Revelações na Corte Imperial

Um senhor de 81 anos acaba de lançar um livro explosivo sobre a Família Imperial Brasileira, que está deixando os descendentes do imperador dom Pedro I em pé de guerra. O livro em questão é A intriga, da Editora Senac, ilustrado, 383 páginas, e o autor, dom Carlos Tasso de Saxe Coburgo Bragança, do segundo ramo, os Saxe Coburgo Bragança, descendentes da segunda filha do imperador dom Pedro II, a princesa dona Leopoldina, duquesa de Saxe Coburgo e Gotha

Aliás, o livro trata de um “assunto de estado” para o Brasil-Imperial da época: o casamento das filhas do imperador dom Pedro II e da imperatriz dona Teresa Cristina, as jovens princesas dona Isabel e dona Leopoldina. Para isso, vieram da Europa dois jovens lindos príncipes e primos: o conde D’Eu e o duque de Saxe. O duque de Saxe estava destinado à mais velha, a princesa-herdeira Isabel, e o conde D’Eu, para a mais nova, princesa dona Leopoldina

Mas tudo se deu de forma contrária ao estabelecido. É aí que entram as novidades do livro de dom Carlos, segundo o qual as maquinações da destronada Família Orléans, exilada na Inglaterra depois da queda da monarquia em 1848 na França, aliada à toda poderosa condessa de Barral, influenciaram o imperador dom Pedro II a favorecer o Orléan conde D’Eu, naquele momento falido. Ele teria trazido da Europa a missão de se casar com a herdeira, mesmo passando por cima do primo duque…

Os estudos dos casamentos das princesas nunca mereceram um estudo profundo dos historiadores brasileiros, mas dom Carlos se dedicou aos mesmos durante 30 anos, percorrendo os arquivos europeus, inclusive os da prima, rainha Elizabeth II, que permitiu a consulta aos álbuns da rainha Vitória, que revelaram um imperador dom Pedro II com charuto nas mãos…

Mas quem forneceu a dinamite foi o primo príncipe dom Pedro Carlos de Bourbon de Orléans e Bragança, que forneceu acesso total aos arquivos do Palácio Grão Pará, que ficam custodiados pelo Museu Imperial de Petrópolis

Aliás, em matéria de casamentos, o do próprio dom Carlos deu o que falar, pois ele se casou com uma arquiduquesa da Áustria, Walburga de Habsburgo, que na época dizia-se ter sido a paixão do seu outro primo, príncipe dom Luiz de Orléans e Bragança, atual Chefe da Casa Imperial do Brasil. Mas isso não passa de uma intriga de corte, onde nem mais corte há, por isso não tem qualquer relevância histórica, muito menos jornalística. Faço o registro aqui, apenas para colocar em realce o fato de a arquiduquesa ser uma mulher atraente e sedutora capaz de despertar interesse em homens de alta classe, fino gosto e grande estirpe…

Quanto aos outros relatos acima, as afirmações mais detalhadas são dadas em seu livro A intriga, por dom Carlos, que nada parece se preocupar com os embaraços internos familiares que seu livro possa causar junto à Família Imperial Brasileira, pintando um retrato nada favorável do Orléan Conde D’Eu…

Dom Carlos Revelações na Corte Imperial

Dom Carlos e sua mulher, que ainda guarda os belos traços da juventude, a atraente arquiduquesa da Áustria, Walburga de Habsburgo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *