Discípulo brasileiro de Pitanguy operou Kadafi!

O jornal italiano La Stampa reproduziu hoje com grande destaque o segredo de Muhamar Kadafi, divulgado na revista Época, que envolve o Brasil, e que esteve guardado por 16 anos: a cirurgia plástica a que ele se submeteu por um cirurgião brasileiro de Niterói, Liacyr Ribeiro, de 70 anos, que se diz discípulo de Ivo Pitanguy, e tem consultório no Rio, passando alguns meses do ano em Nápole…

Liacyr faz questão de ressalvar que é, sim, o cirurgião plástico de Kadafi, mas não é quem lhe injeta botox. Pois o resultado dessas injeções, como tempos vistos nas aparições do líbio, é medonho. Os lábios do líbio, eca!…

Liacyr contou que, em 1994, foi convidado pelo ministro da Saúde da Líbia, Mohamed Zaid, para o I Congresso Pan-Arábico de Cirurgia Plástica, em Tripoli. Terminado o congresso, o ministro lhe pediu que encontrasse uma pessoa amiga. Pensando se tratar da mulher do ministro, aceitou. E qual não foi sua surpresa quando se viu atravessando Tripoli inteira de carro e indo parar no misterioso edifício-bunker do líder líbio!? Lá, dentro de uma tenda, encontrou Kadafi, que lhe estendeu a mão e o saudou num inglês perfeito, que aprendeu quando estudou estratégia militar em Londres, pedindo: “Quero uma operação que me rejuvenesça. Estou no poder há muitos an s e não quero que os jovens me vejam como um velho”…

O médico o definiu: “Me pareceu educado e, ao mesmo tempo, frio. Se eu fazia uma pergunta, não repondia de pronto. Tudo que falava parecia calculado”. O problema é que ele queria ser operado no mesmo dia! Com a mediação do médico particular de Kadafi, um paquistanês, a cirurgia foi marcada para o ano seguinte. Nop primeiro procedimento, Liacyr cortou um dobrado para retirar gordura da barriga do paciente para fazer o preenchimento das rugas do rosto, pois Kadafi tinha um abdomem perfeito, saradão, sem sequer uma gordurinha, já que se exercitava diariamente na piscina olímpica dentro do bunker. O bunker, aliás, merece um capítulo à parte, com consultório odontológico montado e salas de cirurgia com moderníssima UTI…

“No fim, operei apenas sua calvície, as pálpebras e uma cicatriz que ele tinha no lado direito da testa”, conta o cirurgião, atribuindo o corte talvez a uma facada. E nada de anestesia geral, pois Kadafi tinha horror a ser morto dormindo… Num determinado momento, Kadafi o fez interromper a intervenção porque estava com fome…

Há cinco anos, o brasileiro foi de novo convidado por Kadafi, mas arrumou uma desculpa para não ir. Ele acredita que o ditador recorreu a um outro profissional, aquele que lhe injetou botox transformando o rosto numa máscara de dar susto…

Depois de ler a matéria no La Stampa, fui ao Google e li a original, da Época. Está muito interessante, recomendo a vocês a leitura no link

http://glo.bo/hSDpMg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *