UM SÉCULO DE JORNALISMO NA BAHIA, UM SÉCULO DOS SIMÕES ESCREVENDO A HISTÓRIA

São 100 anos de jornalismo na Bahia, a boa terra, desde a fundação do jornal A Tarde, por um jornalista de espírito empreendedor e sagaz, Ernesto Simões Filho. Além disso, bom empresário e um homem com a política a lhe palpitar nas veias. Fosse de outra forma, A Tarde não teria, ao longo dessa sua trajetória de um século, praticamente confundido a sua História com a própria História da Bahia e também a do Brasil. O jornal desdobrou-se e multiplicou-se em grupo poderoso de comunicação, influente, opinativo, de credibilidade e respeitado nessas dez décadas.

Simões fez sucessores. Passou o leme d’A Tarde para seus herdeiros, e hoje é um deles, seu neto Ranulfo Simões Bocayuva Cunha, filho de Vera Simões Bainville e Baby Bocayuva Cunha, quem coordena o lançamento da obra Um século de jornalismo na Bahia, livro comemorativo, capa dura, bela obra, com edição também coordenada por ele, e que terá lançamento carioca no dia 20, na Livraria da Travessa de Ipanema.

Diz Ranulfo: “Esse livro narra a história da Bahia, do Brasil e do mundo, com base no olhar jornalístico, e também revela traços marcantes da personalidade inquieta e perspicaz do fundador do jornal, o jornalista, político e empresário Ernesto Simões Filho”.

Os textos são de autoria dos escritores Carlos Ribeiro e Edivaldo Boaventura. Já a pesquisa foi coordenada por Maurício Villela e Talyta Almeida, em conjunto com a equipe do Centro de Documentação (Cedoc/A Tarde).

Valéria Pergentino e Enéas Guerra, ambos da Solisluna Editora, foram responsáveis pela edição de conteúdo e de arte da obra.

Com produção executiva de André Brasileiro, Um século de jornalismo na Bahia é uma viagem fascinante pela história, com a objetividade que só o olhar jornalístico proporciona.

Ele conta a visita à Bahia, em 1913, do então presidente norte-americano Theodore Roosevelt; relata o tremor de terra em Amaralina, Calçada e Santo Amaro; a Guerra dos Bálcãs; a revolução mexicana; a construção do Canal do Panamá; a revolução russa e os feitos de Santos Dumont em Paris

No dia 20, o chamado geral da baianidade em terras de São Sebastião terá destino certo: Ipanema, na mais charmosa entre todas as livrarias da Travessa

E que a nossa “Miss Ciclovia”, Verinha Simões Bocayuva Cunha, outra neta de Ernesto Simões Filho, há de estacionar sua bicicleta na porta da livraria, isso são favas contadas, naturalmente…

Scan0003

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *