Onde estão os “bonis” do século 21 que não controlam o excesso de botox nas novelas?

Socorro, urgente! Emergência máxima! O excesso de botox e o artificialismo estético estão matando as fisionomias dos atores brasileiros! Sobretudo das atrizes. Acabei de assistir a mais um capítulo de Fina estampa e tive quase vontade de chorar ao ver essa atriz maravilhosa, densa, de forte carga dramática, que é a Renata Sorrah, esticada como uma folha de papel em branco passada a ferro, sem passado, sem digitais de vida impressas no rosto, sem resquícios de emoções nem de sofrimento. Como se fosse um andróide. Cadê aquela atriz intensa, de desempenhos notáveis, digna de um elenco de Almodóvar? Ficou perdida na seringa de botox de algum consultório de dermatologista…

E a impagável Arlete Sales? Comediante deliciosa, de arrancar nossas tripas com as risadas provocadas pela sua capacidade única de ser espontânea, solta, desabrida, seja na TV, seja no palco. Virou uma boneca da Estrela!…

Sem esquecer os atores homens, em papeis ditos masculinos, escondidos atrás de biombos de pancake e delineador, como se homem andar maquiado pela rua e batendo pestana fosse usual no nosso dia a dia. Nada contra, quando se trata de um personagem homossexual ou metrossexual, claro…

E os branqueamentos dentários? O que é isso? Atrizes parecem que escovam diariamente os dentes com ácido. Hoje, nos clôses do diálogo da Fernanda Vasconcellos com sua mãe na novela A vida da gente, a ótima Ana Beatriz Nogueira, era um disparate o contraste dentário. Enquanto os dentes de Ana Beatriz apresentavam uma tonalidade normal, os dentes de Fernanda eram de um branco azulejo de banheiro, tipo anúncio de “Omo lava mais branco”. Artificialismo total…

Onde estão os “bonis” do século 21, que não reparam, não apitam, não controlam, não criticam e não disparam suas observações estéticas aos diferentes núcleos de produção da rede, antes que os atores das novelas fiquem tão artificiais que, um belo dia, a casa conclua que não fará a menor diferença e, ao contrário, ficará bem mais econômico substituí-los por artistas digitais, sem marcas no rosto, sem envelhecimento, com dentes branco total, pestanudos e bem menos patéticos?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *