O casamento de ontem de Dadado e Cecília

A vida deu a Carlos Eduardo Veiga, o Dadado, e a Cecília D´Orey a oportunidade de se unirem na igreja, depois de quatro filhos e 30 anos de casados. E tanto a cerimônia quanto a festa de ontem foram de uma elegância suntuosa simplesmente maravilhosa e perfeita…

A igrejinha de Araras toda rearrumada e pintada, onde a mãe de Cecília, Nená Dorey, entrou sob forte emoção e exibindo algumas poucas lágrimas, onde Dadado entrou com sua linda filha Isabela (de seu casamento com Lucila Lins) e, finalmente, onde Luiz D´Orey, levando Cecília pelo braço, deu uma engasgada forte a caminho do altar, se recompôs, engatou uma segunda marcha e seguiu firme em frente. No altar, ao contrário do habitual, havia apenas uma família, e justamente Isabela demonstrava ser a mais feliz…

Da cerimônia, todos caminharam poucos metros pela estradinha, passaram pelos jardins, riacho e lago com cisnes e patos do sítio, até a chegada a uma casa-toldo magistral com um pé direito de sabe-se lá quantos metros de altura, “vestidos” pelo nosso Antonio Neves da Rocha. A chef Laura Pederneiras, impecável, com o seu maitre Pereira sempre atento às preferências de cada convidado. Mas, também, os 700 amigos, todos conhecidos, eram tudo uma turma só: a grande e tradicional família da alta sociedade carioca…

veiga O casamento de ontem de Dadado e Cecília

Luiz e Nená Dorey, Cecília e Dadado Veiga

Poucas vezes uma festa do Rio reuniu tantas mulheres lindas. Das gatinhas amigas de Mariana, filha de Dadado e Cecília, às amigas da geração de Bebel Veiga Malzoni, irmã de Dadado, às coroas enxutas à la Sandra Haegler, e não posso deixar de lembrar minha tão querida amiga Liza Veiga, mãe de Dadado, que foi uma das mulheres mais espetacularmente lindas de sua geração e que, infelizmente, não está mais entre nós para viver esse momento de felicidade plena de sua família…

Para onde se olhasse viam-se mulheres lindas e, sobretudo, elegantes, com uma boa ajudazinha do frio para isso…

Som perfeito e muita dança com direito a show de Latino no final…

Mylene Peltier era a única com um fascinator, aquele chapeuzinho tipo sputnik tão usado no casamento da duquesa de Cambridge e, agora, no da princesa de Mônaco. Chico Peltier, preocupado, não sabia se tem hora para tirar esse tipo de chapéu. Mas sossega, querido, não tem hora não. Mylene acertou por mantê-lo até o final…

Mylene O casamento de ontem de Dadado e Cecília

Mylene Peltier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *