No admirável mundo novo das células tronco, a ante sala do Pátio dos Milagres

Quando, há cinco anos, fiz a infiltração com células tronco, 2,5 milhões delas em cada um dos meus dois joelhos, causei grande curiosidade em todos os que me conhecem. E também em quem não me conhece.

Eu caminhava com dificuldade, sentar e levantar era um problema, subir qualquer degrau era escalar o Himalaia. Certo, eu havia sido diagnosticada com artrite reumatoide soronegativa, uma forma mais branda, que mesmo assim não me poupava das dores próprias da doença. Some-se a isso um grande desgaste nas cartilagens dos joelhos, cuja única alternativa (inicial) médica ortopédica seria trocá-los por próteses. Isso me horrorizou.

Até eu encontrar, em casa de José Paula Machado, o golfista dom Eudes de Orléans e Bragança. Ele comentou que estava se tratando com infiltração de células tronco no quadril e, graças a isso, voltava a praticar seu esporte. O tratamento era novíssimo, e ele afiançava os resultados. Fui atrás do médico. Chamava-se dr. Carlos Henrique Bittencourt, de quem logo me tornei amiga e passei a tratar por Carrique. Cientista, pesquisador dedicado, cirurgião de talento, convidado dos congressos em todo o admirável mundo novo das células tronco, super parceiro dos cientistas como ele e, além disso, casado com uma linda bailarina clássica, Carrique toca um violão ótimo e é daqueles que, quando chegam, fazem a festa começar.

Depois da infiltração das células tronco realizada por dr. Carrique, e de mais três outras sucessivas, espaçadas, passei a caminhar numa boa, sentar, levantar, subir e descer escadas. Virei gente. Claro que mantive a rotina da fisioterapia com levantamento de peso nas pernas (fundamental) e acertei no tratamento da artrite pelo dr. Roger Levy, outro craque.

Agora vem a novidade: meus joelhos acabam de ser abastecidos com mais 40 milhões de minhas células tronco, em cada um!

Essa fartura de células tronco se deve a uma nova técnica, em que o material (gordura) é coletado não mais da barriga, porém detrás da orelha, região bem mais generosa para a multiplicação de células, após a separação do sangue com uma centrifugação de 45 dias.

O material é retirado da nuca, corte minúsculo, na base dos cabelos, e depositado num recipiente, para a centrifugação

“Inteligentes”, as células tronco, quando são aplicadas numa região do corpo, migram para onde se fazem necessárias, onde há o que recompor naquele organismo. No caso de meus joelhos, quando elas são injetadas em seu interior, tratam logo de preencher as escassas cartilagem.

Através da Ressonância colorida, podemos conferir o sucesso do tratamento, com a renovação da cartilagem. Essas imagens amarelinhas são das cartilagens novas

Quando cheguei ao consultório do dr. Carrique, para fazer minha aplicação de células tronco, encontrei a sala de espera cheia. O príncipe dom Eudes, o jornalista Claudio Bojunga, uma juíza aposentada, entre outros que aguardavam a vez. Quando parti, o espaço continuava lotado, com uma troca de relatos impressionantes sobre o tratamento. Como se estivéssemos na ante sala do Pátio dos Milagres.

Depois da infiltração nos joelhos, feliz da vida, entre os médicos João Paulo Leite, capixaba radicado nos EUA, onde é celebrado como grande “cobra” no tratamento das células tronco, e Carlos Henrique Bittencourt

A enfermeira Tania dá bye-bye, até a próxima! É ela quem tira o sangue dos pacientes, que é misturado às células e processado no próprio consultório, durante meia hora

11 ideias sobre “No admirável mundo novo das células tronco, a ante sala do Pátio dos Milagres

  1. Enquanto Médicos Brasileiros, como este Dr.Carlos Henrique Bittencourt, que está entre os melhores do mundo, nos enchem de orgulho, outros, como Abdelmassih e SERGIO CORTES, matam o Brasil de vergonha e envergonham a classe! Obrigada por compartilhar sua incrível experiência! Vou repassar na minha página do FBK, para informar muita gente que pode estar precisando…

  2. Esse médico é fantástico, tanto como profissional de extrema competência como um ser humano gentil e generoso. Parabéns ao grande médico e felicidade à paciente que agora experimenta uma nova fase.

  3. Excelente matéria!!!!
    Obrigado pelos elogios
    Você é uma pessoa fantástica!!!
    Forte abraço e nos vemos em breve.
    Dr. João Paulo Bezerra Leite

  4. Muito gratificante ler esse tipo de relato, em meio a tantas notícias ruins envolvendo médicos, recentemente. Sou suspeito pra falar, pois sou um grande admirador desses colegas, Dr. Carlos Henrique e Dr. João Leite.
    Graças a eles, mudei completamente minha visão da medicina e meus esforços, atualmente, focam minha atuação na medicina regenerativa, com resultados fantásticos.
    Boa sorte no tratamento e parabéns, você está em excelentes mãos.

  5. Médico excepcional. Operei tornozelo e joelho com ele e voltei a andar por sua competência. Extremamente humano. Uma pessoa boníssima.

  6. Carrique sabe tudo de joelho e com excelente astral passa uma energia boa muito importante para quem chega até ele, quase sempre precisando recuperar a mobilidade e qualidade de vida.

  7. Que belos e úteis relatos.Parabéns a todos!; médicos , técnicos e pacientes.
    Sou portador de algumas complicações nos joelhos que, com o passar dos anos, certamente, vão se avolumando. Tenho feito, sob orientação médica , procedimentos fisioterápicos, fortalecimento muscular em academia e, em espaços de oito em oito meses, injeções locais de Ácido Ialorônico.Segundo os diagnósticos , o meu caso (Ainda) não é cirúrgico. Não obstante, quando em crise, as dores são intensas. Portanto, considerando-se esses relatos e o fato de que a Medicina Preventiva é a “bola da vez”, adoraria poder passar por tais procedimentos , objetivando mais qualidade de vida na idade mais madura. Agradeceria receber maior detalhamento a respeito e ,mais especificamente, sobre custos, ao que, desde já, agradeço.
    Sou Adelson Mandarino, 66 anos, morador do Rio de Janeiro.

  8. Querida Hilde, que bom que publicou essa matéria, que acho de utilidade pública. Também fui vitima desse problema, quando tive ruptura total do Tendão de Aquiles. Depois de peregrinar pelos consultórios “arrumadinhos” de todos os grandes figurões da ortopedia, fui pedir a benção do meu preferido, o queridíssimo Dr. Donato Dangelo, que, já aposentado, me falou que, se me submetesse, como recomendado por todos, à cirurgia clássica, demoraria de seis a nove meses para me recuperar. Porém, havia um médico com uma nova TENDÊNCIA de tratamento.
    E lá fui eu, com minha bengalinha, perna enfaixada, pulando feito um canguru…
    No meio do caminho, conversando com um grande amigo e GRANDE médico saudoso (Dr. Paulo Athayde Lopes), ele me falou de sua esposa, personal trainer, que estava prestes a fazer uma cirurgia dos joelhos, porém havia feito um procedimento revolucionário de células tronco. Quando ele me indicou o médico, era o mesmo mencionado pelo Dr. Donato! Não tive dúvidas: fui ao seu consultório, e lá fiquei, esperando… Quando entrei e vi todas as publicações espalhadas pelas mesas, cheias de relatórios a respeito, e vi aquele médico com pinta de cientista, meu coração se acalmou. Lá dentro da alma, senti: ‘encontrei a minha cura’.
    Mas, na medicina nada é simples. Conversamos e ele claramente falou (a verdade): “Se fizermos a cirurgia clássica, você vai levar mais de seis meses. Mas, se fizermos a cirurgia em Z, com aplicação do PRP e tendão artificial, daqui a três meses você vai voltar a jogar volley comigo na praia”.
    E assim foi. Esse iluminado Dr., amigo e botafoguense, faz parte da minha vida até hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *