A medicina do futuro chegou: colunista, em vez de colocar próteses, “planta” cartilagens novas nos dois joelhos!

Confesso a vocês que, durante a alta temporada da Rio + 20, botei a equipe deste blog pra rodar e fiquei de molho, com as pernas descansadinhas, aliás como ainda estão, cuidando da sustentabilidade de meu corpo. Sim, meus amores, porque, apesar deste item não ter sido incluído no documento final da Conferência da ONU, bem que deveria ter sido garantido o direito reprodutivo das células tronco, que agora me permitem o processo de reciclagem das cartilagens de meus joelhos...

Submeti-me há 20 dias a uma cirurgia pioneira, que me preservou de colocar próteses em ambos os joelhos, o que eu encarava como uma alternativa não só radical como também dramática, que me obrigaria a, de tempos em tempos, repor as ditas próteses e, em outros anos mais, me condenaria à cadeira de rodas. As próteses são anti-ecológicas, com o risco de poluírem meu organismo com os materiais de que são feitas, como recentemente aconteceu com próteses suíças produzidas com titânio…

Esta nova cirurgia, maravilhosa e providencial, realizada pioneiramente no Brasil pelo ortopedista carioca (na verdade de Niterói) Carlos Henrique Bittencourt, com consultório no Leblon e atendendo também em São Paulo, tem alcançado resultados extraordinários. Soube dela através do príncipe golfista dom Eudes de Orléans e Bragança

Num jantar em casa de José de Paula Machado para Manuel Lamarca, há mais de dois anos, Eudes, recém submetido quatro meses antes às infiltrações das células tronco retiradas do plasma sanguíneo, falou-me dessa experiência. Ele me disse: “Não há contra-indicação. Se mal não faz, prefiro tentar do que colocar uma prótese no quadril”. Dez meses depois, eu o encontrei num coquetel no Copacabana Palace e Eudes me disse, todo contente: “Hilde, recuperei 100% de minhas cartilagens”…

Além de dom Eudes, fiquei sabendo de dois primeiros bailarinos do Theatro Municipal de São Paulo, que andavam encostados, artríticos, se operaram com o mesmo médico e voltaram a dançar. Estão no palco fazendo grand jeté!…

Lá fui eu procurar o dr. Carlos Henrique, o Carrique como é conhecido no meio, para ouvi-lo sobre a artrose em meus dois joelhos. Soube então que o método havia evoluído e, além do plasma sanguíneo, o material agora é retirado também da gordura da barriga, 60ml, através de uma lipo, pois as células se concentram primordialmente nos vasos sanguíneos em volta da gordura…

Submeti-me a todos os exames pedidos. Não há problema de idade, nem de peso, nem de altura nem de nada. As únicas contra-indicações são infecções e tumores, o que ainda bem não tenho. Retirei a gordurinha e o sangue. Aguardei os 45 dias necessários, enquanto meu sangue era centrifugado no Excellion, em Petrópolis, o único laboratório no país autorizado pela Anvisa para isso. Ali, minhas células tronco foram multiplicadas. Delas, um milhão produzidas para serem infiltradas em cada um dos meus joelhos. Dois milhões no total. As demais foram congeladas e guardadas. Assinamos um contrato. Lá estão minhas células tronco, guardadinhas para minhas futuras necessidades. E eu feliz em tê-las já garantidas pelo procedimento realizado, num momento de plena saúde, pois o futuro a Deus pertence…

Passados os 45 dias, internei-me no Hospital Samaritano para a artroscopia realizada pelo dr. Carlos Henrique Bittencourt, assistida pelo meu clínico-geral, dr. João Gaspar Corrêa Meyer. Cirurgia coberta pelo meu plano de saúde. O cirurgião infiltrou as células tronco em meus dois joelhos e eu agora trato deles como se fossem dois bebês recém-nascidos. Dando-lhes, a cada três horas, as “mamadas”, isto é, as aplicações de gelo com duração de meia hora no relógio, pernas pra cima. E isso re-li-gi-o-sa-men-te! Todos os dias, mas todos os dias mesmo, submeto-me a uma hora e meia (às vezes duas) de fisioterapia com o Cadu. Ando o mínimo, apenas o necessário. Da cama para a poltrona, para o banheiro, para a sala de fisio. E sempre de andador ou de muletas, dividindo o peso do corpo: 50% para os braços, 50% para as pernas…

E assim ficarei por dois meses. Pois tenho nos joelhos duas sementinhas crescendo, bonitinhas, as criancinhas: as minhas novas cartilagens guris…

É o Admirável Mundo Novo que já chegou. E eu tenho muita alegria, muito prazer, de dar a vocês a boa notícia. Próteses, tô fora. Chegou a hora das cartilagens de reposição – as minhas, em quatro meses já estarão dando as caras. Chegou a hora do corpo sustentável, da Hildezinha certificada pela natureza! Isso em plena temporada de Rio + 20. Se eu estivesse de pé, teria ido lá ao Riocentro bradar essa novidade. E ainda há países que batem no peito se dizendo modernos e evoluídos e se opõem às pesquisas com células tronco. Dá pra entender?…

No mais, os parabéns à Amil, que, antenadíssima, tratou de comprar o laboratório Excellion e está na vanguarda dessa novidade toda…

7 ideias sobre “A medicina do futuro chegou: colunista, em vez de colocar próteses, “planta” cartilagens novas nos dois joelhos!

  1. Sra. Hildegard, boa noite. Tenho desgaste na cartilagem do joelho e li seu relato sobre esta nova técnica da medicina. Gostaria de saber como foi o resultado do seu procedimento, pois pretendo tentar esta alternativa antes da prótese.
    Desde já agradeço,
    Gustavo

    • Sr, Gustavo, estou muito bem mesmo e muito contente por ter me submetido ao tratamento. Não sinto mais dores. Não digo que não vá precisar da prótese, mas num futuro distante.
      Abraços
      Hildegard

  2. Hildegard, bom dia!
    Tenho lesões nas cartilagens dos joelhos e que provocam muitas dores.
    Li o seu post e fiquei animada, pois percebi que a prótese pode ser evitada.
    Entretanto, tenho algumas dúvidas. Se puder me esclarecer, agradeço muito.
    1) São necessárias novas aplicações de células-tronco ou outras substâncias? Ou são aplicadas apenas uma vez, no dia da internação?
    2) É necessária alguma manutenção especial?
    3) Há restrição de algum tipo de atividade após o período de recuperação?
    Obrigada,
    Érika

  3. Boa tarde Hildegard!
    Li seu post e fiquei animada com a possibilidade de não precisar colocar próteses nos joelhos, pois tenho lesões de cartilagem em ambos que causam muitas dores.
    Tenho algumas dúvidas e gostaria, se você puder, de esclarecê-las:
    1) São necessárias outras aplicações de células tronco ou outras substâncias, ou elas são aplicadas apenas uma vez?
    2) Há restrições de atividades após a recuperação?
    3) Há necessidade de alguma manutenção especial?
    Obrigada,
    Érika

  4. Bom dia,Hildegard !
    Li os relatos sobre os procedimentos médicos, os quais te submetestes, gostaria de saber se conseguistes recuperar as cartilagens. Estou na eminência de colocar prótese no quadril direito e não estou me sentindo a vontade com esta situação, se possível, quero evitar a mesma. Aguardo ansiosamente tua resposta, pois estou meio perdido. Desde já agradeço a atenção,
    Lúcio.

Deixe uma resposta para Gustavo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *