AS MUSAS DE GODARD NUMA RELEITURA 3º MILÊNIO

Por Marina Giustino

Esta semana, o lendário diretor francês, Jean-Luc Godard, completou 82 anos! Seus filmes, sobretudo, os que produziu durante o período da Nouvelle Vague, estilo de cinema que o consagrou e a François Truffaut, continuam fascinando as novas gerações. Para provar que Godard nunca sai de moda, selecionamos três de suas musas icônicas para um editorial fashion. São elas: Jean Seberg, Brigitte Bardot e, claro, Anna Karina! Além de brilhantes atrizes, as três foram ícones de beleza e estilo de toda uma geração. Mais de 40 anos passados, desde que estrelaram os filmes da Nouvelle Vague, Jean, Brigitte e Anna permanecem referências. Isso é que é elegância perene!…

Baseadas em alguns de seus looks, usados em longas de Godard, recriamos o estilo destas musas em uma roupagem 3º Milênio para vocês…

Get the looks!...

Jean Seberg em Acossado (À bout de souffle), 1960:

Considerado um dos filmes mais emblemáticos da Nouvelle Vague, Acossado foi o primeiro longa de Godard. Rodado pelas ruas de Paris em algumas semanas e de forma totalmente improvisada, retrata o amor entre o charmoso ladrão fugitivo, Michel Poiccard (Jean-Paul Belmondo), e a jovem estudante americana de jornalismo, Patricia Franchisi (Jean Seberg).
Após roubar um carro, Michel pede para que Patricia o esconda em seu apartamento, até que devolvam um dinheiro que lhe devem, com a promessa de um dia fugirem juntos para a Itália. No apartamento, ambos divagam sobre a vida e namoram. Mesmo procurado pela polícia, Michel continua cometendo pequenos crimes pela cidade…

Jean Seberg

.
.
.
Brigitte Bardot em O desprezo (Le Mépris), 1963:

O desprezo trata sobre a dissolução de um casamento. Na Itália, o escritor Paul (Michel Piccoli) é contratado pelo arrogante produtor americano, Jeremy (Jack Palance), a fim de reescrever uma nova versão para Odisseia, de Homero, sob direção de Fritz Lang. Quando o sedutor Jeremy convida a mulher do Paul, Camille (Brigitte Bardot), para visitar sua casa de campo, seu marido encara isso como uma oportunidade de usá-la como “isca” para ganhar um bom pagamento pelo trabalho. Só que isto poderá por em risco o seu próprio casamento…

Brigitte Bardot

.
.
.
Anna Karina em O demônio das onze horas (Pierrot Le Fou), 1965:
Ferdinand Griffon (Jean-Paul Belmondo) é um professor de espanhol entediado com sua vida monótona de burguês. Certa noite, ele reencontra a intrigante Marianne Renoir (Anna Karina), uma antiga amante sua, trabalhando como babá de seus filhos. No dia seguinte, os dois decidem fugir juntos, rumo ao sul da França. Quando um corpo é encontrado na casa de Marianne, o casal passa ser perseguido por mafiosos. Ao longo do caminho, em busca de emoção, cometem pequenos crimes, desafiam valores e pré-conceitos estabelecidos pela sociedade…
Anna Karina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *