JORGE SALOMÃO: SÍMBOLO DA TRANSGRESSÃO CELEBRITY-CULT

O carnaval não acabou para nosso elétrico poeta Jorge Salomão. De tamborim na mão, ele embarca na sexta-feira para o Rio Grande do Sul  onde abre o Bloco Maria do Bairro, que vai ilustrar, ao vivo, a cores e em movimento, um debate sobre Cultura Brasileira, na Faculdade de Arquitetura, abrindo um desfile carnavalesco no sábado, 23, que segue noite adentro.

O Maria do Bairro, da Rua Sofia Veloso, é um trio elétrico que deverá mobilizar 20 mil pessoas na Cidade Baixa.

Dentro da programação do debate, Salomão começa a tarde de sábado fazendo uma oficina de criação de Parangolés, numa homenagem ao artista plástico Hélio Oiticica.

Parangolé, vocês sabem, é uma espécie de capa, bandeira ou estandarte, que se tornou praticamente um símbolo da arte revolucionária dos 60’s.

Salomão, vocês sabem, é uma espécie de poeta, divulgador, animador cultural, que se tornou praticamente um símbolo da transgressão celebrity-cult neste início de milênio carioca.

Ele é um dos fundadores do Bloco das Carmelitas em Santa Teresa.

No domingo, ele volta de Porto Alegre para continuar seu livro sobre o irmão Wally Salomão, ainda à procura de editora interessada…

Jorge Salomão por Ramon MoreiraJorge Salomão, uma espécie de poeta, animador, transgressor, em plena folia

Foto de Ramon Moreira

Jorge Salomão rodando o Parangolé

Salomão rodando o Parangolé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *