A GRANDE POLÊMICA DA SPFW ENVOLVE GLORIA KALIL E FAUSE HATEN

A polêmica deflagrada durante o atual São Paulo Fashion Week gira em torno da crítica feita pela jornalista de moda Gloria Kalil ao desfile do designer Fause Haten

Ela disse o que pensou, ele, em seu Facebook, respondeu o que achou que devia, se colocando…

Ambos sem ofensas…

Triste foi ver o nível baixíssimo dos comentários no Facebook, as grosserias, humilhações, os impropérios…

Como as pessoas estão más, secas de valores, insensíveis e, mesmo, ignorantes sobre o esforço que significa, para um profissional de imprensa, expressar com sinceridade o que pensa, e, para um profissional de moda, realizar uma coleção, assumir riscos, os custos, os grandes compromissos que envolvem um “espetáculo de moda”, pois apresentações de moda, não só no Brasil como em qualquer lugar do mundo se tornaram espetáculos, o desgaste pessoal, o desgate mental e financeiro e sob todos os aspectos, a expectativa dos aplausos e das críticas…

Tudo tão delicado, tão sensível, um violino…

Ambos merecem nosso respeito, pois ambos podem, no turbilhão da criação, às vezes, deslizar…

A jornalista, sem tempo para refletir precisamente sobre cada texto, no moto-contínuo das apresentações de moda, tendo que comentá-las praticamente em tempo real, esse tormento imposto pela internet, que supostamente é uma vantagem…

Às vezes, uma palavra a mais ou a menos, uma vírgula colocada depois ou antes pode amenizar ou enfatizar o que queríamos ou não desejávamos afirmar da forma tal…

O estilista, que literalmente pariu o melhor de si, de seu talento, de sua criatividade, de seu esforço, de seu investimento, às vezes com altos compromissos financeiros para tal ainda a serem saldados, na expectativa apenas dos aplausos…

Enfim, nervos à flor da pele, emoção palpitando, de lá e de cá, dela e dele…

Ambos merecem mais consideração dos facebuqueiros, que mais parecem bucaneiros sem causa, doidos para esvaziarem a munição de suas invejas e raivas no coração de quem quer que seja. Nem Fause nem Glorinha merecem isso…

E eu os convido, aos dois, para um vinho branco geladinho, com vista para a praia mais linda do Rio, a de Copacabana, da janela de meu apartamento, e para rirmos, falarmos de moda, brindarmos aos bons momentos daqui para a frente e selarmos a continuidade da amizade de vocês..

Pois mal momento, mal jeito, não quer dizer desamor nem briga. Apenas um percalço contornável pelo vinho, pelo riso, pela vista bonita…

Fotos de Zé Takahashi/Ag. Fotosite

Crítica da Gloria Kalil: http://chic.ig.com.br/moda/noticia/fh-inverno-2013

Desabafo do Fause: http://www.facebook.com/fausehatenoficial/posts/452997774747052

10 ideias sobre “A GRANDE POLÊMICA DA SPFW ENVOLVE GLORIA KALIL E FAUSE HATEN

  1. Gostei, Hilde! textos como o seu só acrescentam para Moda brasileira! parabéns! e quero estar presente no vinho branco geladinho!

  2. Poxa, Hilde…”literalmente pariu o melhor de si” foi difícil, hein? Ele só teria parido LITERALMENTE o melhor de si caso o melhor dele tenha saído por sua vagina. Aí, seria parir literalmente.

  3. E muito bom saber que ainda existem pessoas com seu discernimento dispostas a promover a paz e o bom convivio. Parece que ver “o circo pegar fogo e o sonho do mundo”. Alma boa…

  4. Concordo com vc Hilde em vários aspectos. Mas o sarcasmo da Gloria Kalil, realmente, não condiz com a pessoa que ela demonstra ser.
    Acho que ela, como jornalista de moda, poderia expressar sua opinião de forma mais profissional, sem exageros ou comparações. O que faltou a Gloria, foi respeito ao Fause Haten, faltou o que ela sempre prega: “Ser CHIC”

  5. Concordo com a Didi Foligno. O que penso é que ainda temos cultura de colônia. Não assumimos quem somos, temos vergonha de ser brasileiros por mais que digamos o contrário. É só prestar atenção em como ela criticou outros estilistas que olham mais a fundo para o Brasil, como o Fraga e o João Pimenta. O que eu não entendo é que lá fora os estilista fasem o maior circo na passarela e são aclamados como gênios, como o Extinto John Galliano. Glorinha foi infeliz no tom e, onde uns vêem coragem, eu vejo deselegância elevada ao extremo.
    Não curto nenhum dos dois, mas Fause vem sendo massacrado (e aguentando calado) por essa inquisidora do corporativismo já há bastante tempo. Chega um momento em que a última gota entorna o que já estava cheio.
    Glorinha se lançou com um livro chupado, o Chic, em tudo: conceito visual, gráfico e editoral (consulte José Gayegos que tem o original).
    Os jornalistas sabem disso e mesmo assim a incensam.
    Constanza, nos anos 80, fazia a cobertura de moda na Europa para a Folha de SP, e chupava desavergonhadamente as críticas do Herald Tribune da jornalista Suzy Menkes (não tinha internet naquela época né?), e ninguém falava nada.
    Acho que o que ela fez, guardada as devidas proporções, foi bem próximo ao desrespeito de sua colega Erika Palomino quando chamou Pierre Cardin de dinossauro da moda.
    Quanto ao povo do Facebook (Facepeople) li todos os comentários e apenas três dos 15.970 concordaram com as críticas dela. Isso no mínimo quer dizer alguma coisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *