boston University
    258. Jennifer Calhoun, Antioch University Seattle
    259. Jennifer Roth Gordon, University of Arizona
    260. Jenny Chan, University of Oxford
    261. Jens Andermann, University of Zürick
    262. Jeremy Mumford, Brown Uniiversity
    263. Jesse Hoffnung-Garskof, University of Michigan, Ann Arbor
    264. Jessica Graham, University of California, San Diego
    265. Jessica Rich, Marquette University
    266. Jesús R. Anaya Rosique, Universidad Autónoma de la Ciudad de México
    267. Jewellord Nem Singh, University of Tokyo
    268. Joaquin Barriendo, Columbia University
    269. Joaquim Dolz, Universidade de Genebra
    270. Jody Pavilack, University of Montana
    271. Joel Wolfe, University of Massachusetts, Amherst
    272. John C. Chasteen, University of North Carolina, Chapel Hill
    273. John Collins, Queens College, CUNY
    274. John Bellamy Foster, University of Oregon
    275. John L. Hammond, Hunter College and Graduate Center, CUNY
    276. John McCollum, University of California, Irvine
    277. John Mckiernan Gonzalez, Texas State University
    278. John Norvell, Scrippts College
    279. John Samuel Burdick, Syracuse University
    280. John Weeks, University of London
  9. John Womack, Jr., Harvard University
    282. Jonathan Fox, American University
    283. Jorge Carillo, Florida International University
    284. José Del Toro, University of California, Santa Barbara
    285. José Eudes Gomez, Universidade de Lisboa
    286. José Manuel Lopes Cordeiro, Universidade de Minho
    287. José Zaluar Basílio, Universidade Lusofona-Lisboa
    288. Joseph Jay Sosa, University of Chicago
    289. Judy Bieber, University of New Mexico
    290. Julie Matthael, Wellesley College
    291. June E. Hahner, State University of New York at Albany
    292. Junyoung Verónica Kim, University of Iowa
    293. Jurado Javier, Universidad Carlos III de Madrid
    294. Justin Castro, Arkansas State University
    295. Kadya Tall, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    296. Karen Kampwirth, Knox College
    297. Karin Frederic, Wake Forest University
    298. Karin Schneider, New School for Social Research
    299. Katherine Borland, Ohio State University
    300. Kathleen McAfee, San Francisco State University
    301. Kathy Swart, Pierce College
    302. Katia Kostulski, Conservatorie National des arts e Mêtiers
    303. Keisha-Khan Perry, Brown University
    304. KellyPike, York University
    305. Ketson Roberto Maximiano dos Santos, Columbia University
    306. Kia Caldwell, University of North Carolina, Chapel Hill
    307. Kim Gutschow, Williams College
    308. Kimberly Jones, Northeastern University
    309. Kirsten A. Wald, Harvard University
    310. Kirsten Koop, University of Grenoble
    311. Kpêdétin Mariquian Ahouansou, Collège de France
    312. Kwesi Kwaa Prah, Centre for Advanced Studies of African Society, Cape Town
  10. Lane R. Hirabayashi, University of California, Los Angeles
    314. Laura Bagley, Pierce College
    315. Laura Catelli, Universidad Nacional de Rosário
    316. Laura Correa Ochoa, Harvard University
    317. Laura Lenci, Universidad Nacional de La Plata
    318. Laura Rose Brylowski, Independent scholar
    319. Laura Roush, Colegio de Michocán
    320. Laure Asssaf, U niversité Paris-Ouest Nanterre La Défense
    321. Laurelann Porter, Scottsdale Community College
    322. Laurie Nisonoff, Hampshire College
    323. Leah VanWey, Brown University
    324. Leandro Benmergui, State University of New York, Purchase
    325. Leila Lehnen, University of New Mexico
    326. Leo Garofalo, Connecticut College
    327. Leslie Salzinger, University of California at Berkeley
    328. Ligia Bezerra, Spelman
    329. Liliana Feirstein, Humboldt Universität, Berlin
    330. Lindsay Mayka, Colby College
    331. Lisa Covert, College of Charleston
    332. Lisa Lindsay, University of North Carolina, Chapel Hill
    333. Livia Streit, Auburn University
    334. Louis Forline, University of Nevada-Reno
    335. Louise Clark, Arizona State University
    336. Lucia Cantero, Yale University
    337. Lucia Tennina, Universidad de Buenos Aires
    338. Lucia Villares, University of Cambridge
    339. Luciana da Cruz Brito, Trinity College
    340. Luis Felipe Rincon, International Institute of Social Studies
    341. Luis Fernando Beneduzi, Università Ca’ Foscari Venezia,Italy.
    342. Luis Figueroa-Martínez, Trinity College
    343. Luís Frederico Dias Antunes, Universidade de Lisboa,
    344. Lumena Celi Teixeira, Lulea Terniska University
    345. Lynn Duggan, Indiana University
    346. Lynn Stevens, University of Oregon
  11. Magali Roy-Fequiere, Knox College
    348. Maite Conde, University of Cambridge
    349. Malcolm McNee, Smith College
    350. Manuel Rosaldo, University of California, Berkeley
    351. Manuel Sutherland, Centro de Investigación y Formación Obrera, Venezuela
    352. Manuela Silva, Universidade Técnica de Lisboa
    353. Marc Edelman, Hunter College, City University of New York
    354. Marc Hertzman, University of Illinois, Urbana-Champaign
    355. Marcelo Noah, Duke University
    356. Marcelo Starcenbaum, Universidad Nacional de la Plata
    357. Marcelo Timotheo da Costa, DePaul University
    358. Marcia Esparza, John Jay College of Criminal Justice
    359. Marcus Rediker, University of Pittsburgh
    360. Margaret Keck, Johns Hopkins University
    361. Margaret Power, Illinois Institute of Technology
    362. Maria Antonia Pedroso de Lima, Instituto Universitário de Lisboa
    363. Maria Claudia Molinari, Universidad Nacional de la Plata
    364. María Cristina Navarrete, Universidad del Valle, Cali
    365. Maria Jose Punte, Univeridad Católica Argentina
    366. Maria Mercedes Vazquez Vazquez, University of Hong Kong
    367. Maria Paula Meneses, Coimbra University
    368. María Ullivarri, CONECET, Argentina
    369. Maria Willumsen, Florida International University
    370. Maria-Aparecida Lopes, California State University, Fresno
    371. Mariana P. Candido, University of Notre Dame
    372. Marianne Schmink, Professor Emerita, University of Florida,
    373. Marie-Josée Massicotte, University of Ottawa
    374. Marília Arantes S. Moreira, University of London
    375. Marina de Regt, Universith of Amsterdam
    376. Marina Takami, Université Paris 8
    377. Marina Todeschini, University of New Mexico
    378. Mark Healey, University of Connecticut
    379. Mark Langevin, George Washington University
  12. Marshall Eakin, Vanderbilt University
    381. Marta-Laura Suska, University of Wisconsin, Madison
    382. Martin Lienhard, University of Zürich
    383. Mary Kay Vaughan, University of Maryland, College Park
    384. Marzia Grassi, Universidade de Lisboa
    385. Matheus Hardt, Princeton University
    386. Mathilde Larrère, University of Paris-Est Marne-la-Vallée
    387. Matias Vernengo, Bucknell University
    388. Matthew Vitz, University of California, San Diego
    389. Maud Chirio, Université Paris-Est Marne-la-Vallée
    390. Maxine L. Margolis, University of Florida, Gainesville
    391. Maxwell A. Cameron, University of British Columbia
    392. Mayo Toruño, California State University, San Bernardino
    393. Melody Fonseca, Universidad Autónoma de Madrid
    394. Meyer Brownstone, University College, Toronto
    395. Michael G. Hillard, University of Southern Maine
    396. Michael Yates, University of Pittsburgh, Johnstown
    397. Michel Kahen, Bordeaux Institute for Political Studies
    398. Michel Paty, Université Paris-Diderot
    399. Michele Lobo, University of Delaware
    400. Miguel Espinoza, Université de Strasbourg
    401. Miguel Valle de Almeida, ISCTE, Lisbon
    402. Miguel Vedda, Universidad de Buenos Aires
    403. Millie Thayer, University of Massachusetts, Amherst
    404. Mirta Castedo, Universidad Nacional de la Plata
    405. Misha Klein, University of Oklahoma
    406. Moises Lino e Silva, Harvard University
    407. Mônica Raisa Schpun, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    408. Monique Rodrigues Balbuena, University of Oregon
    409. Mónica Szurmuk, Universidad de Buenos Aires/Conicet
    410. Mtafiti Imara, California State University, San Marcos
    411. Mugwena Maluleke, South African Democratic Teachers Union
    412. Mukul Mangalik, University of New Delhi
  13. Murat Cemal Yalcintan, Mimar Sinan Fine Arts University
    414. Nádia Fujiko Luna Treillard, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
    415. Nadine Jubb, York University, Canada
    416. Nancy Fraser, New School for Social Research
    417. Naoko Shibusawa, Brown University
    418. Nathalie Lebon, Gettysburg College
    419. Nelson Vieira, Brown University
    420. Nerissa Balce, Stony Brook University
    421. Nicholas Rauschenbert, Universidad de Buenos Aires
    422. Nicholas Copeland, Virginia Tech University
    423. Nicole Muenchow, University of Minnesota
    424. Nicolino Castiello, University of Naples Federico II
    425.
    426. Nidhi Srinivas, New School for Social Research
    427. Nina Schneider, University of Konstanz
    428. Nora Alter, Temple University
    429. Octavio Maza, Universidad Autonoma de Aguascalientes
    430. Olivier Compagnon, Université Sorbonne Nouvelle Paris 3
    431. Omar Dahi, Hampshire College
    432. Pablo Palomino, University of Chicago
    433. Pablo Piedras, University of Buenos Aires
    434. Paloma Varón, University of Ljubljana, Slovenia
    435. Paola Bacchetta, Univeristy of California, Berkeley
    436. Paolo Spada, University of Southhampton
    437. Patricia Hansen, Univeridade de Lisboa
    438. Patricia de Santana Pinho, University of Albany
    439. Patrick Inglis, Grinnel College
    440. Patrick Kelly, University of Wisconsin-Madison
    441. Paul Christopher Johnson, University of Michigan, Ann Arbor
    442. Paula Chakravartty, New York University
    443. Paula Dias, Brown University
    444. Paula Halperin, State University of New York, Purchase
    445. Paulina Alberto, University of Michigan, Ann Arbor
  14. Paulo Moreira, University of Oklahoma
    447. Pedro Erber, Cornell University
    448. Pedro Félix, Universidade Nova de Lisboa
    449. Pedro Meira Monteiro, Princeton University
    450. Perla Zusman, University of Buenos Aires
    451. Peter Brandt, FernUniversität in Hagen
    452. Peter Evans, Brown University
    453. Peter M. Beatie, Michigan State University
    454. Peter Ranis, City University of New York
    455. Peter Rosset, ECOSUR Advanced Studies Institute, Mexico
    456. Philippe Dubois, Université Sorbonne Nouvelle Paris 3
    457. Pierre Salama, Université de Paris XIII
    458. Prabhu Mohapatra, University of Delhi
    459. Priscila Izar, Virginia Tech University
    460. Pujita Guha, Jawaharlal Nehru University, India
    461. Pyong Gap Min, City University of New York, Queens
    462. Rachel Elizabeth Harding, Univeristy of Colorado, Denver
    463. Rachel Price, Princeton University
    464. Rafael Diaz, Javeriana University, Bogotá.
    465. Rafael Monteiro da Silva, University of Minnesota
    466. Rafael R. Ioris, University of Denver
    467. Raimunto C. Barreto, Princeton Theological Seminary
    468. Ralph Della Cava, Queens College, CUNY & Columbia University
    469. Rana Behal, University of New Dehli
    470. Raquel Macciuci, Universidad Nacional de la Plata
    471. Rebecca Atencio, Tulane University
    472. Rebecca Herman, University of California, Berkeley
    473. Rebecca Kosick, University of Bristol
    474. Rebecca Tarlau, Stanford University
    475. Reena Goldthree, Assistant Professor, Dartmouth College
    476. Regina Felix, University of North Carolina, Wilmington
    477. Reid Andrews, University of Pittsburgh
    478. Renan Quinalha, Brown University
  15. Ricardo Aronskind, Universidad Nacional de General Sarmiento
    480. Ricardo Leito Ribeiro, New York University
    481. Richard Grossman, Northeastern Illinois University
    482. Richard Marin, Université Toulouse-Jean Juarès
    483. Rick López, Amherst College
    484. Rita Olivieri, Université Rennes
    485. Rita Schmith, Millersville University
    486. Robert Cabanes, Institut de Recherche sur le Développement, Paris
    487. Robert DuPllessis, Swarthmore College
    488. Robert Rowland, Instituto Universitário de Lisboa
    489. Robert W. Wilcox, Northern Kentucky University
    490. Robin Kelley, University of California, Los Angeles
    491. Robin Peery, Massasoit Community College
    492. Rodrigo Nabuco de Araújo, Reims University
    493. Roger Keil, York University
    494. Roger Kittleson, Williams College
    495. Rogerio Akiti Dezem, Osaka University
    496. Ronald H. Chilcote, University of California, Riverside
    497. Rosalind Bresnahan, California State University San Bernardino (retired)
    498. Rosana Pinheiro-Machado, University of Oxford
    499. Rosane Ramos, King’s College London
    500. Rosemary Galli, Observatório das Nacionalidades, Fortaleza and Oxfordshire
    501. Roquinaldo Ferreira, Brown University
    502. Russell Rickford, Cornell University
    503. Ruth Felder, State University of New York at Albany
    504. Ryan Lynch, Knox College
    505. Sabine Knierbein, Technische Universität Wien
    506. Sales Augusto dos Santos, Indpendent Scholar
    507. Santiago Carassale, FLASCO, México
    508. Santiago Garcia Navarro, Universidad Torcuato Di Tella
    509. Sara Brandellero, Leiden University
    510. Sarah Swider, Wayne State University
  16. Sari Hanafi, American University of Beirut
    512. Sean T. Mitchell, Rutgers University, Newark
    513. Sebastian Müller, Technical University of Dortmund, Germany
    514. Seth Garfield, University of Texas, Austin
    515. Seth Racusen, Anna Maria College
    516. Shawn W. Miller, Brigham Young University
    517. Sheila Holz, Universidade de Coimbra
    518. Sidney Chalhoub, Harvard University
    519. Silvia Arrom, Brandeis University
    520. Silvia Mancini, Universidad de Lausana, Suiza
    521. Simon Conroy, University of Leicester
    522. Sonia Alvarez, University of Massachusetts, Amherst
    523. Sonia Angela De Laforcade, Princeton University
    524. Stefan Kipfer, York University
    525. Stephanie Luce, City University of New York
    526. Stephanie Savell, Brown University
    527. Stephen Bocskay, Visiting Professor, Universidade Federal de Pernambuco
    528. Steven F. Butterman, University of Miami
    529. Steven Topik, University of California, Irvine
    530. Steven S. Volk, Oberlin College
    531. Stuart Schwartz, Yale University
    532. Sudeep Kumar, Xavier Institute of Social Service
    533. Sueann Caulfield, University of Michigan, Ann Arbor
    534. Susan Eckstein, Boston University
    535. Susan C. Quinlan, University of Georgia
    536. Susan Weissman, Saint Mary’s College
    537. Susana Hecht, University of California Los Angeles
    538. Susanne Jonas, University of California, Santa Cruz
    539. Sven Reichardt, Universität Konstanz
    540. Tahsin Guner, London College of Communication
    541. Tamar Diana Wilson, University of Missouri
    542. Tanalis Padilla, Massachusetts Institute of Technology
  17. Tariq Jazeel, University College London
    544. Teivo Teivainen, University of Helsinki
    545. Teresa Meade, Union College
    546. Terezinha Malaquias, Independent scholar
    547. Thomas Lambert, Frostburg State University
    548. Thomas D. Rogers, Emory University
    549. Thomas Palley, Independent economist
    550. Thomas Streeter, University of Vermont
    551. Tiffany Joseph, Stony Brook University
    552. Toby Green, King’s College, London
    553. Tomas Crowder-Taraborrelli, Soka University of America
    554. Toyin Falola, University of Texas, Austin
    555. Tyler Pollard, McMaster University
    556. Ute Lehrer, York University
    557. Vanessa Castaneda, Tulane University
    558. Vanessa Duffy, University of Massachusetts, Amherst
    559. Victoria Basualdo, FLASCO
    560. Victoria Langland, University of Michigan, Ann Arbor
    561. Victoria Ruétalo, University of Alberta, Canada
    562. Vincenzo Arsillo, Universita Ca’Foscari Veneza
    563. Vineet Thakur, University of Johannesburg
    564. Vasuki Nesiah, New York University
    565. Vipul Mudgal, Common Cause, India
    566. Véronique Hébrand, Université Paris 1 Panthéon Sorbonne
    567. Vicente Sanfélix, Universitat de València
    568. Virginia Helena Ferreira da Costa, New School for Social Research
    569. Vivaldo A. Santos, Georgetown
    570. Viviane Gomes de Ceballos, Visiting Scholar, Rice University
    571. Wendy Wolford, Cornell University
    572. Will Straw, Mc Gill University
    573. William C. Smith, University of Miami
    574. Wouter Servaas, University of Sheffield, United Kingdom
    575. Yael Karavan, dancer and director, London
    576. Yaya de Andrade, City University of Seattle, Vancouver
  18. 577. Yves Cohen, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris
  19. 578. Yves Sintomer, University College London
  20. 579. Zeljko Cipris, University of the Pacific
  21. 580. Zinka Ziebell, Freie Universität Berlin

‘Mancadas’ do impeachment, artigo de Dalmo de Abreu Dallari, um dos mais importantes juristas do país

“Mancadas” do impeachment

Dalmo de Abreu Dallari

 

Por vários motivos, incluindo inconformismo pela derrota nas eleições em que mais de cinqüenta e quatro milhões de cidadãos e cidadãs brasileiros elegeram Dilma Rousseff para a Presidência da República, e mais o despreparo para a cidadania e desrespeito aos princípios éticos e jurídicos que embasam a Constituição brasileira, incapacidade de aceitar as mudanças sociais decorrentes da efetivação das normas constitucionais referentes aos direitos econômicos, sociais e culturais e de aguardar as novas eleições presidenciais para tentar fazer prevalecer, por via democrática, as suas preferências, essas falhas somadas à ignorância dos princípios e das normas jurídicas evidenciada por alguns que se pressupunha que tivessem um bom preparo jurídico, tudo isso compõem o quadro dos que desejam, obsessivamente, o impeachment da Presidente Dilma, mesmo sem ter fundamento jurídico par tal pretensão.

Alguns fatos diretamente relacionados com as pretensões de impedir a Presidente da República de exercer o mandato que lhe foi conferido pelo povo em eleições democráticas e, paralelamente, de impor sérias restrições ao exercício de seus direitos ao ex-Presidente Lula, cidadão brasileiro no pleno gozo de seus direitos civis e políticos, têm deixado evidente a influência dos fatores acima enumerados. Ressalte-se, desde logo, a surpreendente e absurda informação da Ordem dos Advogados do Brasil-OAB, por sua secção nacional, de que irá protocolar pedido de impeachment da Presidente Dilma, indicando como fundamentos da proposta “aintenção da Presidente de beneficiar o ex-Presidente Lula, alvo de investigação judicial, atribuindo-lhe as prerrogativas de Ministro de Estado”. Como advogado, inscrito na OAB há mais de quarenta anos, fiquei surpreso e revoltado ao tomar conhecimento desse absurdo jurídico, pois não existe no direito brasileiro ou de qualquer sistema jurídico democrático a punição baseada somente em intenção, desligada de algum ato concreto que a lei defina como crime. Como é óbvio, a intenção é um elemento abstrato que não pode ser comprovado, mas, além disso, a Constituição exige, expressamente, que o Presidente da República tenha praticado um “ato” que se enquadre entre os crimes de responsabilidade. Esses crimes estão especificados no artigo 4º da Lei nº 1079, de 1950, não havendo ali, como é óbvio, nada parecido com o “ crime de intenção”.

Além desse absurdo jurídico, que compromete a imagem da OAB por deixar em dúvida o preparo jurídico de seus dirigentes, foi informado também que serão tomadas por base para seu pedido as medidas contábeis popularmente designadas como “pedaladas fiscais”. Ora, o que a lei prevê como crime de responsabilidade á prática de atos contra a lei orçamentária, ou seja, realizar despesa não autorizada pelo orçamento ou contrariando as regras orçamentárias, assim como praticar atos contrários à guarda e o emprego legal dos dinheiros públicos. Ora, as chamadas pedaladas, que foram amplamente utilizadas pelo então Presidente Fernando Henrique Cardoso, não significam apropriar-se de dinheiros públicos em benefício próprio ou entregá-los ilegalmente a alguém. Elas são artifícios contábeis relacionados com a época de transferência de recursos financeiros de um fundo público para outro fundo público. Assim, pois, não existe aí fundamento jurídico para a imposição do impeachment, que, mesmo quando juridicamente cabível, traz conseqüências muito negativas para o interesse público.

Cabe aqui outra observação sobre as “mancadas” ligadas ao impeachment. Rebatendo a alegação de que o impeachment seria um golpe, alguns, especialmente personalidades da área jurídica, argumentam em sentido contrário, lembrando que o impeachment está previsto na Constituição, mas esquecendo-se de que a própria Constituição estabelece condições precisas para sua aplicação . Com efeito, os artigos 85 e 86 da Constituição estabelecem a possibilidade de cassação do mandato do Presidente da República, mas, precisamente pela gravidade de uma decisão como essa, a Constituição estabelece, expressa e claramente, as circunstâncias em que isso pode ocorrer, exigindo, como condição necessária, que o Presidente tenha praticado ato que configure um crime de responsabilidade. Ora, o que tem acontecido até agora é que nenhum dos proponentes ou defensores do impeachment indicou um fundamento jurídico válido para aplicação desses preceitos constitucionais. E não existindo fundamento jurídico-constitucional o impeachment seria efetivamente um golpe contra o sistema político-jurídico democrático consagrado na Constituição feita pelo povo em 1988. Assim, pois, dizendo que o impeachment não seria um golpe simplesmente porque está previsto na Constituição os que assim procedem cometem também uma “mancada”, pois ignoram ou esquecem as exigências constitucionais para sua aplicação legítima e democrática.

Por todos esses motivos, é necessário, e de interesse público, que as manifestações contrárias ao governo não sejam manifestações contrárias à ordem constitucional. O povo tem o direito de se manifestar livremente e de expressar seu descontentamento com o governo no seu todo ou em relação a pontos determinados, mas isso deve ser externado por via pacífica e institucional, respeitando os que têm opinião divergente e propondo objetivamente nova orientação e novas medidas, que poderão ser aplicadas já neste governo ou no que, democraticamente, for eleito para o mandato seguinte.

Almoço de aniversário de Beth Serpa – a querida – e sua centena de amigas

bsprimeira fatia do bolo.jpg1

Beth Serpa é uma pessoa querida, e no seu almoço de aniversário, no Paris, o primeiro pedaço do bolo foi para o marido, o Serpa

bsBelita e a filha Ana Tamoyo

Beth Serpa é uma querida, e suas amizades passam de mãe – Belita Tamoyo -para filha – Ana Tamoyo

bsMonica Clark e Mariza coser

Beth Serpa é mesmo querida, e Monica Clark com Mariza Coser são presenças absolutamente obrigatórias em todos os eventos em torno dela

bsLiliana Rodriguez e Katia Spolavori

Tão querida é a Beth Serpa, que Lilian Rodriguez e a Katia Spolavori ficam até mais bonitas, quando se trata de uma homenagem a ela

bsGlória Severiano Ribeiro e Ruth Niskier

Beth Serpa – ah, como ela é querida! – une em torno de si unanimidades sociais como Glória Severiano Ribeiro e Ruth Niskier

bsas irmãs Margaret Padilha, Beth Serpa e Leticia Migani

Querida, a Beth Serpa, seja no convívio social, seja no familiar, como bem demonstra o afeto enorme que têm por ela suas irmãs, Marga Padilha e Letícia Migani

bsConstança Castelo Branco

Constança Castelo Branco

bsBeth Pinto Guimarães e Gilsse Campos

Beth é querida por todas muitas Beths, como a Pinto Guimarás, e pela única Gilsse, como a Campos

Lucia Bianchini e Carla Odorizzi

Lucia Bianchini e Carla Odorizzi

bsLeise Espirito Santo 1

A juíza Leise Espírito Santo pode julgar bem o quanto todos estimam a querida Beth

bsHeckel Verri e Maninha Barbosa

Maninha Barbosa é das mais queridas da Beth Serpa, que é muito querida do Heckel Verri

bsMariza Coser

Ah, como a Beth é querida pela Mariza Coser e o Jair!

bsgrupo

Perguntem à Sonia Romano, à Maria Célia Moraes, à Monica Faria, à Glória, à Ruth e á Cleuba Verri “quem é a querida?”. Elas dirão: “Beth Serpa!”.

bsRoberta e Flavia vieira

Flavia e Roberta, filhas tão queridas da sempre queridamente lembrada Caemen Vieira, foram demonstrar à Beth Serpa o quanto sua mãe a estimava

bspianista Lucia Bianchini

A cantora líria Lucia Bianchini enfeitou nossos ouvidos

bs bolo 1

Beth serpa – a tão querida – é figurinista de talento, e por isso seu bolo era coberto de roupinhas – que fofo!

bsBeth Serpa e amigas 1

Quantas e quantas amigas demonstrando à querida que a querem muito bem… CArol Murta Ribeiro, Ilka Bambirra e Vera Tostes na extrema direita

bsBeth Serpa e amigas

Eram vários grupos e o querer bem estava em cada metro quadrado dos salões magníficos do Paris em que era celebrado o aniversário da Beth querida

bssparabéns

Renata Fraga, Ilka Bambirra, maridão e Miriam Dauelsberg cantam “parabéns pra Beth querida”

bsentrada do Paris Gastrô

Brasão Paris

bs Monica Faria, Ruth Niskier e Sueli Vasconcelos

Monica Faria, Ruth Niskier e Suely Vasconcelos

bsMiriam Dauelsberg e Beth Serpa

Myriam Dauelsberg e a aniversariante

bsparabéns (6)

O momento “Derrama, Senhor / Derrama, Senhor / Sobre a Beth querida o nosso amor”…

Fotos Marcelo Borgongino

Berta Loran: 90 anos de uma estrela de fato e de direito

Na data de seu 90º aniversário, a atriz Berta Loran lotou o Oi Casa Grande no Leblon, com multidão de amigos e fãs para o lançamento de seu livro biográfico, “Berta Loran: 90 Anos de Humor”, autoria de João Luiz Azevedo.

BL eu e Bia Nunnes 2

João Luiz Avevedo, o autor, a atriz Bia Nunnes e Berta Loran

Nem o temporal que caía sobre a cidade diminuiu o brilho da festa em que a comediante e João Luiz, além de autor do livro, produtor do evento, receberam atores, diretores, produtores, jornalistas, familiares e fãs – todos lá. A primeira a chegar foi Fernanda Montenegro, abraçada e beijada por Berta, que, emocionada, agradeceu muuuito a presença.

Em seguida, a equipe do “Fantástico” prestou homenagem à atriz, levando Vilma Nascimento – que tempos atrás participou do programa ao lado de Berta e Elke Maravilha.

A partir daí, Berta Loran recebeu o carinho de muita gente boa. Eram Castrinho, Marina Miranda, Rogéria, Jane Di Castro, Bemvindo Sequeira, Fernando Reski, Roberto Frota, Marco Miranda, Jayme Periard, Moacyr Veiga, Iran Lima, Bia Nunnes, Terezinha Elisa, Sergio Fonta, Cida Moraes, Gina Teixeira, Leda Lucia,  Camille K,  Leiloca, a cantora Ellen de Lima, o compositor das marchinhas de carnaval João Roberto Kelly, Isabelita dos Patins, o jornalista e escritor Rodrigo Faour, o radialista Amaury Santos, o jornalista Luiz Carlos Lourenço, o cenógrafo e figurinista Colmar Diniz, os críticos teatrais Rodrigo Monteiro e Marcelo Aouila, entre muitos outros cujas carreiras se cruzam com a história artística de La Loran.

bl 77ee3cb3-9273-46ea-9d9c-cd1a5bb95d68

Fernanda Montenegro, a primeira a chegar

bl_DSC1280

A cantora Ellen de Lima

bl _DSC0930

João Roberto Kelly entrevistado

BL e Vilma Nascimento

Vilma Nascimento, amiga dos tempos do Fantástico

BL Castrinho e Claudio Randi

Castrinho, companheiro de muitos programas de humor

bl_DSC0907

João Luiz e Berta, autografando para Marina Miranda

bl_DSC0914

Com o jornalista Luis Carlos Lourenço

BL jayme periard

Jaime Periard

Tanta gente que ficaram na fila imensa do lado de fora, sem conseguir entrar, Heloisa Périssé, Liane Maya, o radialista Ricardo Campello , o jornalista Jorge Rodrigues e uma pequena multidão.

Depois de mais de duas horas autografando, Berta foi levada para a plateia do teatro onde assistiu, ao lado de José Luiz, a um vídeo a seu respeito, com depoimentos de Boni, Mauricio Sherman, Claudia Raia, Fernandona e Fernandinha, Paulo Silvino, Ari Toledo, Cininha de Paula, Bibi Ferreira, Luis Gustavo, Elke Maravilha, Ney Latorraca, Cauã Reymond, Marina Miranda, Edson Celulare, Arlete Salles, Claudia Jimenez, Débora Bloch, Jô Soares, Lucio Mauro, Marcius Melhem, Murilo Benicio, Nelson Freitas, Tereza Rachel, Tom Cavalcante e mais e mais.

A homenagem prosseguiu no palco, em show apresentado pelo entertainer Fernando Reski. Clarita Paskim, sobrinha de Berta, cantou “The Way we Were” e o clássico idiche  “A Bissele Mazl”, acompanhada do tecladista Haroldo Goldfarb. O ator-cantor Adren Alves, ao som do violonista Lucas Notaro, interpretou o clássico “Folhetim” de Chico Buarque. A performer Jane Di Castro, com o  sax de Sergio Alvarez e o violão de Lucio Mariano brilhou com “La Vie en Rose”, “Wonderful World” e “I Will Survive”. Hélcio Hime lembrou Sinatra, cantando “My Way” e “New York New York”. A elegantérrima Rogéria encerrou a sequencia musical com clássicos de Cole Porter. O publico delirou.

bl _DSC1202

Bemvindo Sequeira arrancou gargalhadas, e Berta subiu ao palco para provocar

Coube a Bemvindo Sequeira o ‘momento comédia’, arrancando muitas gargalhadas, durante quase 10 minutos de piadas e causos, aquecendo a plateia para o grand finale, em que Berta Loran declamou o poema “Ser atriz”. Aplausos apoteóticos no teatro super lotado. Esta sim foi uma festa-homenagem de 90 anos à altura de uma estrela de fato e de direito. Nesta terça, a festa se repetiu no Teatro Municipal de Niterói.

BL Jane Foto Luiz Alberto

Jane Di Castro, a performer encheu o palco com sua lourice

BL Helcio Hime Foto Luiz Alberto

Helcio Hime interpretou Sinatra

BL Adren

Adren

BL Reski foto Luiz Alberto

Fernando Reski

bll_DSC1135

BL Rogeria

Rogéria em dois tempos de sua elegância

Fotos Sanny Soares, Luiz Alberto e Daniel Marques 

 

bl capa do livro BL 90 Anos

Para quem não leu e para quem não assistiu, aqui vão alguns dos depoimentos, como aperitivo do livro e do vídeo…

“Dona de uma capacidade histriônica invejável, ela dançava, cantava e representava com um desembaraço incrível.” (ARI FONTOURA)

“Ela é uma das maiores comediantes do Brasil e foi um prazer trabalhar com ela, na “Escolinha do Professor Raimundo” e no filme que dirigi, “O Fantasma de Canterville”. (ANTONIO PEDRO)

“Berta Loran é sem dúvida uma mulher dos palcos, como se costuma dizer, nasceu pra isso!  É uma grande comediante, que canta, dança… E sozinha num palco é capaz de entreter o público, como se estivesse na sala da sua própria casa. E nós sabemos que isto não é fácil…   Brilha no cinema, na televisão, e claro nos palcos.   Aos 90 anos ela está aí brilhando, produtiva!   E como diz o nosso Miguel Falabella: “Artista não tem idade, tem encanto”. Então vamos esquecer idade porque a nossa Berta continua nos encantando.”  (ARLETE SALLES)

“Além de uma atriz em todos os sentidos, uma criatura extraordinária em simpatia e alegria!” (BARBARA HELIODORA)

“Feliz daquele que passa pela vida tendo tido no máximo um amigo. A Berta Loran é uma amiga. Sempre foi, sempre será. Eu gosto da Berta, e mais do que gostar é admirar a pessoa! Como eu admiro aquela figura no palco, na cena. É uma pessoa maravilhosa. Tem uma dicção perfeita, fala bem, anda bem, se comunica bem. É uma grande artista.” (BIBI FERREIRA)

“Berta Loran, para mim, é uma mistura de Lucille Ball com Fanny Brice, as maiores comediantes americanas” (CHARLES MOELLER)

“Berta Loran é um exemplo de talento e vitalidade para o mundo. Aos 90 anos está lúcida, trabalhando, alegre e alegrando. Vivendo e convivendo. Não pode desistir – pelo menos nos próximos 90 anos!” (CIDINHA CAMPOS)

“Ela sempre foi uma pessoa muito reservada, muito calada, muito disciplinada. A Berta nunca chegou nas gravações com o texto na mão, nem com dúvidas. Ela nunca errou um texto, uma linha, nada… Muito pelo contrário, às vezes até ajudava os outros colegas que tinham dificuldade em decorar.” (CININHA DE PAULA)

“Berta foi minha professora na vida e no palco. Amo você, minha querida!” (CLAUDIA JIMENEZ)

“Berta Loran, linda, maravilhosa, parabéns pelo seus 90 anos, que vida maravilhosa você teve. Quanto você nos presenteou com o seu talento, com seu tempo de comedia. Quando comecei no “Viva o Gordo” e você era uma das atrizes principais do programa, era uma comediante espetacular, eu achava tanta graça em você e eu grudava em você que nem sombra. Eu queria aprender com você. Onde tinha direção Berta Loran ou Berta Loran como atriz, eu ia atrás de você. O que eu sei de comedia eu aprendi com você, então eu te agradeço demais, te parabenizo nesses seus 90 anos, nessa data tão linda, tão importante para toda classe artística. Beijo te amamos, Berta!” (CLAUDIA RAIA)

“Berta faz parte de uma geração de atores para quem basta um palco e o público para que o espetáculo aconteça. Geração que dança, canta, sapateia, conta piadas e o público se esbalda. Berta é cheia de histórias, de piadas, de espetáculos. Berta é cheia de vida!” (DEBORA BLOCH)

“Berta é uma atriz completa, que transita entre a comédia e o drama com o mesmo talento. Uma profissional muito dedicada e disciplinada e uma pessoa gentil e carinhosa.” (DUCA RACHID)

“Berta Loran é um verdadeiro fenômeno na história do showbiz nacional… atravessou o seu tempo e chega aos 90 anos com alegria, disciplina e amor ao ofício.  Uma atriz múltipla, que engrandece o cenário do entretenimento no Brasil.” (EDSON CELULARI)

“Você faz parte da nossa vida, faz parte do nosso riso, faz parte da nossa profissão. É tão bonita a sua força.  Eu conheço você há muitos e você sempre foi uma mulher muito estruturada, muito elegante, muito cuidada. Vamos aplaudi-la, abraça-la e beijá-la! (FERNANDA MONTENEGRO)

“Gênia absoluta, Berta Loran!” (FERNANDA TORRES)

“Tenho o maior orgulho de ter conhecido, convivido e contracenado com a Berta Loran! Fiquei impressionada com seu tempo cômico, com a tranquilidade com que desenrola a piada, como se ela tivesse vivido aquilo.” (HELOISA PERISSE).

“Atriz extraordinária, companheira vibrante e corajosa. Insuperável em cena como presença. Parabéns, Berta. É para mim um orgulho poder chamá-la de colega”. (JÔ SOARES)

“Quem se acostumou com a imagem de Berta Loran associada ás gargalhadas e ao humor nem desconfia da guerreira que ela é. Mulher forte, criada com a força e com a fibra da sua família de imigrantes judeus. Berta é uma vencedora, que fez da luta pela sobrevivência a base da sua vida e não deixou o rancor dominar sua história. Uma história que passa pela guerra, pelo extermínio nazista, pela Praça Tiradentes, pela moradia apertada, pela falta de dinheiro mas nunca pela falta de amor. É esta grande  atriz,  comediante perfeita, que sabe nos fazer rir ,que nos encanta nos palcos e nas telas há  mais de 60 anos que eu sempre tive enorme prazer em entrevistar e ouvir suas histórias da vida e da arte. Parabéns Berta Loran! Parabéns pela sua vida e pela sua arte! Meus respeitos e minha admiração! (LEDA NAGLE)

“Berta representa a Classe A dos humoristas e serve de exemplo para os novos atores. Ela faz tudo com perfeição, não deixa faltar nada em seus personagens.  Espero que ela ainda tenha muita saúde e continue dando aula de como se faz humor no Brasil”. (LUCIO MAURO)

“Eu trabalhei com as maiores atrizes desse pais, mas me faltava uma estrela de primeira grandeza que eu amo, porque é um talento inigualável… Faltava a Berta Loran. Não falta mais!” (LUIS GUSTAVO)

“Sua inteligência, seu talento, o que ela representa na história do humor, sempre me despertou a mais profunda admiração. Berta Loran merece todos os aplausos, todas as homenagens e todo o carinho por sua linda e marcante presença no humor nacional. Te amo, Berta”. (MARCIUS MELHEM)

“Berta Loran não tem 90 anos; tem 19! Ela é exemplo para todos nós, atores. O sorriso é sempre melhor que a tristeza, e é isso que ela transmite: Alegria. Alegria de viver!” (MILTON GONÇALVES)

“As tiradas certeiras, uma visão bem humorada de encarar as questões do mundo, sempre com uma análise em cima do lance. Aprendi com ela que os humoristas têm sempre uma opinião diferenciada do mundo. E isso é fundamental”. (MURILO BENICIO)

“Com seu nome escrito em letras garrafais na história e na memória da cultura brasileira, Berta colocou seu talento à  disposição de inúmeras personagens ao longo da carreira, encantando gerações com seu humor peculiar e perspicaz”. (NELSON FREITAS)

“Eu amo você. Você é um luxo! A Berta Loran é dona de uma escola, de uma maneira de representar que só ela tem! O tempo, o timing! Ela tem uma qualidade de uma atriz que eu acho impressionante, que além do talento que é muito importante, ela é generosa!” (NEY LATORRACA)

“Berta é uma atriz excepcional, daquelas esculpidas para se tornarem divas! Trabalhar com a Berta é sempre um grande prazer, pois seu talento, seu carisma e seu humor contagiante sempre fizeram e fazem aflorar o melhor de todos que estão ao seu lado”. (RENATO ARAGÃO)

“Berta Loran foi um marco para nossa geração. Transitou nos mais variados gêneros do humor, na dramaturgia das novelas e no humor rasgado da “Escolinha…”, ela sempre me fez sorrir. Um rosto expressivo de quem não precisa fazer esforço para a comédia, talento de poucos.  Em nome de muitos brasileiros e em nome da comédia, agradeço sua entrega e seu humor preciso, em todos os personagens aos quais deu vida”. (RODRIGO SANT’ANNA)

“Ela é uma das melhores comediantes do Brasil. Além de se apresentar falando português, também canta e conta piadas em ídiche, a língua de judeus. Penso que a Rede Globo poderia aproveitá-la melhor, ela é comediante para ter um programa inteiro.  É uma pessoa que não deixa nada para amanhã. Com ela, é sempre para Hoje”. (TEREZA RACHEL)

“Sempre fui fã da atriz Berta Loran! Sempre vi Berta como uma figura exemplar. Uma atriz talentosíssima, que sabe fazer humor como ninguém, mas, acima de tudo, o que salta aos olhos de todos nós é o brilho, o vigor, a energia que ela traz consigo e que exala. Essa força é que faz a diferença para uma artista, que transforma talento em carisma”. (THELMA GUEDES)

“Berta Loran: a dama da TV e do teatro. Uma honra conhecer e desfrutar da amizade de uma das dez mais importantes profissionais da cena artística nacional. Mulher inteligente e generosa com quem convivi durante nossas atuações na “Escolinha…”. Suas interpretações impecáveis tocam a alma e nos faz acreditar que seus personagens são de verdade. Vida longa a uma trajetória de brilho e talento. Viva Berta, na sua plenitude”. (TOM CAVALCANTE)

O Brasil das ruas não é feito só de desmiolados do golpe, há também os corajosos meninos Vítors

Em 1954, a bala atravessou o algodão do pijama de Getúlio, cravando-lhe o peito. E o povo foi pra rua, cobrindo o chão com gritos, molhando o ar com lágrimas. Em 1968, a vítima foi o jovem estudante do Calabouço. E os estudantes fomos pra Cinelândia, desnorteados na estranheza, com o caixão de Edson Luiz cruzando sobre nossas cabeças e forçando as portas do inferno, que ali iniciaria um novo ato, o da reação, das torturas, desaparecimentos sem rastro, dos longos silêncios, gritos parados no ar.

Em 2016, não, não teremos cadáveres, a História há de nos trazer a sabedoria vista no episódio do menino Vítor, quando quem tem que proteger cumpriu a correta missão, em vez de espancar.

Adolescente, 17 anos, uniforme de colégio, meia soquete, mochila nas costas, Vítor não se intimidou, diante dos celerados do impeachment, que se lançaram contra ele ao ouvi-lo bradar sua voz imberbe: “Não vai ter golpe!”.

Foi acossado pelos hooligans truculentos, tentando espancá-lo, aos palavrões, ofensas, fdaps, bicha e outras baixarias. Mas não perdeu a postura e a compostura, cara corajoso. Espremido contra o muro, foi salvo pelos PMs, que o escoltaram até local seguro. Durante todo o trajeto, mesmo sob a perseguição de brutamontes que poderiam ser seus avós, pais, tios, o menino manteve o enfrentamento. Alento.

O Brasil não é feito só dos desmiolados, fascistas e descerebrados que vemos, agora, bailar e cantar nas ruas, saudando as trevas que se aproximam. Há também os meninos Vítors.

 

 

Em noite de tempestade shakespeareana, com raios de Spielberg, Danemberg celebra com elegância e requinte

Quantas vezes eu e outros colunistas escrevemos “nem a chuva conseguiu impedir o sucesso do jantar” ou frase parecida, praticamente um lugar comum quando uma reportagem social descreve um evento em tempo de chuva…

Mas, na noite de sábado, a tempestade estava bem distante de ser um lugar comum. Raios de dar inveja a efeito especial do Spielberg. Na Praia de Copacabana, o calçadão virou mar, o mar virou calçadão. As garagens dos prédios se transformaram em piscinas, e os carros boiavam como barcos e pedalinhos, o que, infelizmente, não eram, pois morriam afogados a cada tentativa de fazer girar o motor.

Ninguém entrava, ninguém saía. Para partir de casa, só se Noé perdesse o rumo de sua Arca e passasse na porta. Táxis, nem por obra de São José, um dos três aniversariantes da data.

Eu, com dois compromissos de aniversários imperdíveis na agenda: os 60 anos do amigo antiquário Arnaldo Danemberg, com jantar sentado na Library do Copa, e os 70 do cavalheiro Luiz Carlos Ritter, em grande celebração nos salões da Av. Copacabana, do mesmo hotel.

Com duas horas de atraso, depois de uma vigília na portaria do prédio, esperando a água escoar pelos bueiros, conseguimos retirar o carro da garagem e partir para o Copa. Encontramos parte dos convidados – porém ainda nem todos –  tomando seus drinks na Library acolhedora, o que alguns já faziam desde às 20h30m.

Quem me acompanha aqui sabe que tudo que Danemberg faz traz a marca de sua elegância singular, em que mescla o bom gosto aos valores familiares e de amizade. Por ofício ligado ao universo estético, Arnaldo vai além dos simples prazeres da aparência do olhar. Ele se relaciona em profundidade com o que pratica. No seu trabalho, é notável pesquisador, conhecedor de estilos, épocas, materiais. Um mestre. Nas relações humanas, a mesma coisa. Não fica na superfície. Seleciona, cultiva, interage. Seu elenco de amizades é sólido, numeroso e de longa data. Seu tratamento é sempre respeitoso. Os que com ele trabalham se tornam amigos, e isso é tiro e queda. A família Danemberg reflete felicidade. Ele, Katia, os filhos, agora a neta. Lá estavam. Serenos, carinhosos.

Dominando uma parede da Library, o austero retrato do avô de Arnaldo, antigo general manager do Copacabana Palace! O refinamento vem de muito longe…

No tempo de vovô Danemberg, a Library não era a Library, era a portaria do Anexo, com entrada pela Avenida Copacabana. E aquela porta giratória, hoje interditada, rodopiava sem parar, em movimento constante, dando passagem aos hóspedes célebres, que assim evitavam o frisson da entrada principal pela praia.

Nas amplas suítes do Anexo, hospedavam-se famílias inteiras, muitas vindas de outros estados brasileiros, homens de negócio com perfil de grande sobriedade, e também havia os que ali faziam do hotel sua residência permanente.

Naquela noite, a Library ganhou novo toque de requinte by AD – iniciais de Arnaldo, as mesmas da revista de decoração mais famosa do mundo, Architectural Digest – e o monograma vinha nos cardápios diante dos comensais e na glace do bolo de dona Regina Rodrigues.

O mobiliário do antiquário AD é qualquer coisa. Só ele tem aquelas estantes e mesas e cadeiras e cômodas e arcas inglesas, francesas, brasileiras, portuguesas, únicas, preciosas, em madeiras recuperadas em sua antiguidade, polidas, lustradas, tratadas de tal maneira carinhosa que só faltam exalar o perfume de seu passado e suas histórias.

A ambientação de Lu Kreimer nos premiou com toques de charme, como a coleção de vasos leitosos brancos de Baccarat, florindo todo o centro da longa mesa principal, e os  abajures acesos no interior da vitrine envidraçada – que sacada chic!  A decoração da Library do Copa tem curadoria e acervo do antiquário de Arnaldo, que fica na galeria do Edifício Chopin.

Eram 40 convidados divididos em quatro mesas, presididas por Arnaldo, sua mulher, Katia, e os filhos, Paloma e André. De fato, não foram 40, pois faltaram dois casais, daqueles absolutamente ilhados em casa, naquela noite em fúria shakespeareana: Ricardo e Patrícia Mayer, Chicô Gouvêa e Paulo Reis.

ad 60 Os príncipes Antônio e Christine de Orleans e Bragança com Arnaldo Danemberg

Os príncipes dom Antonio e dona Christina de Orléans e Bragança com Arnaldo Danemberg. A princesa passou grande tempo da noite conversando com o cônsul-geral da Bélgica, sentado ao seu lado.

ad 60 Carolina Castello Branco, Dado Castello Branco, Arnaldo Danemberg e Katia Danemberg

O casal Carolina e Dado Castello Branco,de São Paulo, e os Danemberg

ad 60 Raphael Costa Bastos

A revelação da última Casa Cor, que assinou um dos ambientes mais harmoniosos e elegantes, o arquiteto Raphael Costa Bastos, e que eu tive grande prazer e encantamento em visitar. O espaço homenageava os 30 anos de antiquariato de Arnaldo Danemberg.

ad 60 Julia Abreu e Brice Roquefeuil

Julia Abreu e Brice Roquefeuil

ad 60 Marco Antonio Rezende, Kathia Pompeu e Arnaldo Danemberg

Marco Antonio Rezende, Kathia Pompeu e o anfitrião

ad 60 Pedro Ariel e Katia Danemberg

Pedro Ariel e Katia Danemberg, bela mulher

ad 60 DSC_0010Menu do chef Francesco Di Carli, ah que delícia que foi! Vitela “tonnato” clássico com ovo mole e ponta de aspargos *** Risotto de peras carameladas e queijo taleggio *** Carré de cordeiro em crosta de pistache com batata gratin *** Folhado morno de morango com sorvete de baunilha. Não vou dar marcas de vinhos, uísque. Eram excelentes. E o serviço, com os garçons atenciosos, impecáveis, melhor ainda, se é que isso é possível.

ad 60 Luiz Fernando Texeira, Lelena Texeira e Arnaldo Danemberg

Luiz Fernando Texeira, Lelena Texeira, recebidos pelo aniversariante

ad 60 DSC_0026

As madeiras do antiquário de Danemberg são tratadas com afeto

ad 60 Paloma Danemberg com a filha Rafaela

Katia Danemberg e a filha, Rafaela, que naquele dia segurou pela primeira vez a mamadeira, presente pro vovô

ad 60 DSC_0037-2

AD, um nome que também é marca

ad 60 Laís Gouthier e Arnaldo Danemberg

Arnaldo com a embaixatriz Laís Gouthier, que, em conversa com a princesa Christine de Ligne, que é belga, lembrou o tempo em que ela e o embaixador Hugo Gouthier adquiriram para o Brasil o palacete que se transformou em nossa embaixada na Bélgica, em 1958, ano da Grande Exposição Internacional naquele país.

Na ocasião, os Gouthier deram um jantar sentado de lugares marcados para 300 pessoas, e mais 200 chegavam depois para a festa. Eis que Lourdes Catão adentra linda, vestindo a moda da época, um vestido trapézio! E o espirituoso Guilherme da Silveira lascou essa: “Lourdes um dia ainda vai cair do trapézio”.

Silveirinha podia ser bom piadista, mas não como vidente. Lourdes até hoje se mantém bela bailarina, muito bem equilibrada em sua sapatilha de ponta, arrancando aplausos do selim do cavalinho emplumado, nos palcos da alta sociedade.

ad 60 DSC_0042

O portrait do avô de Danemberg, um óleo, cercado pelas fotos da família de Arnaldo.

ad 60 Patricia Quentel

Patrícia Qüentel veio do Humaitá e foi das últimas a conseguir chegar. Mas foi, viva!

ad 60 DSC_0050-2

 

ad 60 Mauricio Nóbrega e André Danemberg

Geraldo Nóbrega e André Danemberg

ad 60 DSC_0053-2

Que mesa linda! E com essa madeira precisa toalha?

ad 60 André e Paloma Danemberg

Os irmãos André e Paloma Danemberg

ad 60 DSC_0080

O móvel não tinha luz em seu interior, mas Lou Kreimer colocou abat-jours iluminados dentro da vitrine da Sociedade Marítima de Beneficência e deu uma vida extraordinária ao set. Sobre ela, grandes baús de carvalho. Vasos e solifleus brancos leitosos de Baccarat floriam de branco também o centro da mesa.

ad 60 b

Esqueci de tirar óculos para a foto… outra vez!

ad 60

Dado Castello Branco na hora avisou: “É pra cortar o bolo de baixo pra cima”. Costume paulista pra dar sorte. Deu o maior trabalho, mas Arnaldo fez. SP sabe das coisas.

ad 60 a

O jantar estava tão delicioso que até autógrafos pediram que Arnaldo desse no cardápio.

Fotos LUCAS MORAES

***

No mais, abaixo, a bolsa COCO, usada por Paula Nabuco, era perfeita para aquela noite: uma obra prima de marcenaria, criação de Rocio Olbes, esculpida em madeira de acácia, formando círculo vazado em pé, toda boleada e laqueada, com forro de camurça. A marca escocesa nasceu com a proposta de trazer de volta à moda o conceito de obras de arte. E pelo que vi na bolsa de Paula, ela consegue.

coco 2

***

Quanto à festa do Luiz Carlos Ritter, era tão tarde, quando terminou o jantar ma-ra-vi-lho-so, naquela longa noite molhada de verão, que morri de vergonha de chegar àquela hora para uma recepção marcada para as oito e meia da noite. E eu soube que tudo estava tão agradável e bonito! Bem, o convite creme e azul marinho com cerimonial Stambowsky já prometia. Não deixarei de falar a respeito. Vou ligar para os amigos…

 

 

Resposta a uma leitora

“Hilde, minha querida, com tantas imagens lindas a favor do Brasil neste domingo, com manifestações pacíficas em todos os estados e no DF, você foi escolher justamente estas duas??? Oi??? Mas entendo… Afinal, foi um domingo difícil para você e toda a turma do “pão com mortadela” que insiste em defender uma facção criminosa que está indo para o ralo. Entenda: os brasileiros não aguentam mais esses corruPTos!!! Acabou!!! O Brasil acordou!!!!”

Em resposta a Maria Luiza Andrade

Maria Luiza, também infeliz a imagem “pão com mortadela” usada por você, porque ridiculariza o alimento daqueles que, sem ter como pagar presunto, comem mortadela. Ocorre, Maria Luiza, que nossa sociedade está tão acostumada ao preconceito, que nem percebe ao praticá-lo. No RJ, fiquei chocada com os termos chulos do carro de som, sugerindo “pé na bunda” na presidente da República, nos repetido bordões, gritando “bunda, bunda bunda”, com o locutor atiçando a multidão contra o restaurante de uma deputada, na orla de Copacabana, e o ator pornô Alexandre Frota discursando ao microfone barbaridades, expondo o baixíssimo nível ideológico, cívico, psicológico e de alfabetização dos líderes e apresentadores do evento. Até em contraste com os populares participantes, que, na maioria, eram famílias de classe média da Zona Sul. Não, o dia não me agradou. Evidenciou a vulgaridade a que se reduziu a vida brasileira, a partir de nossos meios de comunicação, com o palavrão virando vírgula, o desrespeito a nossos símbolos pátrios se tornando lugar comum, e fatos, que não são fatos, afirmados como verdades absolutas, a partir de notícias não apuradas, veiculadas pela mídia, baseando-se em processos não julgados etc. Foi lamentável!

Sem esquecer que corrupto não é apenas o PT, o Brasil vive essa síndrome desde Pero Vaz de Caminha. Pela primeira vez há um governo disposto a apurar, sendo também o primeiro a fornecer instrumentos legais para isso. O PRIMEIRO, preste atenção. E sem interferir no trabalho da polícia, muito menos do Judiciário. Errado é manipular o povo com inverdades, em nome de conveniências dos grandes da mídia e das corporações financeiras e estrangeiras. Isso é que é errado, Maria Luiza.