CARAVANA DA UTOPIA REVELA: AINDA HÁ BRASILEIROS NO EXÍLIO DA DITADURA DE 64!

Como antecipei aqui, por algumas horas ontem, o Armazém da Utopia, sede do Festival de Cinema do Rio, se transformou no Ministério da Justiça do Brasil, como é de praxe durante as cerimônias públicas da Caravana da Anisita, em são apreciados e julgados os pedidos de anistia e pedidas desculpas às vítimas da ditadura…

No grande galpão do Cais do Porto, durante a 62ª edição da Caravana da Anistia, estiveram em pauta os casos de Daniel Carvalho de Souza, Maria Cristina da Costa Lyra e Maria Célia de Melo Lundberg, num evento que antecedeu à apresentação do documentário “Eu me lembro”,  de Luiz Fernando Lobo, que acompanha todas as sessões da caravana, nas mais diversas regiões do país, sempre lideradas por Paulo Abrão, representante do governo brasileiro na Comissão de Anistia….

O caso que levou todo mundo às lághrimas provocando comoção generalizada foi o de Maria Célia. Ela contou: “Quando eu tinha 17 anos, precisei entrar na clandestinidade porque meu primeiro marido era crítico ferrenho do governo militar. Foi um período muito doloroso da minha vida”. Uma das anistiadas na sessão, Maria Célia era professora em Belo Horizonte e foi presa em 1971, junto com o irmão, Hervê, militante da Aliança Nacional Libertadora. Torturada e violentada sexualmente, foi para o exílio na Suécia e jamais voltou ao Brasil, até aquela sessão de ontem da Comissão de Anistia

“De muitas formas, tenho me realizado na Suécia. Embora tenha sido um caminho de muita luta, constante e dura. No entanto, sinto que não pude fechar o capítulo da tortura e da repressão. Aqui retorno, porque quero e espero encerrar esse capítulo doloroso para mim e para a minha família, que também sofreu pelo que aconteceu comigo”, ela disse…

Sim, queridos,  mesmo depois de tanto tempo de o Estado Democrático de Direito ser restaurado no Brasil, ainda há brasileiros exilados políticos, como Maria Célia. Foi o que contou o presidente da comissão, Paulo Abrão: “As pessoas não acreditam que ainda existam exilados fora do Brasil. Mas há pessoas que não voltaram em razão do medo ou da ausência de confiança suficiente em nossas instituições da democracia de hoje, para poderem retornar com segurança. No fundo é isso que nós procuramos fazer, resgatar a segurança pública e cívica dos cidadãos no Estado brasileiro”…

No dia de ontem, a Caravana da Anistia foi a Caravana da Utopia. Muito emocionante…

Fotos de André Henrique

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *