COMO OCORREU NO HAITI, UM MILAGRE CATÓLICO EMERGE DO OLHO DO FURACÃO SANDY

Grandes tragédias, grandes milagres. Ocasiões não para perder a fé, mas para reafirmá-la. E os sinais para isso estão por toda a parte, basta manter os olhos e a sensibilidade atentos para tal.

Em Queens, deu-se o milagre. E esta foto que estou postando aqui foi tirada no incêndio no Breezes Point, que destruiu ontem um bloco inteiro de casas, uma centena delas, completamente arrasadas, sem deixar vestígio, pois o fogo deu-se na hora exata do furacão, impedindo os bombeiros de agirem…

Hoje, na hora do “rescaldo”, tudo estava destruído, menos esta imagem de Nossa Senhora das Graças, a mesma da Medalha Milagrosa

Quando houve o terremoto no Haiti, vocês devem estar lembrados, houve um fenômeno, que eu, católica, também chamo de milagre. Entre os escombros da Igreja completamente desmoronada, onde, entre outros que sucumbiram soterrados estava a brasileira Zilda Arns, restou apenas, impassível, sólida, segura, com a firmeza de 21 séculos de convicção religiosa, apenas esta cruz católica, com a imagem intocada de Nosso Senhor. O crucifixo onde sucumbiu Jesus por nós restou ali, sinalizando que ele permanece o Senhor de todas as nossas lutas e razões, de nossos percalços e esperanças…

E um minuto de silêncio e piedade por todos aqueles que agora se afligem com os medos e danos causados pela fúria da natureza no lado Norte desta nossa América…

10 ideias sobre “COMO OCORREU NO HAITI, UM MILAGRE CATÓLICO EMERGE DO OLHO DO FURACÃO SANDY

  1. Não vejo porque a imprensa dá tanta atenção para esta pequena tempestade. Sandy não causou nos EUA nem 1/1000000 de destruição, dor e morte que os soldados norte-americanos têm causado no Oriente Médio nos últimos 10 anos.

    • Fábio, Fábio, meu leitor, meu irmão.
      As grandes tormentas, quando atormentam os poderosos, tornam-se ainda mais impressionantes, justamente por não representarem fato corriqueiro à vista, aos sentidos, ao noticiário.
      Por dia morrem em São Paulo, ultimamente, pelo que lemos nos jornais, vítimas da violência, mais do que matou o Sandy. Mas isso, para nós, virou o feijão com arroz.
      Quando vemos a Cidade que Nunca Dorme cair no mais profundo sono, isso mostra que o Gigante também tem seus pés de barro. Assusta. É notícia. Nos toca. E a eles apavora ainda mais. Apavora suas certezas. Os faz humildes.
      Nós aqui, acostumados às terríveis tragédias de nosso cotidiano, bem menores do que as destruições do Oriente Médio lembradas por você, podemos até sorrir compreensivos diante do pânico deles. Podemos nos sentir superiores com nossa carga de dor e sofrimento. Podemos tudo.
      Mas, na hora da dor do outro, o melhor que podemos é nos compadecer.
      Saudações brasileiras!
      Hilde

  2. Eu sou católico, mas nao vejo milagre nenhum em imagens intactas. Seguramente, o Deus de Jesus Cristo, o qual eu creio, nao é um Deus que resguarda estátuas e nao cuidas das pessoas. Muito pelo contrário. Isso nao é milagre nenhum. Apenas a imagem de marmore e o crucifixo de concreto foram resistentes aos eventos pela matéria empregada em sua construçao, nao por milagre. A fé católica é no ressucitado e nao é banalidades materiais.
    Desculpe-me Angel, mas é preciso amadurecer sua fé.

  3. Como catolica nossa missao e evangelizar,com certeza seremos cobrados por isso. Que Deus te abençoe .

  4. Eu interpreto esses fatos como sinais divinos. Em meio a um furacão, a presença da mãe de Jesus nos avisando que os tempos estão mudando, ou que devemos ter mais fé, ou uma série de outras mensagem para nos fortalecer.

  5. Eu interpreto tanto a presença de Nossa Senhora das Graças quanto a de Jesus como sinais divinos, mensagens de que o Pai está no controle, ou que não percamos a fé, ou uma série de outras interpretações de acordo com nossas crenças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *