Na defesa do Cristo da Notre Dame de Paris

Andréa Tupinambá, faz a defesa da imagem, aqui criticada pelo escultor Edgar Duvivier, do Cristo Redentor da Notre Dame de Paris, cujo processo de construção acompanhou de perto, já que foi a empresa de seu marido, Pedro Tupinambá, a responsável pelo transporte da peça até lá:

“A imagem do Cristo, colocada na porta da Cathedral de Notre Dame, em Paris, foi uma encomenda da Arquidiocese do Rio de Janeiro para divulgar o evento Jornada Mundial da Juventude, que será no Rio ano que vem. Não se trata de réplica da imagem original, mas apenas uma estátua de divulgação. A entrega foi em cerimônia, dia 29 de agosto, em Paris, à Arquidiocese da França, que, gentilmente, escolheu aCathedral de Notre Dame para que o Cristo Redentor lá ficasse exposto por três meses.

Trata-se de uma contribuição voluntária de um artista plástico da Escola de Samba Beija-Flor e a peça nem poderia ser feita com o mesmo material da original, pois seria inviável transportá-la. Não se trata, absolutamente, de uma exposição da réplica de uma obra artística, mas da divulgação de um Movimento”.

Andréa colocou muito bem seu pensamento, porém, com toda a boa vontade daArquidiocese da França, segundo observou Duvivier não há qualquer informação junto à estátua justificando sua presença ali como divulgação da dita Jornada Católica no Rio, o que gera todo esse mal entendido…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *