A NOITE DA OCUPAÇÃO ZUZU NO ITAÚ CULTURAL EM SÃO PAULO

Voando para o Rio de Janeiro, com a cabeça fervilhando de emoções, preciso me beliscar para acreditar que tudo que vivi foi realidade.

A noite de abertura da Ocupação Zuzu no Itaú Cultural na Avenida Paulista foi uma apoteose. Amanhã, com tempo e a cabeça mais descansada, as emoções controladas, vou poder descrever para vocês o que foi receber o jorrar de tanto carinho. A quantidade de amigos que vieram do Rio para São Paulo expressamente para estar junto a mim neste momento tão expressivo da minha vida naquela noite em que eu colhia os frutos de tanto esforço após anos de obstinada construção de um projeto de vida pela preservação da memória e da obra de Zuzu Angel.

Hoje, deixo aqui, como amostra daquele momento vivido, o discurso que pronunciei após a fala da ministra da Cultura, Marta Suplicy, sucedendo ao breve, porém contundente, speech de abertura de Milú Villela, presidente do Itaú Cultural, na solenidade muito bem conduzida pelo diretor da instituição, Eduardo Saron:

“São muitas as Lendas que envolvem um mito. No caso de Zuzu Angel,  a mais incômoda das “lendas urbanas”, eu vou chamar assim, é a de que ela morreu num “acidente sem causas esclarecidas”.

Esperamos 22 anos até o Governo Brasileiro, à época do presidente Fernando Henrique, através da Comissão dos Desaparecidos Políticos criada pelo Ministro José Gregori,  realizar uma investigação, provando que o suposto “acidente” que vitimou minha mãe foi, de fato, uma emboscada para assassiná-la, realizada por agentes do regime militar.

Hoje, 16 anos após aquele esclarecimento, ainda há quem se refira ao episódio como um “acidente”.

Ou seja, somados, já são 38 anos de nebulosa negação de uma realidade. Além de lhe roubarem a vida, ainda tentam lhe usurpar o mérito da morte heróica.

Essas nuvens equivocadas enfim começam a se dissipar, graças a esta Ocupação Zuzu, parceria do Instituto Itaú Cultural com o Instituto Zuzu Angel, que ocupa não apenas quatro andares deste prédio nobre, como também todos os canais da mídia do país, esclarecendo devidamente os fatos.

Com esta exposição, o Itaú Cultural é a primeira grande instituição de promoção da cultura do Brasil que abraça a Moda como manifestação de arte, avalizando-a, afinado com a condução dada pela minista Marta Suplicy à política cultural do país.

Para dar esse passo, o Itaú Cultural escolheu a coleção de Zuzu Angel, a pioneira do conceito da moda com legitimidade brasileira, sem se submeter aos ditames colonizantes dos padrões europeus, que limitavam nossos designers a meros copistas seguidores de tendências importadas, submissos aos critérios instituídos por Paris do chique e do não chique.

Mesma insubordinação Zuzu demonstrou contra a ditadura instalada no Brasil, na busca de seu filho, Stuart, peregrinando de quartel em quartel, e, depois, na denúncia de seu assassinato, reivindicando seu corpo para poder enterrá-lo, nem que fosse “com as mãos”.

Minúsculas mãos, delicadas, miraculosamente sem calos, apesar de tantas vezes ter precisado empunhar a pesada tesoura de ferro, nas eventuais ausências da contra-mestra, na mesa de corte em seu ateliê de costura, até rompendo madrugadas para dar vazão à sua criatividade.

Pois Zuzu não era apenas criação e glamour. Era a moda por inteiro. Sabia costurar, cortar, traçar o molde, rascunhar os modelos, os bordados, as estampas que criava, e conseguiu ser a primeira estilista no país a tê-las produzidas por uma indústria têxtil, a Dona Isabel, com seu nome na ourela, que é aquela barra de acabamento da peça da fazenda, onde figuram os créditos da indústria e do tipo de tecido.

Lá estava escrito: Dona Isabel, Polybel – o tecido – e Zuzu Angél, que as pessoas liam desse jeito mesmo, rimando. Algumas vezes vinha também o nome da coleção de Zuzu à qual aquela estampa se referia: International Dateline Collection I, II, III, IV…. Tudo valorizando o produto e a indústria brasileira.

Zuzu sabia fazer seu marketing, envolver, seduzir, era uma estrategista comercial, bem como se revelou, após, uma estrategista política.

Assim, levou, em 1970, sua moda à passarela da mais importante loja de departamentos da América, a Bergdorf Goodman, ocupando todas as suas vitrines em Nova York de uma só vez!

Sua moda encantou a imprensa americana, as estrelas de cinema, grandes lojas.

Assim, estrategista, percorreu em 1971 os corredores do Senado americano, somando aliados e em busca de respostas sobre o paradeiro do corpo de seu filho.

Militante, driblou vigilâncias e levou sua denúncia ao secretário de Estado Henry Kissinger em visita ao Brasil em 1976.

Legítima, em sua causa de ser mãe às últimas consequências, instrumentalizou sua arte e fez dela bandeira de denúncia, de seu desespero e de sua dor.

Corajosa, conduzia solitária seu Karman Ghia rumo à morte certa, na madrugada de 14 de abril de 1976 um mês depois da entrega do dossiê a Kissinger. Não tinha medo. Cumpria a parte que lhe cabia naquela tragédia brasileira.

Cumprimento Milú Villela, ela também uma pioneira – e Milú rima com Zuzu – por esta sua maneira ampla de enxergar a cultura no país, que vai além dos simples eventos, amplia-se ao social, à formação profissional.

Parabenizo-a pelas múltiplas realizações que tem empreendido à frente desta casa de modo comprometido e generoso, tornando o Brasil um país melhor e mais importante.

Comprometida a Milú também com um triste momento brasileiro, quando escondeu e protegeu o pai do deputado Márcio Moreira Alves, o Marcito, cujo discurso audacioso levou ao fechamento do Congresso nacional. As forças de repressão queriam prender o pai para encontrar o filho.

Agradeçoessa equipe competente, liderada por Eduardo Saron, que trabalhou em parceria com o Instituto Zuzu Angel. Vou nominar aqui: Claudiney Ferreira, Valéria Toloi, Valdy Lopes Junior, o time de curadores comigo.

Foram mais de seis meses de trabalho ininterrupto nós todos juntos, no Instituto Zuzu Angel e dentro de minha própria casa, no Rio de Janeiro.

Agradeço até a Rainha da Dinamarca! E por quê? Porque gentilmente abriu mão por alguns dias da Curadora das suas Coleções Reais desde 1980, a master of sciences Katia Johansen, para que ela pudesse vir a São Paulo trabalhar na moda desta Ocupação, importada expressamente para fazer desta ação algo importante nacional e internacionalmente.

Katia também presidiu até o ano passado o Costume Committee do International Council of Museums, e por oito anos.

Agradeço a você, Katia, por ter aceito este convite. Ter você conosco é grande honra!

E Katia Johansen é parceira na construção de um novo pioneirismo de Zuzu Angel.

A Casa Zuzu Angel de Memória da Moda do Brasil – Acervo, Conservação e Restauração de Têxteis, projeto em que o Instituto Zuzu Angel dá continuidade à sua parceria com o Instituto Itaú Cultural.

Consistirá em nosso Museu da Moda, projeto a ser iniciado ainda este ano com  o conceito inédito de Museu Escola.

Um Museu Escola que contemplará o Passado, através da Memória da Moda, focando sua coleção no Mundo Contemporâneo.

O Presente, com a transmissão do conhecimento, nos cursos de formação em museologia da moda, exposição, conservação, restauração de têxteis, saberes que no Brasil ainda engatinham.

O Futuro, abrindo perspectivas profissionais, cumprindo um papel social obrigatório a uma entidade cultural comprometida com este país, suas carências, seu desenvolvimento.

Os ambientes de trabalho deste Museu Escola terão sua visão devassada aos visitantes das mostras, que poderão observar seus bastidores palpitantes, conforme o projeto que vocês podem conhecer acessando nosso site.

Por fim, aproveito a importância do momento para desanuviar outra questão: nós, da família Angel, respeitamos as Forças Armadas brasileiras. Temos bons amigos nelas. Zuzu Angel, no turbilhão de seu desespero, foi alvo de gestos solidários de senhoras de generais, que a procuraram compadecidas, bem como viu o comandante do I Exército, general Sylvio Frota, abrir-lhe a própria casa durante o jantar em família, para tentar confortar-lhe em seu desespero.

No governo da Abertura, do general Figueiredo, ouvi textualmente de um ministro militar sua inconformidade com os “excessos” que haviam sido praticados nas prisões contra os oposicionistas, com os quais ele não concordava.

Hoje, ouvimos vozes saudosas dos ruídos da ditadura. Porém, os únicos sons de que de fato o Brasil carece são os trinados cantados por Gonçalves Dias, que acalentaram nossas infâncias: Minha terra tem palmeiras onde cantam os sabiás…

As aves que aqui gorjeiam… neste meu vestido, com estampa de Zuzu, gorjeiam em nossos corações, vistam eles fardas ou roupas civis, tenham cabelos lisos ou afro, gostem de samba, funk ou rock.

Gorjeiem, passarinhos, em nossa esperança de vida sempre harmoniosa para todos os brasileiros, e vamos agora juntos escutá-los cantar nos panos desta Ocupação Zuzu!

Muito obrigada 

Hildegard Angel”

Zuzu_Marta Suplicy  Hilde  Milu_6A ministra Marta Suplicy, Hildegard Angel, a presidente do Itaú, Cultural Milú Villela, Francis Bogossian e Douglas Fasolato, diretor do Museu Mariano Procópio, de Juiz de Fora

Zuzu_Marta Suplicy  Katia Johansen  M.Araujo_1O secretário municipal de Cultura de São Paulo, Juca Ferreira, Francis Bogossian, Milú Villela, o secretário estadual de Cultura de São Paulo, Marcelo Araujo, a curadora das Coleções Reais da Dinamarca, Katia Johansen, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, e a embaixatriz Maria Inês Barbosa

Zuzu_Gisela Amaral e Narcisa Tamborindegui_1Gisella Amaral e Narcisa Tamborindeguy foram do Rio para São Paulo

Zuzu_Gloria Kalil_1Gloria Kalil

Zuzu_Sonia Simonsen_1

Sonia Simonsen outra amiga que se deslocou do Rio

Zuzu_Narcisa Tamborindeguy  Amaury Jr_1

Narcisa Tamborindeguy e Amaury Jr.

Zuzu_Milu  Hilde_3

Milú Villela e Hildegard Angel

Zuzu_Milu  Marcelo Araujo  Katia Johansen  Marta Suplicy_1

Milú Villela, o secretário Marcelo Araujo, Katia Johansen e Marta Suplicy. Atrás, o colecionador carioca Ricardo Cordeiro Guerra, Narcisa, a estilista Lucília Lopes

Zuzu_Milu  MaurilioGuimaraes  DaltonCanabrava  Newton Vieira_2Milú Villela, o prefeito de Curvelo, Maurilio Guimarães, o escritor e jornalista Dalton Canabrava, o jornalista do G1 Newton Vieira

Zuzu_Marcelo Araujo_1Marcelo Araujo, secretário de Cultura do Estado de São Paulo

Zuzu_Antonio Grassi Eduardo Saron_1Antonio Grassi e Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural

angela gutierrez e narcisaA colecionadora Angela Gutierrez voou de Belo Horizonte especialmente para o evento na Avenida Paulista, assim como Narcisa voou do Rio de Janeiro

maria estela haddad, amaury juniorAna Estela Haddad, a primeira-dama de São Paulo, e Amaury Junior, ao fundo, emolduradas, estampas criadas por Zuzu

Zuzu-_RUF1401

Dayse Marques, Lucília Lopes, BB Schmitt, Cecy Kremer, Celina de Farias e Eliana Benchimol

Zuzu_Performance_Karlla Girotto_15

Zuzu_Performance_Karlla Girotto_16

Zuzu_Performance_Karlla Girotto_1A performance com desfiles de réplicas de looks de Zuzu Angel apresentados em Nova York em 1970, encenação dirigida pela estilista Karla Girotto

Fotos de Christina Rufatto

12 ideias sobre “A NOITE DA OCUPAÇÃO ZUZU NO ITAÚ CULTURAL EM SÃO PAULO

  1. Lindo relato e emocionante ontem o seu depoimento no Jornal Hoje da Rede Globo de Televisao.
    Parabéns Hilde você é especial.
    Bjssssss nossos.

  2. Parabéns ao Itaú Cultural e a você, Hilde pela sua incansável luta para a preservação das memórias de sua mãe, Zuzu Angel e de seu irmão, Stuart Angel Jones. Tenho as boas lembranças das camisetas atoalhadas estampadas com as imagens dos seres angelicais que cheguei a usar muito. Aguardo ansiosa que a exposição venha ao Rio de Janeiro o mais rápido possível.

  3. Minas Gerais muito bem representada na sobriedade e elegância da Angela Gutierrez…parabéns pelo sucesso, Hilde Angel…adorei “as aves que aqui gorjeiam” do seu vestido!!! Bjs***

  4. Inequívoca homenagem a uma curvelana ilustre, Zuzu Angel!
    Parabéns, Itaú Cultural!
    Parabéns Hilde!
    Parabéns a todos os que concorreram para o sucesso dessa celebração!
    Parabéns, Curvelo, terra-natal da estilista que, através do nosso prefeito, Sr. Maurílio Guimarães , do jornalista e escritor, Dalton Canabrava Filho, e do nosso orgulho de poeta, trovador, jornalista especial, Newton Vieira, se fez representar. Curvelana de coração, aqui residindo desde criancinha, muito me orgulho de minha terra, pelos laços do coração, e dos feitos de sua gente.
    Zuzu Angel foi uma figura exponencial!
    Salve a estilista que se eternizou por sua arte!
    Salve, Curvelo, seu berço-natal!

  5. PARABÉNS Hilde por essa belíssima, histórica e inédita exposição de moda sobre a “imortal! Dona Zuzu. Só vc mesmo com sua categoria, bom gosto e muita garra para criar um evento desses. Aliás, tudo que vc faz é de extremo bom gosto e perfeição. Mas é explicável filha de quem é…

    Bjs e saudades que vc continue essa figura iluminada de sempre.

    Do seu velho admirador goiano,

    Jota Mape

    • Grata pela generosidade dos elogios, que devem ser destinados igualmente aos meus parceiros do Itaú Cultural, empenhados, sérios e criativos. Um legítimo trabalho de equipe, com méritos, se há, distribuídos em igual proporção a todos os envolvidos. Apenas nos empenhamos em emoldurar da melhor forma que pudemos e apresentar da maneira mais adequada, a coleção. Pois a figura principal, a criadora de todas as belas obras, Zuzu, não cá mais está para receber os cumprimentos.
      Beijos
      Hilde

  6. Parabens Hilde, porque ao ler o seu artigo a minha admiração por você cresce a cada dia com a garra e coragem que você tem na luta há anos para mostrar Zuzu que eu tanto admirava e que levou a maternidade ate as ultimas consequências.

  7. Dizem que “Quem sai aos seus não degenera’
    Mas não degenera o quê?
    Não degenera, não foge à luta…
    Estivesse eu em SP ainda correria para as primeiras filas do Itaú Cultural a abraçá-la, sabendo que estaria assim, também, ninando no colo ao som dos versos do Chico toda a família Angel, todas as famílias brasileiras vítimas do arbítrio inesquecível e por isso sempre a ser esclarecido e rememorado.
    ‘Quem é essa mulher que canta sempre…”

  8. Parabéns amiga querida, por esse sucesso mais do que merecido!
    Espero pela exposição no Rio.
    Beijo carinhoso

  9. Quero muito ver esta Ocupação Zuzu Angel sendo visitada pelos jovens do nosso Brasil , para que eles tenham conhecimento do que significa Ditadura !!!!! E vejam o que Zuzu lutou até morrer pelo seu filho , morto por este regime político terrível ! Parabéns Hilde querida , a exposição está emocionante !

    • Sonia, foi um sentimento muito forte e de conforto vê-la em São Paulo entre os amigos que foram para a abertura.
      Obrigada!
      Beijos
      Hilde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *