Crônica de uma fritura anunciada…

Ontem, o bicho pegou no Twitter entre Jorge Bastos Moreno (@Radiodomoreno) e seu hospedeiro na internet, leia-se O Globo. Indignado por não ter merecido a atenção do site, que não repercutiu o furo que ele antecipara horas antes de que o Procurador Geral da República iria arquivar o caso Palocci, Moreno reagiu. No auge de sua indignação, reclamou: “Quem me segue já sabia de tudo. Se o meu hospedeiro me lesse, já teria botado na capa há muito tempo. Se fosse de outros colunistas, já tava…”. E prosseguiu: ” Quer dizer, o hospedeiro tem a notícia no twitter do seu colunista e não dá na capa. Mas eu não me desanimo com a discriminação”. E continuou o desabafo, em tuites sucessivos: “Feio não fica para o colunista que dá o furo, mas para o hospedeiro que senta em cima! Poderia tá na capa do Globo há muito tempo!”… E explodiu: “Tem horas dá vontade de abandonar tudo, qdo a gente vê nosso trabalho jogado no lixo!”… “Dez mil seguidores meus sabiam do engavetamento há muito tempo!”….

Mais adiante, cobrou: “vamos ver se no jornal, amanhã, vão dar crédito a mim na matéria!”… Quando em seguida o leitor seguidor @politicalivre perguntou o que houve, Moreno se lamentou: “O que houve foi que eu anunciei bem antes, em 1ª mão, que o PGR ia arquivar e o site do Globo não deu a menor importância!”. Ao que sua seguidora @cynaramenezes (da revista Carta Capital) lascou: “o @RadiodoMoreno tá chamando site do globo na chincha, porque deu antes arquivamento pela PGR e eles nem aí. se fosse o @BlogdoNoblat…”. Pronto, a provocação estava liberada. Ao que o também seguidor @jspencer observou: “…@RadiodoMoreno está dando uma de Palocci. Acabará demitido, mas inocentado pela sua PGR, seus leitores”…

Agora, a reviravolta… Respondeu @RadiodoMoreno: “Eu não estou desrespeitando o jornal, reclamei de um direito. E o jornal acabou de me esclarecer o que aconteceu”… E continuou (em mensagens curtas, de 140 caracteres no máximo, que caracterizam o Twitter): “A culpa de o jornal não ter chamado o meu furo na capa foi meu. Eles me explicaram e entendi. Este jornal é democrático e tolerante com…”. Prosseguindo: “… gente como eu. Tenho 30 anos de casa e pretendo me aposentar aqui, se deixarem. Eu quero morrer funcionário do Globo. Reclamei mesmo! Passou”… Completando: “Esse Palocci arrastou o PGR com ele e quase me arrasta também. Tô fora. Tenho musa pra criar!”…

Aí, o seguidor @jadermoraes tripudiou: “Caramba, o @RadiodoMoreno levou um pito tão bem dado, que agora está pedindo desculpas por ter sido sacaneado. Ô loco!”. Nesse instante, Moreno ameniza mais ainda o tom: “Será que amanhã o meu querido jornal vai botar “o anúncio do arquivamento foi antecipado pelo twitter @RadiodoMoreno“?”… E depois: “Se não botar também, tá bom! O importante é que reclamei e fui ouvido. Vê se outro jornal faz isso? Assunto encerrado!”… Para depois voltar à carga: “Quem cai primeiro: o Palocci ou eu? Eu me expliquei em cima do lance e jornal me perdoou. A comissão disciplinar do jornal arquivou denúncia”… Para, mais tarde, falar aos seguidores que curtiam em cima de ele ter amansado tanto: “Gente, eu me humilhei por vcs. Se eu não me retratasse, seria demitido e quem daria notícias em 1ª mão pra vcs? Então, não tripudiem não”…

Bem, este é o Moreno. Diz tudo o que tem pra dizer, com graça e humor, e a gente nunca sabe onde termina o fato onde começa a piada…

Em tempo: apesar do apelo feito por Jorge Bastos Moreno ao jornal, não foi publicado na matéria de hoje o crédito de que @Radiodomoreno antecipou, no Twitter, a informação do arquivamento pelo Procurador Geral da República

Todo esse lance no Twitter parece ser apenas a pontinha de um cortante iceberg. Pois, antes mesmo de o jornalista reclamar ontem contra o site hospedeiro, notamos, pelas suas postagens, que ele já amanhecera amargo com o jornal. A título de dar um conselho à presidenta Dilma, ele tuitou coisas assim: “Dilma, apesar de não gostares de jornalistas, pergunte pros nossos chefes como eles agem conosco: demissão sumária!”… E assim: “Dilma, tive demissão sumária no JB pq meu chefe da época, meu querido Ethevaldo Dias, achava que eu era cupincha do Ulysses Guimarães.”… E mais assim: “Depois, fui demitido do Globo por desacato ao chefe. Qndo descobriram que era briga de compadres, ficaram envergonhados e me readmitiram”… E assim também: “Hoje, Dilma, o Globo me dá a 2ª e última chance. Sou o Palocci deles. Se eu errar, tô fora, mesmo eu sendo o queridinho do diretor Rodolfo“…

Essas amargas lembranças do colunista podem ter vindo à tona não sem motivo. Basta ligar a TV e assistir, nos intervalos da GloboNews, à campanha recente de O Globo divulgando seus tablets apresentada pelo time de colunistas “estrelas” do jornal, e entre eles não está Moreno. O mesmo aconteceu no big anúncio de meia página que o jornal publicou no fim de semana, onde vimos Merval, Noblat, Xexéo, Ancelmo, Kogut, Leitão, Flávia Oliveira, Maurício Prado e, do Moreno, nem sombra! Agora, vai dizer que Moreno não é do time de estrelas do colunismo do jornal?! Como pode? Ora, isso parece implicância mesmo ou, repetindo um termo usado por ele, discriminação… pra não falar em fritura

E por que fritariam o Moreno? Porque ele é um sucesso, é de fato talentoso e inspirado, o que não é privilégio de muitos. E também porque pode estar fazendo sombra a quem não deveria. E esse cuidado outros colunistas, mais habilidosos, costumam ter… Afinal, não é apenas Moreno que cobre política. E de maneira tão descontraída e divertida que seu índice de leitura aos sábados deve ser altíssimo, superando até o índice e a influência de alguns dos caros colegas. É aí que dorme o perigo…

Torcemos para que, logo, logo, seja jogada água nessa fritura. Os leitores de O Globo, e muito menos o jornal, não merecem ficar sem os comentários espirituosos do Moreno por causa de um mau espírito que por ventura atenda pelo nome de inveja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *