GLORIA PÉREZ UM EXEMPLO DE CIDADÃ, UMA ARTISTA MAIOR ATÉ DO QUE SUA PRÓPRIA OBRA

Calor de rachar, corre-corre de fim de ano, mas nada me impediria de ir à missa dos 20 anos de morte de Daniella Pérez.

Não, não fui apenas por gostar de Gloria Pérez e admirá-la como escritora,  fui sobretudo como brasileira penhorada e agradecida por sua luta obstinada depois da perda sofrida, pensando não em si, mas nas outras mães deste país, que no futuro seriam privadas das  vidas de seus filhos e filhas roubadas pela gana perversa de outros homicidas.

Pensando nessas outras mães, apenas nelas, pois para os assassinos de seu filho o esforço não teria mais valia, Gloria empreendeu um abaixo-assinado que, em 1994, através da lei 8.930, levou à alteração da Lei dos Crimes Hediondos, criada pela Constituição de 1988, incluindo nela o homicídio qualificado!

Isso significou o fim da progressão de regime de pena para esse tipo de crime. Tradução: Gloria lutou para acabar com aquela indecência de um homicida bárbaro ser condenado com pena alta e, depois, através de recursos e saídas legais, ir tendo sua pena reduzida até períodos ridículos de pena, saindo da cadeia depois de breve tempo.

Seu esforço enorme, sobrehumano, porém, não foi plenamente contemplado por dois motivos. Primeiro, porque entrou em ação o lobby dos doutos juristas (um empenho que a meu ver mais serviu aos criminosos do que a outra coisa), e  a progressão do regime acabou restabelecida pelo Supremo Tribunal Federal, apesar de os prazos para a concessão dos benefícios em caso de crimes hediondos serem hoje mais longos (viva Gloria!).

Essa vitória de Gloria foi de novo toldada pelo crédito lhe ser negado oficialmente porque, não obstante a iniciativa ter sido exclusivamente DELA e ter sido ELA quem obteve a colheita de 1,3 milhão de assinaturas para a concretização desse Projeto de Lei, o encaminhamento deste ocorreu através do Presidente da Comissão Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente do Estado do Rio de Janeiro, portanto, a lei, em sua origem, não foi considerada de iniciativa popular. Não foi considerada a Lei Gloria Pérez, como deveria ser!!

Politicagens e ciumeiras, como soi sempre acontecer quando o assunto dá samba e rende visibilidade na mídia…

Contudo, o Presidente da Comissão Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente do Estado do Rio de Janeiro não estava na Missa dos 20 anos de morte de Daniella Pérez. Nem vi lá representantes da Alerj. Muito menos políticos importantes. Ou líderes de movimentos de direitos humanos. De movimentos populares.

Em contrapartida, vi um jurista extraordinário, um dos maiores criminalistas brasileiros, o advogado Arthur Lavigne. Da comunicação, vi uma boa amiga dos amigos e mulher sensível, Liliana Rodriguez. Do mundo artístico, uma atriz que desde sempre demonstrou grande amizade e solidariedade a Daniella e à Gloria, Lady Francisco. Vi o viúvo, Raul Gazola. E vi fãs e admiradores. Vi jovens com o rostinho de Dani estampado nas camisetas. Vi lágrimas nos olhos e escutei vozes trêmulas durante as orações. Um padre sensível e profundo em sua Homilia. Não, não vi famosos. Muito menos glamurosos. Não fizeram a menor falta. Certamente, se a direção da novela Salve Jorge tivesse tido a lembrança de suspender a gravação no horário da missa, o elenco estaria inteiro orando pela memória de Daniella. Mas, the show must go on, já diziam os americanos.

A luta de Gloria, o que ela significa como cidadã, como mãe destemida, como mulher comprometida, tudo isso é muito maior do que rostos bonitos ou nomes grifados que pudessem ter satisfeito a gula dos flashes dos paparazzi ontem presentes.

Gloria é aquela mãe abnegada que increveu seu nome nos anais da História Penal Brasileira, apesar de todo o esforço feito para lhe negarem o mérito.

Gloria, we love You!

2 ideias sobre “GLORIA PÉREZ UM EXEMPLO DE CIDADÃ, UMA ARTISTA MAIOR ATÉ DO QUE SUA PRÓPRIA OBRA

  1. Onde andam os assassinos? Estão livres curtindo a vida. LIVRES! Onde está nossa LEI? Um crime hediondo desses!!!!!… Nada pode apagar a DOR dessa MãE. Vamos rezar!!!!!!!
    Vania Badin

  2. Trabalhava em uma distribuidora de jornais e revistas nesta época e foi quando mais vendemos jornais. Nem o impechmant do Collor vendeu tanto…Um tempo depois fui voluntária da Pastoral Penal e visitei o presídio onde a assassina esteve presa. Soube que gozava de muitas regalias… Não conheço Glória pessoalmente, mas, como todos acompanhei de longe sua dor, sua perda, sua luta… Combato com unhas e dentes aqueles idiotas que postaram besteiras sobre sua última novela.. Não assisto a novela, mas já saquei a sua intenção…denunciar esta vergonhosa prática do tráfico de mulheres, que é pública e notória e que nada ou quase nada é feito contra… Mais uma vez Glória se supera, superando sua dor, mostrando através de seus trabalhos o que nossas autoridades não querem ver, não querem combater, até porque estão, em sua maioria, enterrados até o pescoço nestas podridões que assolam nossa sociedade. DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO, GLÓRIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *