Desfile de Patrícia Viera rimou com Tragédia Brasileira

Foi uma tarde encantada. Para muitos jornalistas de moda, blogueiros de vários cantos do país, uma oportunidade de conhecer a nova coleção de Patrícia Viera e, ao mesmo tempo, um dos endereços elegantes da elite carioca a que muito poucos têm acesso. Pois vou contar a vocês uma história realmente “histórica” sobre esta penthouse diante do mar de Ipanema, onde Sérgio e Vera Andrade, leia-se Grupo Andrade Gutierrez, moraram e criaram seus filhos, e onde viveram o ex-presidente da República Juscelino Kubitscheck de Oliveira e dona Sarah, no apartamento emprestado pelo antigo proprietário, Sebastião Paes de Almeida, construtor do prédio inteiro, o único da Vieira Souto com projeto do arquiteto Oscar Niemeyer

Era a noite do dia 8 de junho de 1964, eu tinha 14 anos e minha irmã, 15. Já nos preparávamos para dormir, quando minha mãe fez a convocação: “Vistam-se, Juscelino foi cassado pelo golpe e nós vamos todas pra lá!”. O “lá” era o apartamento da Vieira Souto onde morava JK. A ida, assim, à noite, momentos depois do anúncio, pelo rádio, da cassação, era um ato de coragem, não só de minha mãe como de todos os correligionários de Juscelino, que se encaminharam para aquele prédio, em ondas e ondas, que não paravam de bater à porta a noite toda, numa vigília que se estendeu madrugada adentro, na melhor maneira mineira, com mesa posta, pessoas se servindo, bebidas, café, pão de queijo…

E eu me lembro de mim, curiosa, comovida e aflita, sentada em uma das cadeiras encostadas à parede da sala de jantar, assistindo silenciosa a toda aquela movimentação de correligionários, esbravejando, politicando, confabulando, especulando, adivinhando o futuro. Mineirada ingênua aquela, que ainda acreditava, em suas conversas em pé em volta da mesa, em “respeito aos valores democráticos”, “o povo não há de concordar”, “com Minas Gerais não se brinca”, “eles ultrapassaram todos os limites, isso agora é só uma questão de tempo”…

Uma questão de tempo… Passados 40 anos, sete meses e um dia, em 9 de janeiro de 2012, na data em que a inspirada Patrícia Viera exibiu sua moda de inverno, naquele mesmo emblemático endereço, aos olhos dos especialistas da imprensa que a divulga e dos formadores de opinião que a consagra, o que hoje pensam sobre aquela tragédia brasileira aqueles que a assistiram da mesma forma como se testemunhassem um desfile de moda? Pois, sim, houve quem a assistisse dessa forma…

plateia PV1 Desfile de Patrícia Viera rimou com Tragédia Brasileira

plateia pv 21 Desfile de Patrícia Viera rimou com Tragédia Brasileira

Fotos de José Ronaldo Müller e Sebastião Marinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *