Em seu 75º aniversário, a Academia Brasileira de Arte ganha de presente a imortal Nélida Piñon

A Academia Brasileira de Arte – a ABA -, na mesma semana em que festeja seu 75º aniversário, indica o novo membro, que ocupará a Cadeira 24, da classe de Letras, vaga aberta em razão do falecimento do  embaixador Antonio Fantinato. E o faz em grande estilo. Trata-se da também imortal pela Academia Brasileira de Letras, Nélida Piñon, mais de 20 livros escritos, 12 prêmios internacionais, inclusive o Príncipe de Astúrias, doze nacionais, sete doutorados honoris causa, sendo seis estrangeiros, e 18 condecorações.

Nélida é também acadêmica correspondente da Academia das Ciências de Lisboa (1998), da Real Academia Espanhola (2009), da Academia Mexicana de La Lengua e acadêmica de honra da Real Academia Galega (2013) e de numerosas instituições culturais no Brasil e no exterior.

A escritora vem se juntar a outros membros “caçulas” recentes da ABA: o violonista Turíbio Santos, a atriz Nathalia Timberg e o empreendedor cultural Sérgio Costa e Silva, diretor do Projeto Música no Museu.

O nome de Nélida só foi confirmado hoje, por isso sua indicação não chegou a ser ventilada no jantar festivo dos 75 anos do último sábado, evento que reservei para contar e divulgar junto com esta boa nova, em ritmo de fogos de artifício e com espocar de rolhas de champagne, dando boas vindas à nova confreira, viva!

Foi há 75 anos que, sob inspiração de Ataulpho de Paiva, um grupo de pintores, escultores, arquitetos, escritores, teatrólogos, músicos, críticos e historiadores de arte se reuniu em uma academia, a Academia Brasileira de Arte. Eles eram os pioneiros.

Uma nova geração somou-se a eles, 22 anos depois, e a Academia Brasileira de Arte ganhou sigla – ABA -, institucionalizou-se, passou a ter fardão, colar e bandeira, a exemplo de suas co-irmãs. Passadas mais de sete décadas e ao longo de 104 confrades, que se sucedem numa convivência frutífera e harmoniosa, hoje são 40 membros, e também nomes da Dança, do Cinema, do Design e da Moda, além de colecionadores de, estudiosos do Patrimônio Artístico e empreendedores culturais.

A ABA é um caldeirão de arte em permanente ebulição, evoluindo de acordo com os tempos e a modernidade. Na ABA, o ambiente é de troca de experiências, ideias, saberes. Diferente não poderia ser, não lhe desse o tom a amabilidade maestra da presidente Heloísa Aleixo Lustosa, mineira que é só delicadeza, dada aos ritos da cerimônia afetuosa e gentil, fazendo que com prazer antecipemos os momentos de convívio entre pares.

A comemoração do 75º aniversário foi no Copacabana Praia Hotel, cujo primeiro prédio teve projeto e construção do saudoso arquiteto Carlos Lustosa, marido de Heloísa. Estávamos, de certa forma, em casa. Com esse espírito, fomos recebidos pelo hoteleiro Aloysio Maria Teixeira Filho, o anfitrião da noite, que nos homenageava.

O discurso de Heloísa, além de belo e conciso, foi informativo e me serviu de guia a este texto. Thanks, amiga e confreira!

Aloysio Maria Teixeira Filho, Heloísa Aleixo Lustosa e sua filha, Eliane Lustosa

Heloísa Lustosa, Victorino Chermont de Miranda, vice presidente da ABA, Sergio Costa e Silva, novo membro na cadeira representando os empreendedores culturais, com Ignez, esta Hilde, da cadeira da Moda, e Francis

 

O membro historiador Arno Wehling, recém admitido também na ABL, com sua sra. e a sra. Victorino Chermont

Os imortais poeta Alexei Bueno e o ensaísta Silvio Lago e senhoras

Victorino Chermont com Mary Marinho e Haroldo Costa, da cadeira de Arte Popular Brasileira

Sergio Duarte, Francis Bogossian, Hildegard Angel e Francis Bogossian

Maria Luiza Nobre, representando o marido maestro, Marlos Nobre, membro da Aba, a presidente Heloísa Lustosa, e Paulo Barragat, membro antiquário

O gerente geral do Copacabana Praia Hotel, Sérgio Duarte, e a senhora  Euclydes Aranha

Aloysio Teixeira, Heloísa Lustosa, Victorino Chermont de Miranda e a restauradora do Patrimônio Histórico Brasileiro, Dora Monteiro e Silva de Alcântara, membro da ABA

OS membros imortais Haroldo Costa e o colecionador de arte Patrick Mayer, com suas caras metades e  a cara amiga Yacy Nunes

Uma ideia sobre “Em seu 75º aniversário, a Academia Brasileira de Arte ganha de presente a imortal Nélida Piñon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *