JOVENS DAS RUAS: QUEM SABE FAZ A HORA NÃO ESPERA O PIOR ACONTECER!

20h20mHildegard Angel

Não é o povo que sai às ruas, é a classe média.

É e sempre foi…

Em 1968, foram os jovens de classe média que ocuparam a Cinelândia, no Rio de Janeiro, na passeata do estudante Edson Luís, morto no restaurante Calabouço. A primeira manifestação, depois vieram todas as outras.

Foram aqueles jovens da classe média que correram das patas dos cavalos, defenderam-se como puderam dos tanques dos déspotas, foram torturados nas masmorras da truculência e morreram em nome de nossa Democracia.

Depois vieram as passeatas das Diretas Já, dos Caras Pintadas e tantas outras, sempre tendo a juventude classe média como combustível da locomotiva que leva às ruas as multidões.

O hoje não difere do passado.

Os jovens estão nas ruas. Os jovens precisam das ruas. A juventude quer as ruas.
Não à toa Caetano Veloso cantou que “a Praça Castro Alves é do povo como o céu é do avião”. Ou que o próprio Castro Alves, muito antes, disse “A praça é do povo! como o céu é do condor”

Os jovens querem as ruas. Não só aqui e agora, mas em toda a parte e ontem, na 1968 de Cohn-Bendit, em Paris, dos Edson Luíses, na Cinelândia.

Os jovens querem gritar o que lhes aperta o peito, o grito da sua idade. E querem uma causa. A de agora nos é apresentada pela mídia como “a causa dos 20 centavos”.  Mas sabemos que é muito mais do que isso.

Esses moços sem ilusões gritam contra a insegurança em casa e fora dela; contra o sistema de saúde capenga, o público e o dos planos de saúde, que oprime a classe média lhe negando vagas, tratamentos e cirurgias, obrigando-a a longas esperas e filas, como se os usuários fossem pedintes e não pagantes; protestam contra os aluguéis extorsivos e inviáveis ao bolso do assalariado; contra o show de horrores da corrupção, corroendo todos os poderes, e não é de hoje.

Gritam contra as altas mensalidades escolares que obrigam a classe média a, para educar seus filhos, recorrer a um ensino público da pior qualidade; contra universidades sem verbas, sem reformas, sem equipamentos, em que os professores ganham salários vis e, por isso mesmo, não podem ser sequer um espectro do que foram os grandes mestres do passado.

Esses jovens da classe média se sentem maltratados. Ouvem boas notícias do governo, porque há muitas para serem dadas, realmente há – nosso país retomou seu desenvolvimento e encontrou uma forma mais justa de distribuir sua renda – mas esses resultados parecem não afetá-los.

Posicionada numa camada do meio, onde não é alcançada por benefícios que contemplam os mais pobres, situados abaixo dela, e incentivos que impulsionam o setor produtivo empresarial, colocados acima, a classe média protesta, entre outras coisas, porque se sente esquecida, relegada aos telefonistas do telemarketing.

Classe média entregue às gravações impessoais e sem rosto das prestadoras de serviços públicos e privados, que não lhes solucionam os problemas e a desrespeitam repetidamente, sob o beneplácito das agências reguladoras, criadas para defendê-la, porém solenemente ignoram sua angústia multiplicadora de AVCs e infartos do miocárdio.

Daí que, quando os jovens da classe média levantam a “bandeira dos 20 centavos”, mesmo sem andar de ônibus, como alguns já disseram, eles dão muitos gritos.
Gritam nas ruas pelos que não gritam, não querem gritar, não têm tempo, têm é pressa para chegar em casa, jantar e ver a novela.

Em 1969, espremido dentro dos ônibus lotados, o povão olhava com estranheza aqueles jovens da classe média sobraçando livros serem espancados pela polícia, enquanto berravam ensanguentados “pelo povo e abaixo a ditadura!”.

Mas o povo dos ônibus tinha pressa para ir dormir, descansar do dia puxado de trabalho. Pressa pra ir buscar ou levar os filhos na escola. Pressa pra fazer seu curso noturno e, com o diploma, ter um salário melhor. Pressa pra tirar os sapatos, esticar as pernas. Pressa pra uma chuveirada, mesmo fria.

Passadas cinco décadas, nosso povo continua com pressa pra conseguir lugar na barca. Pra chegar à estação do trem, à rodoviária. Pressa pra fazer a baldeação de dois, três ônibus, até seu ponto final. Pressa para botar a cabeça no travesseiro, pois há sempre o dia seguinte.

O povo tem pressa da pressa. Os jovens têm pressa das ruas. A polícia tem pressa de bater. Os partidos políticos têm pressa de ganhar eleição. E quem tem pressa de defender o Brasil?

Quem tem pressa de dar a esses jovens de 2013 uma bandeira de que o Brasil necessita com urgência? A bandeira do patriotismo!

Coragem de mostrar aos jovens as vísceras da realidade brasileira, oculta sob os panos cirúrgicos de uma vergonhosa operação lambança, a dos leilões petrolíferos da margem equatorial brasileira, roubando a estes mesmos jovens o seu futuro? Aquele futuro brilhante prometido na campanha eleitoral?

A Agência Nacional de Petróleo acaba de vender um bilhete premiado às empresas petrolíferas estrangeiras e todos se calaram.

Perplexos, assistimos em maio passado como que a um grande conluio entre as classes dominantes em todas as esferas  – Executivo, Legislativo, Judiciário, grande mídia – parecendo compactuarem com o que, aos tempos de FHC, disse o primeiro diretor geral da ANP a uma plateia de empresários top: “O petróleo é vosso!”.

É fundamental levar a essa juventude inquieta das ruas a realidade desses leilões de entrega do patrimônio nacional às multinacionais, sem compensação ao povo brasileiro, um crime de lesa-pátria, um escárnio, um escarro na Soberania Nacional.

Pressa, temos pressa para que seja cumprida a promessa de campanha da candidata Dilma: “O pré-sal é o nosso passaporte para o futuro”.

No entanto, passadas as eleições e às vésperas de uma próxima, vemos chocados a retomada dos leilões, inclusive das áreas regidas pela Lei 9478/97, aquela que dá todo o petróleo a quem o produz e, para a União, apenas a suave obrigação de pagar módicos, inexpressivos, 10% de royalties, em dinheiro!

Migalhas atiradas da mesa da Casa Grande (os grandes grupos multinacionais) aos da senzala de sempre (nós).

Jovens das ruas, o Brasil precisa desesperadamente do protesto indignado de vocês contra o desprezo por uma questão estratégica para o País!

A corajosa juventude brasileira precisa, com pressa, fazer sua voz alçar voo, junto com o condor de Castro Alves, e bradar que a Petrobras não precisa leiloar nada, pois já descobriu mais de 54 bilhões de barris no pré-sal, que, somados à reserva anterior de 14 bilhões de barris, nos dão uma auto suficiência para mais de 50 anos.
Por que, então, essa teimosia em realizar os leilões? Por que essa pressa?

Vemos hoje estrangulamentos sucessivos e ilegais na Petrobras, obrigando a empresa a importar derivados por preços menores do que é obrigada a vender no país.

Mas não obrigam as concorrentes multinacionais a fazerem o mesmo.

Vemos abrirem o caminho para o cartel internacional atuar em bloco e se beneficiar da eventual impossibilidade da Petrobras participar dos leilões. No da margem equatorial, foi pífia a participação da petrolífera brasileira, enquanto os compradores estrangeiros saíram deles de pança cheia e palitando os dentes (nada temos contra os investidores internacionais, mas não queremos ser explorados).

No caso do pré-sal, é previsto na nova lei 12351/10 que o vencedor do leilão é aquele que der maior percentual do lucro para a União.

Se a Petrobras não participar, o cartel poderá ganhar blocos com uma oferta irrisória do percentual do lucro, o que anularia o esforço do Governo Lula para neutralizar o estrago que a Lei 9478/97 tem feito ao País.

A última novidade foi a Receita Federal desengavetar esta semana um processo tentando impedir a Petrobras de participar dos próximos leilões do pré-sal. Se alguém chamar de complô, não estranharemos.

Jovens das ruas, aí está uma causa fundamental! Uma causa que definirá o seu futuro. Bandeira costurada na medida da sua energia à flor da pele, à flor de seu grito e de seu coração aberto: modulem a voz, engrossem o grito, deem à sua luta maior potência e tônus!

Afinal de contas: era ou não era o petróleo que iria garantir a nossa educação?

Já somos assaltados indefesos, nas ruas e dentro de casa.

Vamos reagir contra o pior de todos os assaltos: aquele contra a nossa possibilidade de independência, cidadania, prosperidade e futuro!

Vamos defender nossos interesses. O interesse do povo brasileiro.

Ser patriota não está fora de moda. Ainda está valendo. Esse papo de globalização é só pra nós. Nos países deles todos se ufanam da Nação que têm.

Vamos dar o nosso grito do Resgate Patriótico!

 

debret-7Se não abrirmos o olho e levantarmos nossa voz, o Brasil, mesmo com todo o seu petróleo do pré-sal, continuará senzala do mundo, curvando a cabeça e recebendo as migalhas da “Casa Grande” dos países poderosos

Não custa lembrar e até declamar o poema épico do ‘poeta dos escravos’ Castro Alves, cujos versos do século 19 vêm a calhar neste 21

Ao Povo o Poder
“A praça é do povo! como o céu é do condor”.
É o antro onde a liberdade
cria águias em seu calor.
Senhor, pois quereis a praça?
Desgraçada a população!
Só tem a rua de seu…
Ninguém vos rouba os castelos,
Tendes palácios tão belos…
Deixai a terra ao Anteu.
Mas embalde… que o direito
Não é pasto de punhal
Nem a patas de cavalo
Se faz um crime legal…
Ah! não há muitos setembros!
Da plebe doem-se os membros
No chicote do poder,
E o momento é malfadado
Quando o povo ensanguentado
Diz: já não posso sofrer.

15 ideias sobre “JOVENS DAS RUAS: QUEM SABE FAZ A HORA NÃO ESPERA O PIOR ACONTECER!

  1. Hilde vc. tem razão em apoiar o atual governo PT. Certamente faz isso mais pela emoção de ter perdido sua mãe e irmão na antiga luta. Mas pondere friamente pela sua lógica e inteligente razão e veja se estamos no caminho certo de uma democracia honesta e justa.

  2. Hildegard, parabéns pela sua coragem em manifestar seu ponto de vista. A propósito, o atual governo federal se orgulha de ter levado milhões de brasileiros para a classe média!

  3. Oxalá todos espalhassem aos quatro cantos o grito: basta! Basta de corrupção, de desmandos, de roubalheira, de impunidade e inconsequência! Querem nos impingir uma culpa e já estão enchendo os ouvidos de todos que quem está reclamando não querem o bem do país. Estão armando. Fiquemos atentos!!!

  4. Governante é resultado e não causa.
    O grande problema do brasileiro é apontar para os políticos e não olhar para o
    próprio umbigo. Os jeitinhos, as amizades, os acertos são os responsáveis pela situação atual e não falo de classe governante, falo de sociedade, seja cidadão sejam pessoas jurídicas ou mídia. . Lembre-se que a Folha, campeã da moralidade (????) num dia manda arrebentar e depois de sua repórter ter sido atingida, solta um vídeo de apavoramento, com melodia melodramática de caetano onde seus notórios articulistas fascistas se mostram preocupados com o que acontece nas periferias e com os revolucionários que no dia anterior foram chamados de baderneiros. Tudo se dá um jeitinho. Hipocrisia pura e nojenta sem mencionar o santo de tanta violência.
    Se a classe média é oprimida, o que dirá a classe abaixo dessa e muito em razão desse toma lá da cá de anos de acordos das classes médias e seus eleitos que de modo cruel tratavam os mais pobres como estorvo. Quem tem mais do que reclamar neste país? Pensar que é essa nova classe que está segurando a peteca do país ninguém pensa.

    O movimento já tomou forma e aquele grupo que enche a boca pra falar em bolsa vagabundo já o tomou pra sí.

  5. Oprimidos “todos” somos.

    Todos entre aspas porque existe uma parcela da sociedade que vive à margem de tudo isso há anos. Não se importa e não está nem aí para tudo isso.

    O jeitinho brasileiro é extremamente nocivo, mas o jeitinho de sempre ser dar bem, levar vantagem em tudo. O jeitinho inventivo do brasileiro esse sim é saudável, que nos leva adiante e deve ser incentivado sempre.

    Somos resultados de nós mesmos, das nossas escolhas. Estamos colhendo o fruto da nossa alienação política, cultural, etc. O que mais me deixa intrigado é que como seres humanos falhos que somos temos o direito de errar, mas temos o direito, também, de consertar os nossos erros e aprendermos com eles.

    A postura agora é de mudar, mas com propriedade. A partir do momento que deixarmos de acreditar nisso morremos com sociedade, como país. A nossa história acabou.

    Temos que parar de falar que é um grupo de classe média, que não são os pobres, etc. É preciso pensar em todos. Até porque historicamente falando nenhuma revolução aconteceu com pobres, eles são logo cortados de tudo. É preciso incluí-los nisso tudo e não excluí-los. Chamá-los para o que pode ser, disse pode, um passo maior que esse país já deu.

  6. Hilde, Tenho uma amiga que ganha R$500,00 a menos que eu. Tu não tens ideia a quantidade de benefícios que ela e sua família tem. Esses R$500,00 para ela significam entre cursos gratuitos, universidade, entre outros, mais que o dobro do meu salário. Ou seja, ela ganhando menos que eu termina por ganhar muito mais. E eu termino por ganhar a metade do que ela ganha pois não tenho benefício algum. Eu me sinto muito esquecida. Nunca poderei proporcionar aos meus filhos tudo que ela (governo) proporciona aos filhos dela. Eu me sinto muito esquecida. Eu sou da classe média

  7. Incrível esse artigo!!
    Esse texto me trouxe uma reflexão que me levou a entender o porquê das pessoas torcendo o nariz para estes protestos da tarifa, dos vinte centavos…

    Talvez seja paranoia e uma comparação exagerada da minha parte, mas vamos lá…

    O movimento começou de uma forma e tomou outra proporção.
    É possível que essa força que ele ganhou seja atribuída a outros grupos que surgiram, grupos estratégicos, grupos estratégicos políticos – que não tem nada a ver com os “Partidos Sem Povo”.

    Esses grupos supostamente infiltrados nas manifestações podem estar contribuindo para distrair, dispersar, influenciar e até mesmo manipular as marchas levando-as para algum caminho (no caso, vários se esses grupos estiverem competindo entre si). Taí o perigo de ir pras ruas de maneira desgarrada e sem rumo.

    Isso tudo me faz lembrar o surgimento do movimento hippie (posso chamar de “epidemia sociocultural”? Um dos maiores movimentos da história da humanidade? Enfim…). Há quem afirme que esse movimento pela paz e pelo amor foi usado para distrair revoltosos de uma guerra e transformá-los em pacifistas – menos barulhentos, fazendo-os acreditar que eram heróis anarquistas. Ainda nessa teoria, acredita-se que drogas como a LSD tenham entrado sutilmente no meio (aqui entram os infiltrados, suas estratégias, seus caminhos…) para dar lugar ao psicodelismo, as artes, até entrar a indústria fonográfica e desviar de vez o foco do movimento, que viraria uma grande lenda utópica.

    Essa é apenas uma versão da história e eu não estou dizendo que acredito e concordo com ela, pelo contrário, adoraria ser uma hippie se tivesse vivido essa época, rs. Mas supondo que essa versão tenha algum sentindo… Fazendo uma analogia… Quais são as estratégias nessa movimentação atual? Pra que caminhos tortos e escuros querem nos levar? Que grande utopia estamos vivendo? Que drogas estão nos oferecendo? Talvez tenha alguma LSD que esteja nos cegando diante das respostas.

    • Hildegard, li novamente com calma e percebi que me equivoquei ao postar o comentário acima (que está aguardando moderação).

      Há pessoas falando pelos cotovelos e se reportando aos jovens desses protestos que estão acontecendo como “jovens da classe média” de forma grosseira e ignorante.. E por isso interpretei tudo errado.

      Sou de Diadema, nada tenho de “classe média” mas esses jovens merecem meu respeito, porque estão lá no meu lugar apanhando!

      Por gentileza, ignore a minha postagem anterior.

      Obrigada.

  8. Sei não Hilde… fiquei preocupado desde que comecei a ver “velhos fascistas” com seus “rostos novos” postando no Facebook do MPL coisas como:

    - pedidos de deposição de Dilma Rousseff.
    - textos dos A.I.s pós 1964 contra a corrupção.
    - defesas apaixonadas da pena de morte, redução da maioridade penal e até da entrega do Pré-Sal aos EUA.

    Fui lá trocar porrada virtual com os fascistas e tentar esclarecer algumas coisas aos garotos. Fiz isto nos últimos dias, mas ontem o MPL me bloqueou no Facebook. Os fascistas, contudo, continuam postando lá suas teses e o MPL parece não querer bloqueá-los.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>