Os príncipes Serpa, os mecenas Medici e a Orquestra Sinfônica Cesgranrio

Os Medici

 Os Medici não eram monarcas. Tornaram-se ricos e influentes com o comércio de tecidos, daí a uma dinastia política italiana, dando origem a quatro papas, direito por hereditariedade ao Ducado de Florença e à Toscana, que governaram. Tudo, através deles e com eles, florescia. Sobretudo as artes. Inspiraram a origem da Renascença italiana, expandindo sua influência por toda a Europa. Desenvolveram o sistema contábil de débito e crédito, revolucionaram usos, costumes e etiqueta nas cortes, onde até o uso dos talheres introduziram, atingindo seu apogeu entre os séculos 15 e 17. Distinguiram-se sobretudo pelo mecenato, lançando e apoiando os grandes artistas de seu tempo. Tornaram-se referência, na História, de um comportamento repetido através dos tempos pelas grandes fortunas. Não há milionário culto e importante no mundo que não deseje, como fizeram os Medici, deixar seu legado nas artes para a Humanidade. Estão aí as grandes doações aos museus, as coleções preciosas de nomes de poder.

Os Serpa

A Dinastia de Serpa, também chamada Casa de Serpa, originou-se com  D. Fernando de Portugal (1217 – 1246), Infante de Portugal e Senhor de Serpa, filho de Afonso II de Portugal e D. Urraca de Castela, rainha de Portugal (11861220), filha de Afonso VIII de Castela, rei de Castela, e de Leonor Plantagenetaprincesa da Inglaterra e Rainha de CastelaFernando, dito Infante de Serpa, casou-se em 1200 com a filha do conde Nuñez de Lara, D. Sancha, mas não tiveram filhos. Mas ele teve um único herdeiro ilegítimo, o Prior de Santo Estevão de Alfama, D. Sancho Fernandes Serpa. D. Sancho, o primeiro a usar o sobrenome Serpa, representava um dos ramos que poderiam levar à sucessão da coroa portuguesa na Dinastia de Borgonha (chamada de Afonsina). Contudo dado que D. Beatriz de Portugal foi destronada em 1835, a Dinastia de Borgonha (de D. Sancho Serpa) deixou de ser a Casa Real. Com isso, o Ramo de Serpa não se conforma, e defende que, se a dinastia de Borgonha voltasse ao poder, eles reinariam, pois deveriam ser os legítimos herdeiros ao trono da dinastia Afonsina. Na virada para o século 20, José Joaquim de Serpa, 1º Visconde de Alvor, fez uma investida, através da chamada Declaração de Serpa, assinada por diversos Serpa, em 1911, formalizando junto aos monarquistas a chamada égalité de naissance (igualdade de nascimento) entre os descendentes de D. Afonso II. Com isso, eles passaram a se intitular “Príncipes de Serpa” e conservaram entre si o tratamento de Alteza Real, transmitido aos descendentes do Infante de Serpa.

A fusion

Bem, não sei se, em algum momento nos antigos tempo, os Medici da Itália se cruzaram com os Serpa de Portugal, e os Serpa com os Medici. Assim como desconheço se os Serpa de antigamente praticavam, como os Medici, as benesses do mecenato. Posso, porém, assegurar, que, no despontar deste Século 21, na tropicalidade trepidante de um país chamado Brasil, por um fenômeno qualquer desses tempos novos, que uns dizem ser de fim outros de começo, as duas famílias fundiram-se filosoficamente em uma única, resultando dessa mixagem um fruto de rara qualidade.

Pois tal fruto guarda no DNA o gene de um monarca legítimo Afonsino, da dinastia de Borgonha, o tino empresarial de um comerciante têxtil florentino, a fé católica de quatro papas e de um Prior de Santo Estevão, o gosto pelos rituais sofisticados e a ousadia de revolucionar até os hábitos das cortes, a mente matemática de engenheiro que inova créditos e débitos, a obstinação de um Visconde de Alvor, o gosto pelas artes e, o fundamental: um compulsivo prazer em ajudar o próximo, principalmente quando se trata de fazê-lo crescer através de seu trabalho artístico.

Um homem voltado com paixão para o mundo das artes, sejam elas a música, o teatro, as letras, o cinema, qualquer forma de expressão que transmita a sensibilidade de um artista vocacionado.

Para isso, Serpa/Medici não mede esforços, tempo, dedicação e investimento. Soma apoios de investidores, fundações sob sua gestão ou de parceiros, num efeito multiplicador que jamais se extingue.

Este Homo Sapiens, para usar o termo do momento 😉 , Homo Sensibilis, Homo Bonus, é o Carlos Alberto Serpa. Tendo ao lado, é claro e naturalmente, sua Mulher Sapiens, a Beth 😉 😉 .

Esta semana, nossos Amigos Sapiens receberam para uma noite extraordinária, lotando o Theatro Muncipal do Rio de Janeiro, com a primeira apresentação da Orquestra Sinfônica Cesgranrio. Sobre a qual já falei em post anterior: http://www.hildegardangel.com.br/?p=44259&preview=true&preview_id=44259&preview_nonce=b0ba62e961&post_format=standard

Foi uma noite de ovação, aplausos de pé e bis. Consagradora.

Tão tocante quanto a performance dos instrumentistas e do magnífico regente Eder Paolozzi,  foi a emoção daqueles jovens, seus sorrisos de indisfarçável contentamento por estarem naquele palco, como se vivessem um sonho difícil de dele despertar. Saímos todos de lá, acredito, ainda mais emocionados do que todos eles.

Obrigada Serpa, obrigada Beth, por nos permitirem, graças à sua enorme generosidade, à sua fantástica visão, nos sentirmos bondosos também

Beth e Carlos Serpa

Beth e Carlos Alberto Serpa -Theatro Municipal, estreia da Orquestra Cesgranrio com um público de mais de 500 pessoas, evento fechado para convidados do meio musical, empresarial e sociedade. Após a estreia foi oferecido na Casa de Arte e Cultura Julieta De Serpa coquetel para 150 convidados.

maestro e orquestra.jpg1

A jovem Orquestra Sinfônica Cesgranrio – Entre os presentes, a secretária de Educação Estadual Eva Doris, Pedro Grossi, os atores Suzana Faini, Tadeu Aguiar  e Silvia Massari

Carlos Serpa e o secret educação Marcelo Calero

O mecenas Carlos Alberto Serpa e o secretário municipal de Cultura, Marcelo Calero – Em seu primeiro concerto, o grupo executou três obras ícones da música clássica: a abertura da ópera “A Flauta Mágica”, KV.620, de Mozart; e o Concerto para piano nº 4, em Sol Maior, Op 58 e a Sinfonia nº 5 em Dó menor, Op.67, ambos de Beethoven.

Sonia e Marcio Dias.jpg1

Sonia Romano e Márcio de Oliveira Dias

Belita Tamoyo e Suzete Conteville

Belita Tamoyo recebeu Suzete Dourado em seu camarote

Lucia Grossi

Lucia Grossi

Heitor e Lilian Gurgulino

Heitor e Lilian Gurgulino

Liane Resende, Maria Tereza Fatorelli , Regina e Miguel Padilha(1)

Liane Resende, Maria Teresa Fatorelli, Regina e Miguel Padilha

Glaucia e Mauricio Zacharias

Glaucia e Maurício Zacharias

Heckel e a mãe Cleuba Verri.jpg1

Heckel Verri e sua mãe, Cleuba Verri

pianista Patricia Glatzl

A pianista Patricia Glatz

Daise e Julio Fabbriani

Daisi e Julio Fabbriani

Arnaldo Niskier, Bernardo e Ronaldo Cavalheiro

Arnaldo Niskier, Bernardo e Ronaldo Cavalheiro

Sonia e Antonio Henrique Simonsen

Antonio e Sonia Simonsen

Renata Fraga

Renata Fraga

Fernando Resende e Ana Borges.jpg1

Fernando Resende e Ana Borges

discueso de Carlos Serpa entre os músicos 3jpg

A Orquestra Sinfônica Cesgranrio e, ao fundo, o discurso do presidente do Cesgranrio. Além do maestro Paolozzi, a Banca Examinadora dos 200 estudantes que foram testados na formação da orquestra foi composta por  André Cardoso, atual presidente do Academia Brasileira de Música; Myriam Dauelsberg, doutora em Musicologia pela Universidade de Sorbonne; e Carlos Prazeres, regente titular da Orquestra Sinfônica da Bahia.

Alexandre Machafer, Carlos Serpa, Gustavo Tavares e Robson Maia

Alexandre Machafer, Serpa, Gustavo Tavares e Robson Maia

Ana e Belita Tamoyo, Ana Botafogo e Carlos Serpa

Flavia e Belita Tamoyo, Ana Botafogo e Carlos Alberto Serpa

Fotos de Marcelo Borgongino

 

Preparem o coração : ‘Em Busca da Verdade’ – o Documentário para ser assistido por todos sobre a Ditadura de 64

Documentário apresenta as principais investigações da Comissão Nacional e das Comissões Estaduais da Verdade sobre as graves violações de direitos humanos ocorridas durante a Ditadura de 1964. Preparem o coração.

Tonia Carrero, Eva Wilma, Odete Lara, Norma Bengell e Cacilda Becker – a primeira linha de nossas grandes atrizes conscientes e corajosas

 

Convivendo com gays no universo da moda, Ruth Joffily descobriu que ‘todo amor merece brilhar’

“Todo amor merece brilhar” é o livro da professora Ruth Joffily  na plataforma da Bookstart para ser editado em papel e em e-book.

 

Ruth Joffily é uma voz a ser ouvida e considerada. Sua sensibilidade é reconhecida. Seu currículo é qualificado. Fez Comunicação na Universidade Federal Fluminense. Trabalhou como estagiária no Globo. Foi editora-assistente na Claudia Moda e editora das revistas Desfile e Desfile Coleções, da Bloch. Estagiou nas revistas de fotonovelas Sétimo Céu e Amiga, posteriormente integrou a editoria de moda. Criou o primeiro curso de jornalismo e produção e moda no Centro Cultural Cândido Mendes, em Ipanema, onde. Durante oito anos coordenou a primeira pós-graduação de produção de moda, criada pela parceria acadêmica do Instituto Zuzu Angel (IZA) com a Universidade Veiga de Almeida..

Ao iniciar seu trabalho como produtora de moda, Ruth passou a trabalhar, sobretudo, com mulheres e com homossexuais, pois, como esta colunista sempre denunciou em seus artigos e palestras, o preconceito contra a moda sempre foi tão grande que a escalação de profissionais para cobrir o setor não se dava pelo saber, era pelo gênero.

A escolha recaía invariavelmente sobre as mulheres e os homossexuais. A moda, desde sempre, constituiu-se, no jornalismo brasileiro, num “gueto feminino/gay”(preconceituoso porque, se um gay ou uma mulher tivessem, digamos, pendor para cobrir o futebol, a polícia ou a economia, isso seria ignorado pelos editores, prevalecendo a moda).

Foi convivendo com homossexuais que Ruth percebeu que todos eram muito cultos. O clima no trabalho era de harmonia. Não existia homofobia, nem preconceitos. Havia produtores gays, maquiadores gays, cabeleireiros gays, alguns modelos eram gays, assim como havia estilistas gays.

Trabalhando com profissionais homoafetivos, Ruth Joffily aprendeu que ninguém escolhe ser gay. A pessoa nasce gay. Na moda, ninguém fica dentro do armário, é uma atividade que promove a liberdade de ser e a felicidade de criar. Ninguém tem vergonha de se mostrar como é. Às vezes até exagerando nos tons.

No mundo da moda e do ensino de moda, Ruth jamais ouviu falar em crítica aos gays da atividade, descriminação, bullying ou homofobia. Diferenças são respeitadas, pois professores e alunos empenham-se em criar, não em copiar, e lutam para não serem submetidos a uma uniformização.

Foi dessa convivência enriquecedora que nasceu o livro, um verdadeiro guia de respeito às diferenças, com a colaboração de Laura Oldenburg e Marco Antonio Gay, com depoimentos de:

– Caetano Gusmão, cabeleireiro

– Luiz de Freitas, estilista

– José Bernardino Cardoso Júnior, bancário

– Carlos Tufvesson, estilista e militante de direitos humanos

– Jane Di Castro, cabeleireira, atriz, cantora, transexual

Agora, vamos aos detalhes importantes, para tornar esta obra uma realidade, com nossa participação (minha e sua):

Contribuindo com R$12, você recebe a obra em formato e-book.

Contribuindo com R$30, você recebe:

– o livro impresso

– o livro em versão e-book

Contribuindo com R$80, você recebe:

– uma camiseta exclusiva

– o livro impresso

– o livro em versão e-book

Contribuindo com R$120, você recebe:

– uma sessão de Skype de 2h com a autora, que lhe dará uma consultoria sobre moda

– o livro impresso

– o livro em versão e-book

Contribuindo com R$300, você recebe:

– seu logotipo estampado na contracapa de todos os livros desta tiragem, atingindo um público qualificado

– um exemplar do livro impresso

– o livro em versão e-book

As trevas emergiram ao protagonismo

Deputados líderes de partidos, que iriam votar “Não”, pediam para se manifestar e tinham a palavra negada. Ou, quando ela lhes era dada, o microfone era cortado no meio da fala, aos risos, provocações e chacotas de bolsonaros e malafaias. Este é o novo congresso brasileiro.
E o cordão dos puxa-sacos pedia a palavra a cada minuto para louvar o “espírito democrático” do presidente. Um espetáculo de escandalosa hipocrisia como só se vê no teatro ou em pregação de seitas para extorquir as economias de seguidores ingênuos. Isso, os deputados em questão faziam com traquejo de PhDs.
Sem esquecer os truculentos, com aspecto de milicianos tiranos de comunidades de infelizes desfavorecidos, ou alguns políticos coronéis do Nordeste, há gerações se alimentando do sangue sertanejo e assim pretendem continuar a fazer.
Ou mesmo o espetáculo patético dos coxinhas saltitantes de terno e colarinho, esgoelando “nós temos a Força”, julgando ser o herói He-Man no Castelo de Greyskull, porém de fato alinhados às forças do maligno Esqueleto, que “planeja mil trapaças e nunca vai desistir”.
Quem assistia às cenas de casa, deprimia-se. Apavorava-se. Pois aquela era uma amostra, ainda pálida, do futuro sombrio que se delineia para nosso país.
Um ‘representante do povo’ agarrou o o microfone eufórico para dar a má notícia – como se ótima fosse – de que a popularidade da chefe da nação, segundo pesquisa daquele momento, baixara à marca de um único dígito. Alcançávamos a instabilidade institucional.
Já de madrugada, estávamos assistindo, ao vivo e a cores, no conforto de nossas camas, ao desconforto do processo célere de um golpe anunciado.
Jamais imaginei ser plateia de tal espetáculo de horrores, quando menos importava o conteúdo da Lei 171 e muito mais a ironia emblemática do seu número, inspirando picaretagem, aplicável a tantos ali presentes, com ares superiores de quem queria deixar claro sua atual preponderância sobre os destinos da Pátria.
Voltamos à Idade Média, não duvidem.
Foi de grande eficiência a lavagem cerebral operada sobre as mentes desprotegidas do povo trabalhador, sem tempo e sem opções para diversificar suas opiniões, já que no Brasil se pratica o monopólio da mídia de massa, por grande e única responsabilidade de sucessivos governos subservientes e coniventes com os grandes grupos de comunicação.
Sem esquecer os analfabetos funcionais, que candidamente se julgam plenamente capazes de perceber e avaliar os fatos com clareza. São as presas mais fáceis dos manipuladores.
A mídia mais poderosa, o empresariado conservador e os partidos de oposição, acreditando poder moldar o quadro nacional ao seu gosto, se homiziaram a esse esquema político maléfico, que naquela noite se mostrou incontrolável e sem limites, e eles já devem agora estar projetando seus prejuízos e arrependimentos.
Só nos resta chorar e aguardar o desenrolar desse drama, como inexpressivos figurantes sem fala da última fila do coro.
As trevas emergiram ao protagonismo.

Mais um sonho impossível realizado por Carlos Alberto Serpa: a Orquestra Sinfônica Cesgranrio

Sob a batuta do maestro Eder Paolozzi, um dos jovens regentes brasileiros de maior destaque, a Orquestra Sinfônica Cesgranrio fará sua primeira performance para o público no mais nobre dos espaços culturais do país: o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no dia 30 deste junho, numa noite para convidados, com nomes top da classe artística, da sociedade carioca, do empresariado e o poder público, principalmente nas áreas da cultura e da educação.

A Sinfônica Cesgranrio é única, pois se trata de uma Orquestra Escola, com 50 participantes todos estudantes de música, executando violino, violoncelo, flauta, trompa, clarineta, viola, contrabaixo, tímpano, oboé, fagote e trompete, que terão a oportunidade de se apresentar em vários locais, para plateias diversificadas, vivenciando o dia a dia de um profissional antes mesmo de se graduarem. Constam da agenda lançamento de CD e itinerância, formando-se novas plateias para a música erudita.

A proposta é ambiciosa desde a escolha do maestro Paolozzi, com a chancela de Isaac Karabtchevsky, que o escolheu, em 2011, para atuar em escolas do estado no projeto “Corais da Paz”. Paolozzi é formado em regência, composição e piano pelo Conservatório Giuseppe Verdi, de Milão, e em violino pelo Trinity College of Music, de Londres. No seu currículo, a regência, como convidado, da Petrobras Sinfônica, a Sinfônica da Bahia, a Sinfônica do Recife, a Sinfônica de Porto Alegre e a Sinfônica Heliópolis.

Não será apenas a realização do ‘sonho impossível’ desses jovens artistas. Carlos Alberto Serpa, o presidente da Cesgranrio, é outro que sonha junto: “A criação desta orquestra satisfaz a uma necessidade cultural. Através da música, podemos levar cultura a todos os nossos jovens. O que é particularmente encantador é poder capacitar alunos de escolas públicas, que não têm esse contato com as artes no seu cotidiano. É mais uma contribuição que a Cesgranrio traz para a cultura do Estado do Rio de Janeiro: levar a música, através dos virtuoses desta orquestra, a escolas, universidades, centros culturais e teatros de vários locais.

orquestra Sinfônica  da Fundação Cesgranrio

Em seu primeiro concerto, no Theatro Municipal, a Orquestra Sinfônica Cesgranrio, regida por Eder Paolozzi,  vai executar a abertura da ópera A Flauta Mágica, KV.620, de Mozart; e o Concerto Para Piano nº 4, em Sol Maior, Op 58 e a Sinfonia nº 5 em Dó menor, Op.67, ambos de Beethoven.

Lula, o que você faria se só lhe restasse um dia?

E Lula falou. Era o que todos esperavam. Ao lado de Felipe Gonzalez, para uma plateia de religiosos, Lula abriu a alma como uma beata compungida, ajoelhada diante da grade obscura do confessionário: “Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto, e eu estou no volume morto. Estamos perdendo para nós mesmos”.

Falou e não surpreendeu. Quando muito, ganhou as manchetes dos sites da hora e dos jornais do dia seguinte, logo superadas pelas próximas manchetes, pois a usina de produção opera fumegante, alimentada pelos frentistas dos reservatórios de más notícias, que, quando não existem, são criadas.

Lula disse o que todo mundo já estava cansado de saber. Como se, Belo Adormecido, em estado de entorpecimento, tivesse sido despertado pelo beijo de uma reação retardatária. Acordou tarde. O futuro próximo dirá se tarde demais.

Assento de poltrona nova, em casa de família grande, ganha o formato daquele que se senta primeiro. Depois, ninguém consegue ocupar. Não só na política, em todos os setores da vida, não se pode deixar flanco nem espaço vago, que logo serão tomados.

O PT enfiou a cabeça na areia como avestruz envergonhada, ao longo de todo o processo do mensalão. A ave não voadora, curiosamente, traiu a própria espécie e alçou voo em todas as direções, sumindo do horizonte, abandonando à própria sorte os companheiros, que no jargão de guerra estariam servindo de “buchas de canhão”.

Lula fez seu mea culpa diante de Vossas Reverendíssimas: “Nós começamos a quebrar a cara ao tratar do Mensalão juridicamente. Então, cada um contratou um advogado muito sabido, esperto, famoso, desfilando por aí, falando que a gente ia ganhar na Justiça. E a imprensa condenando… Quando chegou o dia do julgamento, o pessoal já estava condenado”.

Com toda a admiração, que efetivamente tenho pelo ex-presidente, os governos do PT, seus e de Dilma, ‘quebraram a cara’ quando se omitiram no ‘Mensalão’ e não fizeram valer sua autoridade diante das gritantes arbitrariedades cometidas com o claro objetivo de desestabilizá-los, baseando-se os processos em depoimentos questionáveis, provas refutáveis, ‘domínios de fatos’ não domináveis, cerceamento de defesas, instâncias equivocadas e outras inúmeras aberrações jurídicas, sob a chancela e os aplausos de pé de uma mídia vergonhosamente parcial.

Assistiu então o Brasil ao primeiro capítulo de uma tragédia anunciada, que continua a se desenrolar na cena nacional, com ‘cabezas’ cortadas em série, rumo a um ápice avidamente esperado por opositores, que, se não vencem nas urnas, o farão no tapetão. Ou vai ou racha.

Após o estraçalhamento, pelo efeito ‘Mensalão’, de um dos mais belos, comoventes e dignos legados deixados às novas gerações de brasileiros – a luta heroica dos jovens mártires idealistas de 68 contra a tirania e os horrores praticados pela recente ditadura militar no país – somos testemunhas da tentativa bem sucedida de se desmoralizar, aos olhos da Nação, a Petrobrás. A mais importante empresa do país. Premiada internacionalmente por suas competências. Respeitada, reverenciada e ambicionada. A empresa que desenvolveu as tecnologias das águas profundas e sozinha localizou a riqueza incomensurável do Pré-Sal.

A Shell, li esta semana, já depende 20% de nosso Pré-Sal, e a projeção é de que em muito breve dependerá 60%.

No dia 30 próximo, daqui a  três dias*, irá a plenário no Senado o projeto de José Serra que reduz a participação da Petrobras no Pré-Sal. O PLS 131/2015 entrega o Pré-Sal em regime de urgência. Será dada então de imediato a partida para favorecer as petroleiras estrangeiras.

Presidente Lula, não é o PT que está em causa.  É o Brasil, é o nosso futuro. Não é a falta de idealismo de seus membros, que segundo o senhor se acomodaram, só pensam em cargos e salários, não vão mais às ruas, não se mexem e por isso precisam de novas motivações.. A causa somos todos nós, ex-presidente Lula.

Restam apenas três dias*. Pois aí está uma bandeira a se abraçar, em hora aflita, quando vemos esvair entre nossos dedos a esperança de um Brasil ansiosamente sonhado e aguardado, com educação e saúde para todos, através da riqueza do nosso Pré-Sal.

Paulinho Moska escreveu e Lenine cantou, “o que você faria, se lhe restasse apenas esse dia?”. Bem poderia ser hino deste momento.

O QUE VOCÊ FARIA?

Meu amor
O que você faria
Se só te restasse esse dia?
Se o mundo fosse acabar
Me diz o que você faria

Ia manter sua agenda
De almoço, hora, apatia?
Ou esperar os seus amigos
Na sua sala vazia…

Escute a música clicando abaixo ou veja o restante da letra em

http://letras.mus.br/lenine/401391/

 

três dias* – Atualização no dia de hoje, conforme a contagem regressiva.

 

 

Insucesso de Babilônia é o retrato do novo umbigo do Brasil: disforme e retalhado pelo obscurantismo

beijo babilonia

Neo-pentecostais chiaram, conservadores católicos endossaram e o obscurantismo que assola o Brasil apedrejou o desempenho de duas de nossas maiores atrizes, magníficas e sublimes, Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro – “Globo de Ouro” nos Estados Unidos. A arte imita a vida e vice-versa. A função é esta. E poucos como Gilberto Braga o fazem com tal nobreza e sensibilidade. Tem sido enxovalhado. Este é o retrato do novo Brasil do retrocesso cultural, social e político.

Criticar a novela Babilônia até já saiu de moda. Como se as pessoas tivessem se cansado de chutar o cachorro morto ou se já tivesse passado a temporada de malhação do Judas. Ficou decidido que a novela é ruim, não tem salvação e, pior, que o autor, Gilberto Braga, é promissória vencida.

Com a mesma velocidade com que uma perua fútil troca de bolsa Louis Vuitton a cada estação, a mídia especializada em TV e dramaturgia praticamente concorda com as premissas acima, sem refletir sobre sua própria responsabilidade diante do cenário monstruoso que se delineia para a cultura brasileira, sob o beneplácito de sua passividade cega.

Cegos e desmemoriados aqueles que ignoram o talento extraordinário e a sofisticada sensibilidade do autor de novelas como Dancin’ Days, Água viva, Brilhante, Louco amor, Corpo a corpo, O dono do mundo, Pátria minha, Força de um desejo, Vale tudo, Celebridade, Insensato coração e Paraíso tropical, que lhe valeu um prêmio Emmy. Autor dos seriados Anos dourados e Anos rebeldes.

Não há como um artista desse nível de refinamento criativo, já demonstrado, provado e comprovado, da noite para o dia despir-se de sua conhecida aptidão de se identificar com seu público, testá-lo, cativá-lo, exercer sobre ele domínio pleno, através de suas tramas irresistíveis, talentos que Braga sempre exerceu com maestria.

Não, não foi Gilberto quem mudou. Ele permanece íntegro e preservado em sua sensibilidade. Afinal, o escritor Gilberto Braga é uma espécie de Maria Bethânia das novelas. Seu ritual de vida é tal e qual o da cantora, que permanece anos a fio encaramujada em sua casa do Joá, sem dar as caras nos eventos sociais, sem dar entrevistas, sem dar pinta na TV, sem dar opiniões na mídia sobre isso ou aquilo, para ressurgir fabulosa no momento certo de uma nova temporada de shows ou no lançamento de novo CD.

Gilberto, que não sai quando está escrevendo os capítulos das novelas, é visto ainda menos entre um e outro trabalho. Sua vida é se abastecer com livros, filmes e músicas, alimentando ininterruptamente sua sensibilidade de escritor,  convivendo com amigos poucos, na maior parte das vezes em suas próprias casas, no Rio e no exterior. Não há como ele desgastar o talento na muvuca social. É espartano.

O que mudou foi o país, que no último ano ou um pouco mais, da última campanha eleitoral para cá, tornou-se retrógrado, obscurantista, conservador, falso moralista, preconceituoso. Caindo por terra, em tão pouco tempo, as conquistas sociais que levaram décadas para serem construídas: nas questões da mulher, da homofobia, dos preconceitos raciais e sociais, da liberdade de expressão.

Retrocessos do pensamento e da discussão política, quando não se permite a diversidade, quando se exige o pensamento único.

Quando o voto diferente distancia amigos, parentes, vizinhos.

Um Brasil estranho, sem luz, sem cor, sem felicidade. Que apedreja saias brancas por girarem o nosso tão inspirado sincretismo ao som dos atabaques. Que destrói tumulo de Chico Xavier, tortura e mata médiuns, incendeia terreiros.

Um Brasil que louva mulheres sem decote, com mangas e saias longas, roupas escuras, sem maquiagem, coque pra trás. O Brasil do obscurantismo.

Então, rejeitam o beijo de duas das maiores atrizes que há na cena brasileira! Mas será que rejeitam mesmo ou a rejeição foi da mídia imediatista e manipuladora? Que precipitação, quanta tolice e falta de personalidade, submeter-se ao estardalhaço de feicebuquis. Falta fez um executivo experiente e de pulso num momento desses.

Então, uma Glória Pires ninfomaníaca vira casta. E a Dira Paes “você não vale nada mas eu gosto de você”, a Norminha de Caminho das Índias, no Brasil de hoje certamente seria retirada da trama.

E a Isis Valverde, maravilhosa como Maria Chuteira de Avenida Brasil, tirando a roupa dia sim, dia também? Hoje, seria apedrejada por alguma seita neo-pentecostal de nome esquisito. A novela teria que ser modificada. Ora, façam-me o favor!

E por que a Sophie Charlotte não pode ser prostituta? Qual o problema? Prostituta é leprosa da Idade Média por acaso? Tem que andar com guiso nas pontas dos dedos?

Que novo Brasil horrendo é esse que a campanha eleitoral despejou em nossas vidas? Com suas marchas vestidas com camisetas da CBF, uniformes de exército camuflados, caras velhas pintadas e as ditas seitas evangélicas  – mais bem articuladas politicamente, ocuparam hoje os espaços do retrocesso religioso, antes dos radicais católicos, porém com um nível de intolerância jamais praticado.

Que filme de terror é esse, que os objetivos políticos de alguns, usando inclusive a fé alheia (boa fé) e o projeto de dominação de terceiros inseriram em nossa terra com palmeiras onde cantavam sabiás?…

Não cantam mais…

Voltem a cantar, eu lhes peço.

Menos atraso e mais futuro. Mais liberdade. Mais Gilberto.

O insucesso de Babilônia é o retrato do novo umbigo do Brasil: disforme e retalhado pelo obscurantismo

Obrigada.

Site baiano afirma: Marcelo Odebrecht não fará delação premiada

O colunista Rafael Freitas é um dos jornalistas mais bem relacionados e bem informados da Boa Terra. Em seu site Alô Alô Bahia ele faz uma radiografia do momento difícil que atravessa a maior empreiteira do país, a Odebrecht, faz revelações sobre seus bastidores, e antecipa a determinação do presidente da Odebrecht de não aceitar a proposta da delação premiada.

marcelo_odebrecht_alo_alo_Bahia

 

Marcelo Odebrecht / Reprodução do site Alô Alô Bahia

A PRISÃO DE MARCELO ODEBRECHT

Por Rafael Freitas – Site Alô Alô Bahia

Gestos são maiores do que discursos. Com Marcelo preso, Emílio Odebrecht, pai, fez o que tinha de fazer – pegou o avião e foi para o escritório de São Paulo trabalhar na maior multinacional brasileira. A filosofia dos Odebrecht sempre envolveu dedicação extrema e uma vida quase espartana de entrega ao trabalho. Comparados a outros empresários brasileiros, os Odebrecht sempre foram exemplo de austeridade. Mas também de arrojo e ousadia. A situação, no país, já era tensa após a conclusão da delação premiada de Ricardo Pessoa; ainda não homologada pelo Ministro Teori Zarvaski. Mas a queda da Andrade Gutierrez e sobretudo a prisão de Marcelo Odebrecht fizeram a pressão chegar ao máximo. Não há outro assunto e não há outro propósito,no governo, senão achar uma saída para situação. Já há sinais de grave preocupação também nas hostes da oposição. O que Marcelo, irresignado ao ser preso, chamou de “lambança” tem potencial de atingir o PSDB, principal partido de oposição. Se tudo isso já não fosse bastante ruim, o ex-presidente Lula fez ruir a última ponte de papel que o ligava ao governo Dilma Rousseff. Lula, que já vinha subindo o tom, acusa Dilma de frouxidão e fulmina: ela é culpada pelo atual estado das coisas. Contudo, o que já é ruim ainda pode piorar. Num cenário de descontrole e lassidão das regras vigentes, a nuvem negra pode atingir a Câmara, o Senado, FHC, Serra, o alto Judiciário e muitos, muitos governadores e ex-governadores. Um Ministro do STF já avisou que delação premiada não prova nada. Prova se constitui por investigação. No meio jurídico as críticas a operação Lava Jato são generalizadas; o que não muda o fato de que reputações estão destruídas. Caso a situação avance sobre os políticos, o processo muda de foro – sobe pro STF. Caso contrário chegará rapidamente em Lula (como ele mesmo prevê). Como os romanos que esperavam os bárbaros, talvez a homologação da delação de Pessoa resolva alguns desses graves problemas. Nesse cenário de terra arrasada, alguns esperançosos acreditam num novo país. Os pessimistas também acreditam em um novo país, mas vislumbram pobreza e um tipo Berlusconi no poder. Ah! sobre a eventual delação premiada de Marcelo Odebrecht, o comentário geral dos bem informados é: esqueçam!

http://www.aloalobahia.com/notas/a-prisao-de-odebrecht

Paulista bilionário vende prédio em Nova York em frente à Apple que já foi paraíso dos playboys internacionais

Os bilionários brasileiros não estão apenas comprando em Nova York. Eles também são notícia No mercado imobiliário de Manhattan, praticando grandes vendas, Como fez agora o investidor paulista Paulo Malzoni, fechando a venda do prédio do antigo Playboy Club, por 85 milhões de dólares, conforme noticia o New York Post.

Os compradores são o grupo GreenOak Real Estate, juntamente com o armênio Daniel Ghadamian e o Josh Zamir’s Capstone Equities. Não houve corretores envolvidos nessa transação do edifício de escritórios de 4 mil 650 m².  O imóvel fica em frente da loja da Apple na Quinta Avenida. 

O Playboy Club já foi recheado com MILIONÁRIOS, Coelhinhas do Hugh Hefner e “Mad Men”, tipo aqueles do seriado, mas foi perdido para os credores em 1982, após o movimento feminista, que o transformou em símbolo do “politicamente incorreto”. ERA O TEMPLO Da “opressiva desvalorização da mulher”.

Com esta venda anunciada, Malzoni fez praticamente um “negócio da China”. Ele comprou por U$ 42 milhões, na baixa, em 2012, e vendeu agora, quando os preços dos imóveis em Nova York voltaram a subir.

Se alguém duvida, basta ler a notícia publicada há dois anos, em 15 de agosto de 2012, no jornal americano The Real Deal, especializado em transações imobiliárias, que dava conta de que “um playboy sul americano bilionário (eureka, era Malzoni!) está negociando a compra do prédio de escritório nº 5 da Rua 59 East, que já foi sede do famoso Playboy Club de Hugh Hefner”. Na ocasião, também não houve corretores envolvidos na transação, avaliada em US $ 42 milhões, com a venda realizada pela TriState Equities e um “indivíduo grego”.

No Playboy Club, na Quinta Avenida, Hugh Hefner, o  inventor e dono da marca Playboy, reinou com suas coelhinhas. Este era apenas mais um entre 40 clubes da rede Internacional Playboy, em Miami, Chicago, Nova Orleans, Londres etc.
Entrar no Club era só para quem possuía uma chave,  como  foi mostrado em um  episódio do “Mad Men”, seriado ambientado nos anos 60E chave só tinha quem era muito rico ou famoso. Alguns playboys brasileiros, como Jorge Guinle e Baby Pignatari, tinham esse privilégio.

Para alguns das novas gerações, o Playboy Club não significa muito, para outros significa coisa alguma! Mas para quem viveu os gloriosos anos dourados dos 60’s e 70’s e frequentava Nova York naquelas décadas, com as carteiras recheadas de dólares, o Playboy Club era o lugar para se divertir, comer bem, beber melhor ainda, misturar-se às pessoas certas, os big shots do mundo artístico, do meio político e os empresários norte-americanos mais poderosos, sendo servido “de bandeja” (mesmo) pelas moças mais lindas da América, as “Playboy bunnies” ou Coelhinhas!
Nos anos 70, o Club esteve no seu apogeu, sendo frequentado por milionários do mundo inteiro e alguns playboys brasileiros de então, encantados com as coelhinhas de cintura fina e peitão, o que na época, não era moda no Brasil, onde o que sempre esteve em voga foi o look violão. No lugar do bumbum, pompom branco de coelho. Com orelhinhas e tudo, gravatinha borboleta e salto stiletto, elas eram escolhidas a dedo. A maioria se casou com milionários e virou grande dama do high society do mundo afora. Once upon a time…
.

 Inauguração do Playboy Club em Nova York em 1962

Um dos mais lindo e famosos atores americanos daqueles tempos,
Gregory Peck e o cantor da casa, Jackie Wilson

Jakie Wilson com o legendário cantor Bobby Dar,
marido da atriz Sandra Dee. Morreu jovem

Mr.Playboy, com as coelhinhas e sua primeira mulher, Barbara Benton,
conhecida como Barbie…

 …  e os Rolling Stones

… Ringo Star dança o Twist…

 Hugh Hefner, a atriz Francesca Annis e Roman Polanski

O brasileiro Jorge Guinle e Polanski

 John Lennon em início de carreira com a mulher, Cynthia, em três momentos, e com os Beatles

  Sammy Davis Jr. era assíduo…

 Woody Allen também!

 Dean Martin, Frank Sinatra e Sammy Davis Jr.,

Integrantes do “Rat Pack”

 Até o milionário dos hotéis, Conrad Hilton, era frequentador

 Famoso pianista gay, Liberace não resistia às Coelhinhas…
Rock Hudson autografa para a Coelhinha
Com a venda do antigo Playboy Club, se encerra o ciclo dos anos dourados do clubs novaiorquinos dos milionários, que também já teve os famosos El Morocco, Stork Club e, nos anos 70 e 80, o Club A, do Ricardo Amaral, e o Regine´s !