Mais um pouco do Baile Devassa de ontem, com Ben Jor

Evoé! Os grandes bailes de Carnaval estão de volta!…

Desde sempre uma tradição carnavalesca em todo o Brasil, os grandes bailes de Carnaval ficaram durante os últimos anos esquecidos pelos foliões, como se fossem uma coisa demodée (só para usar uma gíria vintage). No Rio, eles já foram sucesso quando realizados nos grandes clubes da cidade. Havia bailes no Iate Clube, no Flamengo, no Fluminense, no Monte Líbano. Não sei porque eles entraram em recesso, já que no Carnaval de Recife, por exemplo, os bailes nos clubes são uma tradição até hoje. Ainda bem que os empresários Ricardo Amaral, Luiz Calainho e Alexandre Accioly tiveram o feeling de recriar os grandes bailes, com o apoio da cerveja Devassa. E o fizeram em grande estilo. Agora sendo realizados no revigorado armazém 4 do cais do porto, os bailes têm tudo para ser o grande assunto do Carnaval de 2011. E já são…

E vamos falar mais um pouco do Baile Devassa, ontem, no Armazém 4, com Jorge Ben Jor, com um décor inspirando um clima de mundo da fantasia, com muitas luzes e cores. São dois grandes salões, onde rola baile todo dia, sendo que um serve como um lounge, ambiente mais ameno, para relax, enquanto o outro serve para a ferveção mesmo. “Ai meus tempos de garota”, dizia uma bela quarentona, fantasiada de Frida Kahlo, quando a Grande Orquestra Devassa, na noite de ontem, tocou Mulata Bossa Nova. Foi linda a apresentação da orquestra dos grandes sucessos de todos os tempos, como O teu cabelo não nega, Sassaricando, Ala-la-ô, Camisa listrada, Taí e muitas outras. Mas comovente mesmo foi quando os músicos executaram Máscara negra. O salão lotado, cantando junto, as pessoas fantasiadas, a pegação rolando solta, um clima de felicidade no ar. A Grande Orquestra Devassa arrasou…

Os foliões eram uma mistura de cariocas e turistas interessados em brincar um carnaval com alegria, farra, loucura, mas também com certo conforto. Gente bonita ou então gente que se fazia bonita. Quem não estava fantasiado estava bem vestido. Uma noite de festa, alegria e glamour. Fato é que havia certo clima daquelas festas promovidas pelo Grande Gatsby

O salão, além de lindamente decorado, com um ar condicionado eficiente. E uma grande e refrescante varanda de frente para a Baía da Guanabara. Banheiros amplos e limpos a noite inteira e cerveja sempre gelada…

No lounge, um grupo de pagode e outro de chorinho se revezavam para alegria dos foliões. Até que às três da manhã chegou a bateria do Simpatia é Quase Amor e fez a galera cair no samba até o sol raiar…

Enquanto isso, no Salão Nobre, Jorge Ben Jor e sua irresistível Banda do Zé Pretinho chegavam para animar a festa. Todo mundo já sabe que qualquer show do Ben Jor é um baile de Carnaval por princípio. Só que desta vez o Carnaval de Ben Jor foi realizado no lugar certo, com gente fantasiada e um cenário que é pura magia. A música e a alegria de Ben Jor fecharam com chave de ouro o Baile Devassa, deixando a certeza de que os grandes bailes voltaram ao Carnaval do Rio com força total…

E os bailes do Copa? – vocês perguntarão. Ora, meus amores, estes são hors concours. Digamos que o Baile do Copa esteja para o carnaval do Rio como os saudosos Evandro de Castro Lima e Clóvis Bornay estiveram para os concursos de fantasia. Insuperáveis!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *