Minha homenagem final a Marisa Letícia… em céu estrelado pintadinho de balão

Meu jeito de despedir de Marisa Letícia Lula da Silva será este: a republicação de uma coluna minha do jornal O Globo de 16 de junho de 2004, quando os Lula montaram seu primeiro arraial na Granja do Torto, festejando o São João, e a imprensa caiu em cima, com todo o tipo de deboche e desfeita. Como se as Festas Juninas fossem costume de algum país alienígena, completamente avesso à realidade brasileira!…

Eu, em cujo meu coração palpita um céu estrelado pintadinho de balão, reagi com a ardência de uma fogueira flamejante e taquei nos coleguinhas dos punhos das rendas meu chicotinho queimado. De quebra, vou vestir minha saia franzida de chita, em pleno feverê, e dar um caracol geral, para dizer sobre a dança da quadrilha junina que, pra quem desconhece, também sabe falar francês. É quando ela arremeda o aristocrático minueto, e a ‘palavra de ordem’ para os casais irem pra frente é Alavantú (en avant tous), pra irem pra trás, é Anarriê (en arrière), pra trocarem de par, é Changê (changer/changez), pra se cumprimentarem frente a frente, é Cumprimento ‘vis-à-vis’  e, pra repetirem o passo anterior, é Otrefoá (autre fois).

Mas é em sua parte bem brasileira que a dança da quadrilha fica divertida, quando os casais chegam à festança do casamento e os corações se enchem da euforia colorida e festiva de São João.

Assim, espero, seja a chegada de Marisa Letícia, a Marisa dos Casa, ao Reino dos Céus. Santo Antônio, de quem ela é devota desde criança, não pintado no estandarte, que Lula tantas vezes carregou em procissões, mas no comitê receptivo do Firmamento, todo enfeitado com balõezinhos e bandeirolas, ao som dos anjos formando uma banda de forró, tocando sanfoninhas, Luiz Gonzaga, o pai, no acordeon, e o filho, Gonzaguinha, no vocal.  Que recepção!

Bem-vinda seja à casa do Papai do Céu, Marisa!

………………………………………………………………………………………………………………………………

Na hora da partida, a honra lavada:

Fonte de consulta:

http://mary-xanxere.blogspot.com.br/2015/06/glossario-da-quadrilha_24.html

7 ideias sobre “Minha homenagem final a Marisa Letícia… em céu estrelado pintadinho de balão

  1. Estava esperando você dar este adeus digno à D. Marisa. O bombardeio continua nas redes. Não tendo mais o que atacar, agora apelam para a “amante do Lula”! E quando postei as “amantes” dos outros Presidentes (JK,Jango, FHC, João Figueiredo etc…) caíram “matando” em cima de mim. Os mesmos “arautos” da moral e dos bons costumes! Não suportam a minha memória, que, como diz um amigo, “chega a ser insuportável”! E eu, lá na minha página, junto com mulheres\homens de valor, como o Catito Peres, pra defender o Lula nesta hora difícil, enquanto os Lobos, ao invés de se preocuparem com a nomeação do Moreira Franco, por ex, estão como urubus na carniça, ainda grudados no funeral da D. Marisa, calúnias mil, ofensas a uma morta! E isto, Hilde, de pessoas de “bem”, religiosas, que tomam a benção ao padre na Missa de domingo. Senhores dignos, bem nascidos, que escrevem cada coisa de arrepiar… Você sempre ME REPRESENTA! E fala tudo que eu gostaria de dizer e não sei como! Obrigada mais uma vez por mais um brilhante texto…

  2. Prezada Hildegard,
    nesses tempos de tanta insensatez e injustiças, ler seu texto nos conforta e nos faz acreditar na verdadeira nobreza do ser humano… Sempre admirei suas belas palavras, sua elegância e toda a sua história de vida… E como filho mais novo de Prestes (in memoria) e Therezinha mando por eles meus votos de amor e de paz para você e para o Francis com muito carinho!

  3. Prezada Hildegard é lamentavel a mentalidade tacanha tanto por parte de certa elite quanto da classe média. Lembro que na posse de Lula em 2003, li em certa revista “socialites” falando sobre Dona Marisa, como se alguma dessas soubessem algo sobre a vida dificil que Marisa Leticia teve. “Ela tem as mãos estragadas”, diz uma delas. Fechei a revista e dali por diante praticamente supremi a leitura desse tipo de jornalismo. O que fica hoje é uma imensa tristeza pela indigência com que levaram o brasileiro a acreditar em tanta ignominia e tornar-se agressivo, pouco reflexivo e cada vez mais individualista.

  4. Grande perda. O linchamento na mídia foi demais para ela. Injustiça e mãgoa também matam.

  5. When fascism comes to America, it will be flying the flag and carrying a cross”

    Attribute d to Sinclair Lewis, 1936.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *