Acabou-se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

Encerrou-se uma era. E nós aqui no Brasil nunca mais poderemos chamar de “marajás” os que vivem na farra do dinheiro público. É que esse “espécimen” se extinguiu, com a morte, na semana passada, aos 79 anos, do brigadier Sawi Bhawani Singh, que foi o último marajá de Jaipur. Seu pai, Sawai Man “Jai” Singh II, e sua madrasta, a maharani Gayatri Devi, conhecida pelos amigos como “Ayesha”, levavam uma vida de extrema riqueza, grande luxo e fausto imenso. Os de boa memória hão de se lembrar da famosa foto dela, em 1961, com o duque de Edinburgo, em cima de um elefante, depois de matarem um tigre. Nos dias de hoje, isso seria impossível e politicamente incorreto!…

maraja 1 Acabou se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

O último marajá de Jaipur, Sawi Bhawani Singh

A maharani dormia em uma cama toda esculpida em marfin, com um tapete imenso feito de 14 peles de leopardo. O casamento dela com o marajá, em 1940, foi descrito como o mais caro do mundo pelo “Guinness Book dos recordes”! Ela morreu em 2009, aos 90 anos. Na época da revolução na Índia, ela foi presa política por muitos meses, pela primeira ministra Indira Gandhi

marajá2 Acabou se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

Sawai Man Singh II, o marajá de Jaipur, e sua rainha, a maharani Ayesha, em 1944

Quando Sawi Bhawani Singh nasceu, a quantidade de champagne consumido para brindar foi tanta que sua babá inglesa o apelidou de “Bubbles” (Borbulhas). O apelido ficou pra sempre. Ele se tornou Bhawani Singh, o 39º marajá Kachwaha, do clã dos Rajputs, e marajá de Jaipur, quando seu pai, Sawai Man “Jai” Singh II, morreu durante um jogo de pólo em Cirencester, em 1970. Aí começou o fim de uma era de marajás e suas valiosas conexões com o poder político…

maraja 3 Acabou se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

O marajá de Jaipur vivia com opulência e era tratado como rei

“Bubbles” Jaipur foi inteligente o bastante pra tornar sua herança de muitos palácios em um grande império financeiro, que ele preservou, aumentando a riqueza da família. No ano seguinte à morte do pai, todos os seus privilégios e a fortuna que lhes foram garantidos quando eles se renderam à Independência, foram abolidos pela primeira ministra Indira Gandhi, através de uma emenda constitucional…

Em 1958, Jai Singh foi o primeiro dos príncipes no Rajasthan a transformar sua principal residência, o Palácio Rambagh, em um luxuoso hotel cinco estrelas. Em 72, o prédio foi alugado para a Indian Hospitality Company, o famoso Taj Group. Depois, vários outros palácios da familia também se transformaram em hoteis cinco estrelas. Em consequência disso, Sawai Bhawani Singh, que tinha entre seus amigos Bill Clinton e Mick Jagger, passou a ser um dos mais ricos marajás da Índia!…

maraja 2 Acabou se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

O Palácio Rambagh se tornou um hotel cinco estrelas

maraja 4 Acabou se a era dos marajás (mas isso não foi no Brasil)!

Um dos quartos do Hotel-Palácio Rambagh

Em 1966 ele se casou com a princesa Padmini Devi of Sirmour, a filha de um amigo de seu pai, o jogador de polo Rajendra Singh. Entretanto, em parte pelo resultado de seu apoio ao Congresso, as relações com sua madrasta e os meio irmãos esfriaram por muitos anos e houve muitas brigas judiciais pela herança do patriarca…

Em Jaipur, o marajá continuou se comportando muito ao velho estilo dos príncipes indianos, com a mesma opulência. Muitos camponeses em Rajasthan continuaram a tratá-lo como um rei. Como seu pai, ele era um grande jogador de pólo, até que problemas cardíacos encerraram sua carreira no esporte – ele era inclusive presidente do Rajasthan Polo Club – e, depois de pendurar os tacos, ele serviu como Indian High Commissioner do Brunei, de 1994 a 1997…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *