Bastidores do coquetel-souper dos Chermont de Britto

Maria Helena e Sergio Chermont de Britto receberam para coquetel-souper de retribuições. E uma reunião em casa dos Chermont de Britto é sempre um acontecimento. Afinal, quantos anfitriões desta cidade podem ter à sua disposição o talento de Antonio Neves da Rocha num estalar de dedos, mesmo se a agenda dele estiver superlotada? Acho que só Maria Helena e Sérgio, não tivessem sido eles os “padrinhos” do lançamento do decorador nas grandes festas do Rio. Foi na mesma casa do Jardim Pernambuco que Antonio, já lá se vão quase duas décadas, decorou a sua primeira grande festa, armando uma tenda no jardim em frente e pendurando nela uma tapeçaria gloriosa e lustres de cristal no teto. Ficou tudo tão lindo e luxuoso, que nunca mais Antonio teve sossego, mal dando conta dos convites para decorar as recepções mais bacanas do Rio. Sem esquecer que ele também decorou a maravilhosa sala de jantar da residência, o que Maria Helena, sabida, mantém tal e qual…

Presente, o primeiro timíssimo carioca. O que há de elegante, educado, sóbrio e realmente bem vestido. Todos lá na casa do Leblon. Luiz Severiano Ribeiro, vizinho, quando chegou de camisa social e soube que blazer era o traje pedido, saiu correndo para buscar o dele em sua casa e retornou com uma caixa, que era um presente chiquérrimo para o anfitrião: uma minigeladeirinha da Veuve Clicquot, cor de laranja como o rótulo da bebida, e com uma garrafa do champagne já prontinho para ser servido, na devida temperatura…

Como toda festa boa, aquela não fugiu à regra e teve o seu momento “emoção”. Quando Maria do Carmo Borges, ao descer do carro de Arnaldo e Lucília Borges, que lhe deram carona, foi atropelada e jogada ao chão pelo manobrista, que, distraído, deu uma ré enquanto ela passava por trás do automóvel! Arranhões cuidados, ela entrou no salão contando sua aventura, uma ótima conversation piece para a ocasião…

E eis que entra o Jerônimo Figueira de Mello, em plena alta temporada internacional da “Operação Gerônimo” americana. Quando uma amiga comenta o fato, ele brinca: “É, minha irmã disse para eu tomar cuidado. Com meu tipo moreno, parecendo árabe e com esse nome, estou agora correndo risco”. Risos…

Fez-se uma roda de mulheres, onde estavam Suely Stambowsky, Moema Jafet, Glória Severiano Ribeiro, Mirtia Gallotti. E sabem o que elas faziam? Elogiavam a moda de Heckel Verri, todas elas addicted do bom gosto do estilista maranhense que está bombando no Rio. Elogiavam: “Ele é chique, é clássico, as vendedoras são super atenciosas e o precinho, ó, é ótimo!”…

O senador Francisco Dornelles confessava que não mais carrega a lanterna na procissão de Sexta da Paixão em São João del Rey: “É muito pesada, agora revezo com o Breno” (Breno Neves, o primo). Ricardo Amaral prometia a todos novas fortes emoções literárias saindo de sua pena. Harilda Larragoiti, qual Cinderela, saiu rumo à casa na Barra antes da meia-noite “porque o Túnel Zuzu Angel já, já, fecha”. E não perdi a oportunidade de dizer: “É, minha mãe (a Zuzu) sempre gostou de dormir cedo”…

No mais, divirtam-se com as fotografias de Sebastião Marinho e vejam o who’s who carioca numa noite linda, com buffet impecável da Laurinha Pederneiras

Fotos de Sebastião Marinho

MG 3455 Bastidores do coquetel souper dos Chermont de Britto

Maria Helena e Sergio Chermont de Britto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *