A sociedade carioca no Olimpo das gostosuras!

Algumas pessoas podem até pensar que é muito pretensioso batizar um restaurante com o nome Olympe, isto é, Olimpo, a morada dos Doze Deuses da milotogia grega, inclusive o todo poderoso Zeus, a mansão de cristais formada pelo Monte Olimpo, uma das mais altas montanhas da Europa, que os Titãs usavam como tronos, pois “eram tão grandes que mal cabiam na crosta terrestre”. É, alguns até podem achar o nome Olympe uma pretensão, mas certamente não aquelas quase 60 mulheres convidadas por Regina Andrade Pinto para almoçar, ontem, no restaurante pilotado pelo chef Claude Troisgros

Mulheres, vocês sabem, adoram conversar. E também adoram ser magras. Daí que, quando a comida não é grande coisa elas passam batido, não se detêm, não percebem, enfim, não comem. E mesmo assim saem contentíssimas, com o papo em dia e sem culpa, pois não ganharam sequer uma graminha. Mas quando a comida é excepcionalmente boa, como a servida no almoço de ontem, tudo passa a ser secundário – o papo, as tendências, as graminhas. E elas, que com seu traquejo e sofisticação sabem muito bem perceber o que é especial, deleitam-se com as gostosuras, saboreiam com gosto, aboletam-se jeitosas nos tronos dos Titãs e deixam os deuses do Olimpo lhes guiarem por esse imperdível passeio gastrô, nhamnhamm…

Regadas nos aperitivos a espumante Adolfo Lorna Brut Rosé, as delícias prosseguiram com um ravioli de pato e foie gras com pimenta verde, acompanhado de vinho branco Cevennes, Les Cadets de Gournier- 2009. Como prato principal, o cherne com banana d’água caramelizada, molho de passas, cebola, limão e ervas e purê de batata baroa. E o vinho era o Alamos Malbec Catena Zapata 2009. Como sobremesa, crêpe passion – uma panqueca soufflé e caramelizada com calda de maracujá, especialidade de Troisgros desde 1982 (e era a sobremesa obrigatória em praticamente todos os jantares de Lily Marinho no Cosme Velho). Ah, o cherne com banana, Belita Tamoyo lembrou, é um dos pratos mais celebrados do chef desde sempre…

Tudo que eu posso lhes dizer, meus queridos, é que não sobraram nem as migalhas. Ao contrário, houve algumas, como Marcia Solera e Rita Zecchin, pedindo reforço na calda de maracujá da panqueca. Elas comeram tudinho!…

Ah, além do carinho de Regina, de sua impecável hospitalidade indo a cada minuto de mesa em mesa, da alegria do reencontro de muitas amigas que há tempos não se viam, o outro algo mais da tarde foi o brinde que todas nós fizemos estimuladas pela nossa cheerleader social, a Bebel Klabin, que tratou de ficar de pé levantando sua flûte de rosé em homenagem à amiga Regina, e todas a acompanhamos, felizes e encantadas por estarmos ali juntas, naquele alto astral. Um privilégio!…

Olympe1 A sociedade carioca no Olimpo das gostosuras!
Olympe 2 A sociedade carioca no Olimpo das gostosuras!

Fotos de Sebastião Marinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *