Paris para os não turistas

Como vocês sabem, tenho amigas e amigos maravilhosos e cultos que me ajudam muito a manter vocês todos atualizados. Uma delas é Myrian Dauelsberg, da Dell’Arte, que desembarcou da França com a bagagem cheia de dicas bacanas para quem lê este blog e pretende ir para a Europa. Ela conta que, apesar da crise financeira, os restaurantes em Paris estão abarrotados de gente (e de cachorros, quando é permitido levar), e, para freqüentar os melhores, só fazendo reservas com bastante antecedência. Uma curiosidade: nunca se viu tantos leilões acontecendo…

Nos leilões, Myrian notou que os preços das obras de artes dispararam e peças são vendidas bem acima do valor avaliado. A Artcurial, por exemplo, vem batendo recordes desde 2009. O quadro mais caro, o Porto de Swinemünde, pintado em 1915 por Lyonel Feininger, saiu por 5,7 milhões de euros. E foi uma luta acirrada por ele, do início ao fim, entre vários colecionadores. Um norte-americano levou a melhor. E, olhem que o quadro tinha preço inicial avaliado entre 1,5 e 2 milhões de euros…

A Artcurial é uma galeria e um meeting point da sofisticação, sobretudo da elite da moda e de milionários. Afinal, é ali que se realizam leilões importantíssimos. A galeria fica no Hotel Marcel Dassault, hoje o lugar mais requintado em Paris. Atualmente, apresenta a exposição Interieurs 2011 – Lart de Vivre avec l’art, com os 12 grandes decoradores e arquitetos do interior da França…

Outro local frequentado pela intelectualidade e fashinistas locais é o novíssimo Hotel Maison des Champs Elysées (rue Jean Goujon 8). Modelos, numa predominância de africanos, usando aventais cinzas sobre preto, servem os clientes. Todos lindos! Tudo dentro do restaurante é de grande originalidade…

Os móveis são “vestidos” com tecidos branco e cinza. Moderníssimos designs, misturados com escadas renascentistas e lustres riquíssimos de Baccarat. Os tapetes claros reproduzem em cinza as linhas das “marqueteries” dos tetos e usam e abusam de “Trompe l’oeils”. Uma verdadeira mistura de elementos rococós e renascentistas, com o design mais moderno. Para ir, é necessário reservar e ainda sob recomendação…

Foi nesse restaurant que Dauelsberg jantou com Didier Gomes, arquiteto que está expondo no Artcurial, e Jean Pierre Baux, directeur d’images de chez Dior e um dos promoters da festa que a Vogue promoveu. Não é o Paris turístico, definitivamente! E é justamente esse Paris que nós, quando viajamos, adoramos frequentar, não é verdade?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *