Os casamentos em Brasília, surpreendendo sempre… e uma Igreja emergiu do Lago Paranoá!

E segue a vida em Brasília… Nesta sexta-feira, um tempo magnífico, e uma igreja emergiu em pleno Lago Paranoá, boiando a bordo de uma imensa balsa, atracada no deck da residência do megaempresário Geovanni Meireles, que, com Andréa, casavam a filha, Vanessa, com Adriano Mesquita. Geovanni é o homem dos helicópteros e jatinhos alugados, que decolam e zarpam, pra lá e pra cá, na Capital Federal, além de atuar no setor de mineração.

Para um homem que voa alto, os sonhos são elevados. Daí que concretizou todas as fantasias de um casamento espetacular para Vanessa. A balsa-igreja não comportava apenas o altar, com cenografia de inspiração mourisca, como também as cadeiras dos 500 convidados e o palco da orquestra. A solenidade foi às quatro da tarde. À noite, o espaço virou pista de dança e a orquestra eletrizou, chacoalhou Brasília inteira com seu som.

E quem era essa ‘Brasília inteira’? O casal senador Fernando Collor e Caroline, cujas filhas gêmeas foram daminhas do casamento; o senador Cyro Nogueira, de quem Geovanni é muito próximo; Raimundo e Gitana Lyra; nosso embaixador no Irã, Azeredo Santos, e Marília. Do Rio de Janeiro, estavam o desembargador Paulo Cesar Espírito Santo,  presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, e sua Leise, juíza, Walter Moraes e Maria Célia, Ângela Fragoso Pires. E assim seguiu a procissão de homens de poder e mulheres de longos.

Tudo nesse casamento teve inspiração das Arábias. Do bolo, com quase dois metros, cortado com espada, ao inacreditável vestido de mil e uma noites da noiva. Nos salões da residência à beira do Lago, onde foi construído o deck para ancorar a balsa-Igreja, mal sobrava uma nesga de parede, teto ou alisar de porta. Tudo eram flores e flores, em tons de rosa, subindo pelas paredes, como se fossem heras, se esparramando pelos tetos, transformando as salas em grandes caramanchões.

Foi um casamento civil no altar, não houve cerimônia religiosa. A religião consistiu numa bênção, que padre Fábio de Mello, um dos padrinhos, conferiu aos noivos, simbolicamente, através de canção interpretada por ele, para delírio dos presentes, que após a cerimônia cercaram o padre pop star pedindo selfies. Fábio e o pai da noiva são grandes amigos.

E assim finalizo o relato de mais um casamento grandioso, entre tantos que já descrevi, realizados em Brasília, sem dúvida a cidade que, quando casa suas jovens herdeiras, surpreende sempre, supera expectativas, estabelece novos limites em ousadia e rasgos de generosidade.

Já houve uma noiva brasiliense que importou da cidade de Baccarat, na França, 350 candelabros de cristal, e encomendou na fábrica de Limoges, naquele país, 700 pratos de porcelana com seu monograma; outra mandou construir um palácio, especialmente, para depois da festa o demolir; mais uma reuniu no altar as mulheres de sua família e as madrinhas, todas elas vestindo haute couture francesa, Christian Dior. Enfim, o auge do luxo e do refinamento. Coisas que a gente só lê nos livros de estória, e que só mesmo a pena de uma colunista social para descrever…

A noiva, Vanessa, em seu vestido espetacular, com renda aplicada sobre zibelina, levada ao altar pelo pai, Geovanni Meireles, pisando a passadeira branca com moldura ouro velho. Ao fundo, a residência.

No altar, durante o ofício Civil, a capela católica com inspiração mourisca, as duas daminhas de branco são as filhas gêmeas de Fernando Collor e Caroline

O noivo Adriano Mesquita aguarda a noiva Vanessa Meirelles. Ao fundo, seus pais, Marcelo e Ana Cláudia Mesquita

A juiza Leise Espírito Santo e o desembargador Paulo César Espírito Santo,  presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região

Os pais da noiva, Geovanni e Andréa

A representação carioca: Ângela Fragoso Pires (em pé), Walter e Maria Célia Morais, de seda verde de Valdemar Iódice.

Capela antes do “Sim”

 Leise Espírito Santo e o padre Fabio de Mello

O bolo romântico e florido alcançava quase dois metros de altura com seus 10 andares

As flores subiam pelas paredes, como heras, derramavam-se pelos tetos, não deixando quase uma nesga para se enxergar a alvenaria… as mesas de doces eram em degradê

Valsa de luzes

Os doces nas mesas “bordavam” flores

Levando as alianças, a neta de Geovanni e Andréa Meireles

A foto clássica dos noivos com os pais

Cortando o bolo de dois metros com o sabre

As 500 cadeiras da igreja que emergiu no Lago Paranoá especialmente para casar Vanessa e Adriano

13 ideias sobre “Os casamentos em Brasília, surpreendendo sempre… e uma Igreja emergiu do Lago Paranoá!

  1. Em se tratando de festas nababescas em Brasilia, eu fico até com medo de perguntar a verdadeira origem das fortunas gastas…

    • Como se em Brasília todos fossem corruptos, ou como se todos os corruptos fossem de Brasília…
      Aff
      A maioria dos corruptos deste país só vem a Brasília de terça a quinta…

  2. EU A CONHECI MENINA. SEMPRE FOI LINDA, EDUCADA, GENTIL, AMOROSA COM OS PAIS E VICE-VERSA. DESEJO TUDO DE BOM AOS NOIVOS. QUE SEJAM MUITO FELIZES. MUITOS ABRAÇOS.

  3. Pessoas que casam assim, com esse luxo descartável, sabem que o salário mínimo vai baixar 10 reais para “salvar” o País? Eles são pagos com um salário que corresponde à dignidade de quem os paga, que é Povo Brasileiro, para administrar a vida de quem os paga?

    • E isso ai….Escandalo! O povo morrendo de fome…e a caipirada da “capital’ …..
      Bastilha esta chegando! Paid de melda.

  4. E eu, precisando apenas de uma quadra coberta para melhor atender aos meus alunos na Estrutural.

  5. Parece que alguns casamentos agora estão se tornando se tornando investimentos alta taxa de retorno…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *