Presidente do BNDES é lançado à presidência da República em jantar no Rio de Janeiro

Aconteceu quarta-feira um jantar em sociedade no Rio de Janeiro, 20 pessoas. Estava lá o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, que pela manhã havia sido aclamado por dois mil empresários, no Encontro Nacional de Comércio Exterior no Centro de Convenções Sul América, e Michel Temer foi vaiado pelos mesmos dois mil empresários.

À sobremesa do jantar, houve vários discursos, inclusive do próprio Paulo Rabello de Castro, depois de seu nome ser lançado à Presidência da República. Confirmando, Paulo falou de nossas altas reservas internacionais de US$ 380 bilhões e 863 milhões, que são “imexíveis” para despesas de custeio…, “a não ser que… eu seja o presidente do Brasil”.

À mesa, seis grandes empresários, que estão penando nesta era pós-impeachment. Vibraram. O discurso de Rabello fala em inclusão social, já que em sua gestão no BNDES ele está priorizando a distribuição dos títulos de propriedade nas comunidades do Rio de Janeiro. O que causou forte reação positiva na representação feminina, como Gisella Amaral, Eliana Moura e Maria Célia Moraes, que tanto se preocupam com o bem estar dos desfavorecidos.

O partido do candidato Paulo Rabello de Castro é o PSC, do pastor Everaldo, que não se identifica mais com Jair Bolsonaro. Esse estranhamento data do ataque de raiva de Bolsonaro, naquele debate da TV ano passado, quando não permitiu que Jandira Feghali, médica, atendesse seu filho, Flávio, que desmaiou no estúdio. O destempero do militar teria causado grande mal estar no partido cristão.

Rabello, com perfil de gestor, sem ser fundamentalista de mercado, um desenvolvimentista, bom de diálogo com a classe empresarial e com sensibilidade social, por sua postura e por tudo que disse, causou ótima impressão nos presentes, recebendo sua segunda ovação do dia (no bom sentido, hein, gente). Seria um novo José Alencar? Os dois eram amigos. As famílias são da mesma mineira Caratinga. Comigo, conversou sobre José, sua admiração, o empenho na redução dos juros, na transposição do São Francisco.

Um dos comensais, entusiasmado, comentou em voz alta: “Ele poderá ser o nosso Macron”. “Isso, naturalmente, se não houver um Lula no meio do caminho”, lembrou outro… Eu cá, pensei com meus botões (ih, minha roupa não tinha botões!): “se houver um Lula no caminho, Paulo Rabello de Castro é o José Alencar que ele tem pedido a Deus”.

Ah, o jantar foi para Lenise Figueiredo e o novo marido, Catito Perez, que governa a noite carioca (Hippopotamus, Bar Lagoa, Fiorentina), e quer também governar o Rio. Foi outra candidatura lançada e aplaudida à sobremesa. A campanha de Catito prospera no Facebook a cada dia, crescendo como uma bola de neve, com milhares de entusiasmadas adesões espontâneas. Por sinal, é o único candidato ao governo do Rio de que se tem notícia até agora, e vários partidos já se interessaram em chancelar seu nome. Catito reflete.

Afinal, Perez não é mais um solteiro, que age ao primeiro impulso, sem ter satisfações a dar. Catito é, há alguns dias, um homem casado. O civil foi discretamente, em sua Fazenda Guaritá, familiares e alguns amigos. O religioso, na capela ao pé do Cristo Redentor, em noite de forte ventania. Ricardo Amaral, presente com Gisella, lamentou à mesa não ter levado uma filmadora para registrar aquela manifestação impetuosa da natureza, durante a bênção católica. Bons augúrios.

Lenise e Catito se conheceram exatamente há 12 anos, num 30 de agosto, em Juiz de Fora, onde ele era O publisher importante da cidade e ela revia a família, durante as férias de seu trabalho como correspondente da Rede Globo em Roma. Catito ficou hipnotizado pelos olhos dela. Azuis. O romance de fato tem oito anos. Entre idas e vindas, Brasil-Itália, onde ela ainda vive. Um amor que resistiu até à distância.

Depois dos discursos vários, enaltecendo Lenise, ela se levantou e agradeceu, citando poesia de Fernando Pessoa. Falou breve, falou bonito como ela própria.

E a noite não acabou por aí… Houve o expresso na varanda, os licores, a Adega Velha há anos esperando ocasião especial, a conversa comprida e agradável que a gente não queria interromper nem sob a pressão do relógio e das responsabilidades do dia seguinte. Estar com bons amigos dá nisso.

Eliana Moura e Ricardo Amaral

Myrian Dauelsberg, Mônica Faria, Lenise Figueiredo Maria Célia Morais, Mariza Coser

Maria Teresa Jardim de Moraes e Douglas Fasolato

Lenise Figueiredo e Gisella Amaral

Djalma Moraes, Walter Morais, Ricardo Faria

Ricardo Faria, Rafael Fragoso Pires, Djalma Moraes

Guiga Corrêa Lopes, o pianista boulanger, autor das broas mais disputadas pelas minhas amigas

Márcia Müller assina o livro de presenças

Douglas Fasolato, Myrian Dauelsberg, Jair Coser, Paulo Rabello de Castro, Catito Perez

Catito Perez e Paulo Rabello de Castro

Catito Perez, Hilde Angel e Paulo Rabello de Castro

Mônica Faria e Mariza Coser

Douglas Fasolato e Maria Célia Morais

Lenise Figueiredo e Francis Bogossian

Jair Coser faz seu discurso saudando os candidatos… e tudo terminou em brindes. C’est la fête!

Fotos de Mr. A.

 

2 ideias sobre “Presidente do BNDES é lançado à presidência da República em jantar no Rio de Janeiro

  1. Quem bom! Agora já teremos uma linda primeira dama oficial, do FUTURO Governo do Rio de Janeiro! Sr.e Sra. Omar Resende Peres! Ficou lindo! Parabéns ao novo casal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *