Noite do Palácio Guanabara até príncipe teve

Era uma vez uma época em que os homens presenteavam a mulher amada com palácios. Assim fez, no Rio de Janeiro, o Conde D’Eu com nossa Princesa Isabel, adquirindo e entregando a ela, embrulhado para presente, na cor ocre, o então Palácio Isabel, hoje Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, construído em 1853 pelo português José Machado Coelho, que viveu nele poucos anos, até 1860. Seu acesso então se dava pela Rua Paissandu, daí a belíssima aléia de palmeiras imperiais plantada na ocasião e que até hoje dá nobreza àquela rua…

Em 1889, com a Proclamação da República, o palácio foi confiscado aos príncipes pelos militares, patrimônio que a Família Imperial até hoje tenta recuperar, num dos mais antigos processos que ainda tramita em nosso Judiciário. Por isso, era significativa a presença do príncipe e advogado ilustre, dom Alberto de Orléans e Bragança, entre os convidados da recepção de ontem, em que o governador Sérgio Cabral reabriu o Palácio Guanabara depois de um minucioso restauro daquele patrimônio histórico, em que se devolveu ao prédio, inclusive, a tonalidade da cor original. Quem sabe dom Alberto ainda ganha essa parada para a sua família e o governo brasileiro lhes paga a merecida indenização?…

Uma solenidade pra ninguém botar defeito. Banda da Polícia Militar, hasteamento de Bandeiras, descerramento de placa, só faltou mesmo salva de canhão. Depois, no Jardim de Inverno do palácio, os discursos de praxe. O secretário chefe da Casa Civil, Régis Fichtner, fez um balanço das realizações do Governo, falando de seu orgulho por participar dele. O vice-governador Pezão seguiu no mesmo tom e, quando o governador já fazia o seu speech entusiasmado, chegou o prefeito Eduardo Paes, ao fim da solenidade, mas ainda a tempo de receber elogios do orador, que, simpático, chamou-o ao palco para ser cumprimentado…

Os secretários presentes em sua quase totalidade. Quase porque faltava a estrela do secretariado, José Mariano Beltrame, da Segurança Pública, que o governador fez questão de explicar que se encontrava em missão. Foi sentida a ausência da primeira-dama, Adriana Ancelmo. Consultada por este blog a respeito, a assessoria de comunicação do Palácio não soube dar maiores informações…

Embratel, Light, Ambev, Ceg… o governador agradeceu principalmente às empresas patrocinadoras, que possibilitaram a realização das obras de restauro. Também elogiou a Concremat, representada por Mauro Viegas Filho, que executou os trabalhos…

Durante as conversas, o governador contava orgulhoso que o então presidente Lula visitou o Palácio, ainda em obras, e gostou muito da reforma do prédio anexo, onde funcionam as secretarias e a vice-governadoria…

O coquetel, regado a Chandon, foi a última missão oficial do cônsul-geral de Portugal, António Almeida Lima, que está deixando a cidade. Ao partirem, todos os convidados ganhavam um mini bolo com a imagem do Palácio Guanabara confeitada no topo…

Palacio Guanabara1 Noite do Palácio Guanabara até príncipe teve

Fotos de Sebastião Marinho, Carlos Magno e Marino de Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *